Twitter diz que hackers usaram 8 contas não verificadas para obter dados

Segundo a companhia, os responsáveis pelo ataque miraram em 130 contas, e conseguiram mudar a senha de 45 delas

Reuters
18 de julho de 2020 às 04:48
Símbolo da rede social Twitter
Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O Twitter disse neste sábado (18) que, no ataque desta semana, os hackers conseguiram acessar os dados de personalidades através de oito contas envolvidas na ação. Contudo, a empresa afirmou que nenhuma delas era verificada.

Segundo a companhia, os hackers não identificados miraram em 130 contas, e conseguiram mudar a senha de 45 delas, aproveitando inclusive para tuitar em nome dos donos desses perfis.

Os hackers invadiram o sistema interno do Twitter e sequestraram as contas de algumas personalidades, como o candidato à presidência dos Estados Unidos Joe Biden, a estrela de reality show Kim Kardashian, o ex-presidente norte-americano Barack Obama e o bilionário Elon Musk. 

Assista e leia também:

Ataque de hackers ao Twitter pode ser pior do que parece

FBI confirma investigar invasão de contas de grande visibilidade no Twitter

Twitter hackeado: como proteger os seus investimentos e dados na internet

Os responsáveis pelo ataque tentaram usar os nomes dessas personalidades para obter criptomoedas. Os registros públicos de blockchain disponíveis mostram que os golpistas podem ter recebido mais de US$ 100 mil em moedas virtuais.

No ataque, registrado nessa quarta-feira (15), o Twitter disse que os hackers conseguiram acessar informações pessoais, como endereços de e-mail e números de telefone, das 130 contas alvo da operação, mas não conseguiram obter a senha de todas elas.

“Quando uma conta é tomada por um hacker, ele pode ter acesso a informações adicionais”, afirmou o Twitter em um comunicado. A empresa acredita que os responsáveis pela ação podem ter tentado vender os nomes de usuários de algumas contas.

Outros perfis que foram hackeados são do rapper Kanye West, do fundador da Amazon, Jeff Bezos, do investidor Warren Buffett, do cofundador da Microsoft Bill Gates e contas corporativas mantidas no Uber e na Apple.

Em um comunicado recente, o Twitter afirmou que os hackers “agiram com um pequeno número de empregados” para conseguir acesso às ferramentas internas de suporte usadas no ataque.

A empresa disse também que não revelou todas as informações a respeito do caso porque a investigação ainda está em andamento, e reiterou que está em contato com os proprietários das contas impactadas.

A divisão do FBI de São Francisco lidera o inquérito sobre o ataque hacker, enquanto muitos políticos de Washington solicitam informações sobre como isso aconteceu.