Técnica de enfermagem brasileira pode ter se reinfectado com Covid-19

Gabriela Carla da Silva voltou a testar positivo para a doença 50 dias após o primeiro resultado que confirmava Covid-19

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Na primeira semana de agosto, pesquisadores da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, concluíram ser possível a reinfecção pelo novo coronavírus após estudarem o caso da técnica de enfermagem de 24 anos, Gabriela Carla da Silva. Ela voltou a testar positivo para a doença 50 dias após o primeiro resultado que confirmava a Covid-19.

Nesta segunda-feira (24), dia que em cientistas confirmaram o primeiro caso de reinfecção comprovada – um paciente de 33 anos em Hong Kong –, Gabriela relatou à CNN como foi ter receber segundo diagnóstico para a doença.

“Da primeira vez que tive a doença, em maio, fiquei com sintomas leves. Comecei com dor de cabeça e sinais leves de gripe. Já no final de junho foi quando tive sintomas mais característicos, como perda de olfato, paladar, dor de cabeça e dor de garganta. Da segunda vez que tive a Covid-19, fiquei com sintomas bastante característicos, foi bem mais intenso.”

Leia também 

Reinfecção não é comum, mas momento exige cuidados, diz infectologista

Máscara é indispensável, diz infectologista do HC sobre reinfecção

Volta às aulas envolve exemplo de autoridades, diz especialista

Gabriela Carla da Silva
Paciente com possível reinfecção do coronavírus, Gabriela Carla da Silva, técnica de enfermagem
Foto: CNN (24.ago.2020)

Ela explica que da primeira vez não sabe dizer o local em que contraiu o novo coronavírus, mas que a segunda infecção deve ter ocorrido em casa, pois, no mesmo período, os pais dela testaram positivo para a doença.

Gabriela afirma, porém, que resultados de testes sorológicos indicaram que o corpo dela está produzindo anticorpos para a doença.

O caso dela ainda é investigado. Médicos envolvidos buscam entender se ela contraiu duas variedades diferentes do vírus.

“Eles dizem que não há como excluir possibilidades e pretendem investigar as duas infecções porque elas tiveram sintomas diferentes.”

(Edição: Sinara Peixoto)

Mais Recentes da CNN