Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Plasma convalescente: como funciona a técnica no combate à Covid-19

    O uso do plasma sanguíneo de recuperados da Covid-19 em pessoas infectadas pode ajudar a diminuir a carga viral no organismo

    Karla Chaves e Luana Franzão

    da CNN, em São Paulo

    A pandemia do novo coronavírus provocou grande agitação no mundo da ciência. Vacinas, medicamentos e outros métodos de combate ao vírus estão em teste no mundo todo.

    Uma das técnicas mais comentadas, recentemente, tem sido a que utiliza plasma em organismos infectados. O plasma é a parte líquida do sangue, onde estão os linfócitos, estruturas importantes de defesa do corpo humano.

    Quando uma pessoa é infectada por um vírus e se cura, na maioria dos casos, o sistema imunológico produziu células de defesa eficazes, como anticorpos e células T. Estas ficam alojadas no plasma sanguíneo após sua produção.

    Pesquisas estudam qual o possível efeito de realizar transfusões de plasma convalescente entre pessoas que se curaram da Covid-19 e aquelas que estão infectadas pelo vírus.

    A técnica espera fazer com que células de defesa presentes no plasma de uma pessoa já recuperada possam ajudar um sistema sobrecarregado pela infecção do vírus a se defender e diminuir a gravidade da doença.

    Estudos recentes mostraram que essa técnica foi efetiva no tratamento de pacientes em estágio grave da Covid-19.

    Leia também:
    Quando teremos uma vacina eficaz contra a Covid-19?
    Caso Coronavac seja eficaz, SP pedirá liberação emergencial à Anvisa em outubro
    43% das escolas não têm água e sabão para alunos lavarem suas mãos, diz Unicef

    Esse não é um método inédito e já foi usado na tentativa de combater inclusive a pandemia de gripe espanhola no século XX.

    Segundo o imunologista Gustavo Cabral – formado em Oxford, Reino Unido e Berna, na Suíça – “é preciso entender que [o método] é só uma ação imediata, pois ele [o plasma] age e depois é inutilizado no organismo”.

    Em entrevista à repórter Karla Chaves, Cabral explicou que o plasma não age como uma vacina por exemplo, que induz a produção da imunidade contra a doença. A técnica que utiliza o plasma seria um jeito de tentar combater o vírus quando este já penetrou o organismo.

    Dr. Gustavo Cabral e Karla Chaves conversam em frente à fundo com coronavírus
    Gustavo Cabral responde à perguntas acerca das pesquisas em vacinas contra a Covid-19
    Foto: CNN Brasil