Saiba o que melhora com a implementação do 5G no Brasil


Anne Barbosa, da CNN, em São Paulo
27 de julho de 2020 às 23:43 | Atualizado 29 de julho de 2020 às 11:26

A pandemia do novo coronavírus fez com que o processo de implantação da tecnologia 5G no país ficasse para 2021. Mas você sabe o que ela traz, além de maior velocidade de navegação na internet?

Segundo Henrique Poyatto, especialista em tecnologia da Fiap, disse à CNN, com a quinta geração da telefonia móvel, devemos ter um ganho grande em velocidade, pois a tecnologia tem como característica usar frequências muito elevadas. E, quanto maior a frequência utilizada, ela se propaga menos, podendo ultrapassar obstáculos, como paredes, por exemplo. 

Outra questão que o 5G promete melhorar é o sinal em lugares com muitas pessoas no mesmo espaço. Hoje, a conexão geralmente fica muito ruim porque a antena não dá conta de entregar sinal com qualidade para todos. 

A nova geração de internet, porém, deve suportar até um milhão de usuários conectados por quilômetro quadrado. É como se toda a arquibancada de um estádio de futebol pudesse registrar e postar aquele gol tão esperado ao mesmo tempo.

Ao invés das enormes antenas, o 5G vai usar fitinhas para ajudar a melhorar a intensidade do sinal, além de possibilitar a conexão entre diferentes equipamentos eletrônicos.

Mas, para chegar até aqui, foi um longo caminho.

Assista e leia também:

Negócio entre Highline e Oi pode aumentar competição no 5G

Leilão do 5G deve acontecer no primeiro semestre de 2021, diz Fábio Faria

Brasil não pode perder inovação, diz presidente da Ericsson sobre 5G no país

Nos anos 80, a primeira geração possibilitou a comunicação via voz, com aqueles aparelhos enormes -- os chamados “tijolões”.

A segunda geração, o 2G, permitiu também a comunicação por texto. Depois veio o 3G, que garantiu o acesso à internet. Por último, o 4G, que ampliou a velocidade de conexão e permitiu o acesso à banda larga.

A transição para a nova tecnologia não será fácil. Isso porque, dos 228,5 milhões de telefones conectados no Brasil, metade deles ainda não tem nem o 4G.