Se insumo não chegar, AstraZeneca terá de fornecer doses prontas, diz Fiocruz

Pesquisadora da instituição diz que produção no segundo semestre deve superar necessidade do Brasil

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tem um ‘plano B’ caso o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) necessário para a produção da vacina da AstraZeneca no Brasil não venha da China no tempo previsto. A pesquisadora da instituição, Margareth Dalcomo, contou à CNN nesta segunda-feira (18) o que deve acontecer caso isso ocorra.

“A Fiocruz aguarda apenas a chegada do IFA. Caso não chegue até dia 25, há um contrato que prevê que a AstraZeneca, responsável por esse processo, terá de nos fornecer doses prontas. Estamos com a linha de produção completamente pronta para dar início. Precisa ter o ingrediente, a matéria-prima. Não podemos fazer nada sem ter a IFA chegada do exterior”, explica.

 

A pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo (18.jan.2021)
A pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo (18.jan.2021)
Foto: Reprodução/CNN

Ela detalhou também a produção de doses no país a partir daí. “Nosso cronograma é entregar o primeiro milhão até os primeiros dias de fevereiro, depois 15 milhões de doses por mês, fechando o primeiro semestre com 110 milhões de doses entregues ao ministério da Saúde”.

A produção nacional será suficiente em breve, prevê. “Através de um processo de transferência de tecnologia integral, a vacina passará a ser chamada AstraZeneca/Fiocruz e será completamente nacionalizada. E a partir do outono, provavelmente, a Fiocruz poderá fabricar o IFA no brasil. Com isso, a vacina será completamente brasileira e a capacidade de produção supera, no segundo semestre, a necessidade do Brasil, podendo colaborar com outros países da região”.

(Publicado por: André Rigue)

 

Mais Recentes da CNN