Variante da Covid-19 encontrada no Reino Unido já chegou a 35 países

Estudos indicam que ela é mais transmissível, mas especialistas afirmam que ainda não há indícios de que ela seja mais perigosa

Visualização da partícula do novo coronavírus
Visualização da partícula do novo coronavírus Foto: Fusion Medical Animation / Unsplash

Ouvir notícia

A variante do SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19, encontrada primeiramente no Reino Unido pouco antes do Natal já chegou a 35 países. Estudos indicam que ela é mais transmissível, mas especialistas afirmam que ainda não há indícios de que ela seja mais perigosa. 

Assista e leia também:
Argentina e Singapura iniciam vacinação contra Covid-19; Brasil está fora
Vale, Ambev: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em janeiro
Polícia dos EUA prende farmacêutico suspeito de danificar doses de vacina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que a análise inicial da nova cepa indica que ela pode se espalhar mais facilmente entre as pessoas, mas que estudos estão em andamento para determinar se ela está associada a mudanças na gravidade dos sintomas, resposta dos anticorpos ou mesmo eficácia das vacinas. 

Até o dia 3 de janeiro, a mutação denominada VOC-202012/01 (Variante de preocupação, ano 2020, mês 12, variante 01) foi registrada em 35 países: 

  • Reino Unido (origem)
  • Austrália
  • Dinamarca
  • Alemanha
  • Japão
  • Líbano
  • Singapura
  • Irlanda
  • Israel
  • Bélgica
  • Holanda
  • Suécia
  • Espanha
  • França
  • Canadá
  • Noruega
  • Coreia do Sul
  • Finlândia
  • Índia
  • Chile
  • Estados Unidos
  • Emirados Árabes Unidos
  • China
  • Brasil
  • Suíça
  • Jordânia
  • Itália
  • Portugal
  • Paquistão
  • Islândia
  • Malásia
  • Turquia
  • Vietnã
  • Tailândia
  • Chipre
  • Taiwan *
  • África do Sul **
  • Nigéria **

* Não entra na conta pois não é reconhecido como país pelo Brasil.

** Trata-se de uma cepa diferente, porém apresenta similaridades com a do Reino Unido.

(Com informações de Giulia Alecrim, Carolina Figueiredo e Julyanne Jucá, da CNN, em São Paulo, e Reuters)

Mais Recentes da CNN