Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saúde amplia público para vacina contra HPV; saiba quem pode se imunizar

    Oferta do imunizante foi ampliada para a população masculina imunossuprimida de até 45 anos

    Vacina HPV quadrivalente contribui para a prevenção de câncer
    Vacina HPV quadrivalente contribui para a prevenção de câncer Foto: Getty Images

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    O Ministério da Saúde ampliou, na quarta-feira (6), o público-alvo apto para a vacinação contra o HPV (Papilomavírus humano).

    A oferta do imunizante foi ampliada para a população masculina imunossuprimida. A partir de agora, homens de até 45 anos transplantados, pacientes oncológicos ou vivendo com HIV/Aids podem se vacinar. De acordo com a pasta, será adotado o esquema tradicional de três doses, independentemente da idade.

    Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que haja de 9 a 10 milhões de infectados pelo vírus no Brasil. A cada ano surgem cerca de 700 mil novos casos da infecção.

    A mudança considera o risco cerca de quatro vezes maior de desenvolvimento de cânceres associados ao HPV entre pessoas vivendo com HIV/Aids e transplantados do que na população sem a doença ou transplante.

    De acordo com o ministério, a imunossupressão crônica também é um dos principais fatores de risco para o contágio e a persistência do HPV no organismo.

    Quem pode se vacinar:

    • Meninas de 9 a 14 anos;
    • Meninos de 11 a 14 anos;
    • Homens e mulheres imunossuprimidos, de 9 a 45 anos, que vivem com HIV/Aids, transplantados de órgãos sólidos ou medula óssea e pacientes oncológicos

    A vacina HPV quadrivalente contribui para a prevenção de cânceres relacionados aos HPV 16 e 18; de colo do útero; vulva e vagina; câncer peniano e cânceres de orofaringe e anal em homens e mulheres, além das verrugas genitais nos dois sexos relacionadas ao HPV 6 e 11.

    Sobre o HPV

    O HPV é um vírus, com diferentes tipos, que infecta a pele ou tecidos da boca, genitais ou ânus, em homens e mulheres, e causa verrugas anogenitais e pode levar ao desenvolvimento de câncer, a depender do tipo de vírus. A doença é considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST).

    A infecção pelo HPV não apresenta sintomas na maioria das pessoas. Em alguns casos, o vírus pode permanecer no organismo durante meses ou anos, sem manifestar sinais visíveis ou apresentar manifestações que não são perceptíveis.

    No entanto, a queda da resistência do organismo pode levar à multiplicação viral e provocar o aparecimento de lesões. As primeiras manifestações da infecção surgem entre cerca de 2 a 8 meses, mas pode demorar até 20 anos para aparecer algum sinal.

    O diagnóstico do HPV é realizado por meio de exames clínicos e laboratoriais, dependendo do tipo de lesão.

    O tratamento das verrugas consiste na destruição das lesões. Independente de realizar o tratamento, as lesões podem desaparecer, permanecer inalteradas ou aumentar em número ou volume.