Pré-diabetes mais que dobra em adolescentes dos EUA, aponta pesquisa

Estudo que analisou dados de adolescentes entre 1999 e 2018 descobriu que a taxa de pré-diabetes aumentou de 11,6% para 28,2% em jovens de 12 a 19 anos

Em 20 anos, pré-diabetes mais que dobra em adolescentes
Em 20 anos, pré-diabetes mais que dobra em adolescentes Rawpixel / Freepik

Madeline Holcombeda CNN*

Ouvir notícia

A pré-diabetes na juventude americana segue uma tendência preocupante: as taxas entre as crianças mais que dobraram em cerca de 20 anos, de acordo com um novo estudo.

O aumento foi observado em quase todas as subpopulações de jovens americanos, independentemente de renda, etnia e educação, disse o autor do estudo Junxiu Liu, professor assistente de ciência e política de saúde populacional na Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai, em Nova York.

O estudo, publicado na revista JAMA Pediatrics, incluiu adolescentes de 12 a 19 anos e analisou dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, de 1999 a 2018.

Durante esse período, a taxa de pré-diabetes em adolescentes passou de 11,6% para 28,2%, aumentando de forma bastante constante nesse período.

O pré-diabetes é muito comum em adultos, mas 80% das pessoas afetadas não sabem que o têm, de acordo com o CDC. A condição é marcada por níveis de açúcar no sangue que são mais altos do que o normal, mas ainda não no limiar do diabetes, e aumenta o risco de uma pessoa desenvolver diabetes tipo 2, doenças cardíacas e derrame.

“Se não intervirmos, as crianças que têm pré-diabetes têm um risco maior de desenvolver diabetes e também têm um risco maior de todas as doenças cardiovasculares“, disse Liu.

O estudo é bem feito e acrescenta a um corpo de conhecimento sobre tendências preocupantes quando se trata de diabetes e da juventude da América, de acordo com o Robert Gabbay, chefe de ciências e diretor médico da Associação Americana  de Diabetes.

“Como sociedade, precisamos trabalhar juntos para reduzir a obesidade e o pré-diabetes na juventude”, disse Gabbay. “Isso terá uma ampla abordagem de saúde pública do trabalho em escolas, famílias e, mais importante, a disponibilidade de alimentos saudáveis, com ênfase particular nas populações que estão em maior risco, como a população jovem”.

O que o estudo não conseguiu responder é por que o pré-diabetes está aumentando, disse Liu, e essa é a próxima pergunta que pesquisas futuras devem colocar.

O que os pais e cuidadores podem fazer

É possível que haja dúvidas sobre o que está causando o aumento, mas Liu e Gabbay disseram que um estilo de vida saudável é um ótimo lugar para as famílias começarem a reduzir seus riscos.

A maioria das crianças deve fazer atividade física regular, reduzir o tempo de tela, passar mais tempo ao ar livre, comer uma dieta saudável e dormir o suficiente, disse Liu.

Os pesquisadores observaram um declínio ao longo de cinco anos na quantidade de atividade física que crianças de 6 anos praticam por dia, de acordo com um estudo de 2019 publicado na revista Pediatrics.

Ao mesmo tempo, crianças de 8 a 12 anos estão recebendo quase cinco horas de tempo de tela por dia, enquanto crianças de 13 a 18 anos passam mais de sete horas coladas em suas telas, de acordo com um relatório de 2019 da Common Sense Media . um grupo sem fins lucrativos que fornece recomendações de entretenimento e tecnologia para famílias.

Afastar as crianças da tela e se mover pode ser um desafio para alguns, então a colaboradora da CNN Stephanie Mansour, apresentadora do “Step It Up With Steph” na PBS, sugeriu trabalhar com seu filho para encontrar o que funciona para eles — sejam esportes coletivos, natação em um dia de verão ou fazer uma caminhada em família.

“Permitir que seu filho descubra em quais esportes ou atividades físicas ele está interessado desde cedo pode dar a ele algo pelo que esperar, mantendo boa saúde e boa forma durante o ano letivo”, disse Mansour.

E quando se trata de alimentação saudável, não precisa ser uma briga.

Ouça os sinais de fome do seu filho, modele uma alimentação saudável, incorpore adições saudáveis ​​​​às refeições que eles já gostam e disponibilize alimentos saudáveis ​​​​(e alimentos não saudáveis ​​​​menos), disse Alexis Wood, professor assistente de nutrição pediátrica do Baylor College of Medicine e líder autor de uma nova declaração científica da American Heart Association.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN