Covid-19: São Paulo tem mais de mil pessoas na espera por vagas em hospitais

Em todo o estado, 53 cidades atingiram os 100% de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI)

Giovanna Bronze e Alisson Negrini, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

São Paulo tem nesta sexta-feira (12) 1.065 pessoas aguardando vagas em hospitais da rede pública para tratar a Covid-19. O balanço foi feito pela Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde (Cross) do governo do estado.

Em todo o estado, 53 cidades atingiram 100% de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Essas cidades representam mais de 8% do total de municípios do estado, e a maioria delas está concentrada nas regiões de Grande São Paulo e Campinas.

A Grande São Paulo registrou 8 cidades com 100% de ocupação nas UTIs, sendo elas: Arujá, Carapicuíba, Embu das Artes, Ferraz de Vasconcelos, Mairiporã, Poá, Rio Grande da Serra e Taboão da Serra.

Campinas também registrou oito municípios, os quais são:  Amparo, Artur Nogueira, Itupeva, Louveira, Paulínia, Socorro, Sumaré e Valinhos.

Segundo a plataforma do governo estadual, a região de Grande São Paulo está com 87,6% dos leitos de UTI ocupados. Apenas na quinta-feira (11), a região bateu recorde de novas internações, com 1.598 pacientes em leitos de UTI ou enfermaria. De acordo com o site, nos últimos 7 dias – em comparação com a semana anterior – a região registrou 21,4% mais internações.

Já em Campinas, a região registrou 208 novas internações na quinta-feira. O recorde, no entanto, foi na terça-feira (9), quando registrou 209.

Taboão da Serra, que está entre as cidades com maior demanda por leitos de UTI no estado, registrou a fila de 19 pacientes aguardando transferência para leitos de UTI. As solicitações foram registradas pela Prefeitura de Taboão da Serra pelo sistema Cross. Segundo o órgão municipal, 12 pacientes já morreram enquanto aguardavam por um leito de UTI.

Fila

O Cross, de gestão estadual, registra os pedidos (filas para leitos na rede SUS estadual) e disponibilidade para habilitar a transferência dos pacientes. São 1.065 pacientes aguardando leitos no estado.

Embora o próprio município de Campinas não esteja entre os 8 da região com 100% de ocupação de leitos de UTI, a CNN apurou que 100 pacientes estão na fila aguardando por leito na rede municipal. O mesmo se aplica para a cidade de São Paulo que, embora não seja uma das cidades com 100% de ocupação de leitos de UTI na rede estadual, registrou a fila de 250 pessoas na rede municipal até a noite de quarta-feira (10)

Segundo a pesquisa do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SindHosp), a situação também é crítica na rede privada. O levantamento feito pelo SindHosp ouviu 93 hospitais particulares, dos quais 82% registraram mais de 90% de ocupação de UTI.

Fase emergencial

Na quinta-feira (11), o governo de São Paulo anunciou que adotará, por 15 dias – da próxima segunda-feira (15) até o dia 30 – um toque de recolher em todo o estado entre as 20h e 5h, em mais uma das medidas tomadas para tentar conter o avanço da pandemia de Covid-19 em todo o estado na chamada “fase emergencial”.

Além do toque de recolher, haverá também proibição do uso de parques e praias em todo o estado. Qualquer aglomeração será proibida e o uso de máscara será obrigatório em ambientes internos e externos. Veja outras mudanças nesta fase.

(Com informações de Julyanne Jucá e André Rosa, da CNN)

Mais Recentes da CNN