Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça a missão espacial que pode desvendar segredos do lado oculto da Lua

    China está enviando missão para o lado distante do satélite com o objetivo de coletar as primeiras amostras da região para a Terra

    Ilustração mostra o lado distante da Lua iluminado, com a Terra aparecendo atrás
    Ilustração mostra o lado distante da Lua iluminado, com a Terra aparecendo atrás Nasa

    Ashley Stricklandda CNN

    Quando a missão Chang’e-4 pousou na cratera Von Kármán em 3 de janeiro de 2019, a China tornou-se o primeiro e único país a pousar no lado distante da Lua – o lado que sempre está voltado para longe da Terra.

    Agora, a China está enviando outra missão para o lado distante, e desta vez, seu objetivo é retornar as primeiras amostras do “lado oculto” da Lua para a Terra.

    A missão Chang’e-6, lançada na sexta-feira (3), está programada para passar 53 dias explorando a bacia do Polo Sul-Aitken para estudar sua geologia e topografia, além de coletar amostras de diferentes pontos da cratera.

    Acredita-se que a bacia do Polo Sul-Aitken seja a maior e mais antiga cratera da Lua, abrangendo quase um quarto da superfície lunar, com um diâmetro de aproximadamente 2.500 quilômetros. A cratera de impacto tem mais de 8 quilômetros de profundidade.

    Os cientistas esperam que o retorno das amostras à Terra ajude a responder a perguntas persistentes sobre o intrigante lado distante, que não foi estudado tão profundamente quanto o lado próximo, além de confirmar a origem da Lua.

    “O lado distante da Lua é muito diferente do lado próximo”, disse Li Chunlai, designer-chefe adjunto da Administração Espacial Nacional da China. “O distante é basicamente composto por crosta lunar antiga e terras altas, então há muitas questões científicas a serem respondidas lá.”

    Nenhum verdadeiro ‘lado escuro’

    Durante uma audiência sobre o orçamento da Nasa (agência espacial dos Estados Unidos) em 17 de abril, o congressista David Trone perguntou ao administrador da agência, Bill Nelson, por que a China estava enviando uma missão para o “lado de trás” da Lua.

    “Eles vão ter um pouso no lado distante da Lua, que é o lado que está sempre na escuridão”, respondeu Nelson. “Não estamos planejando ir lá.”

    O lado oculto da Lua às vezes foi chamado de “lado escuro da Lua”, em grande parte em referência ao álbum de 1973 do Pink Floyd com o mesmo nome.

    Mas a frase é um pouco equivocada por alguns motivos, de acordo com especialistas.

    Embora o lado distante da Lua possa parecer escuro da nossa perspectiva, ele experimenta um dia lunar e uma noite lunar assim como o lado próximo, e recebe bastante iluminação. Um dia lunar dura pouco mais de 29 dias, enquanto a noite lunar dura cerca de duas semanas, de acordo com a Nasa.

    O mesmo lado sempre está voltado para a Terra porque a Lua leva o mesmo tempo para completar uma órbita ao redor da Terra e girar em torno de seu eixo: cerca de 27 dias.

    Além disso, o lado distante da Lua tem sido mais difícil de estudar, o que levou ao apelido de “lado escuro” e criou um ar de mistério.

    “Os humanos sempre querem saber o que está do outro lado da montanha e a parte que você não pode ver, então isso é uma espécie de motivação psicológica”, disse Renu Malhotra, Professora de Pesquisa Científica Louise Foucar Marshall e Professora Regente de Ciências Planetárias na Universidade do Arizona em Tucson. “Claro, enviamos sondas espaciais que orbitaram a Lua e temos imagens, então, em certo sentido, é menos misterioso do que antes.”

    Várias espaçonaves, incluindo o Orbitador de Reconhecimento Lunar da Nasa que circula constantemente e tira imagens da superfície lunar, ajudaram a esclarecer fatos sobre a Lua.

    Yutu-2, um rover lunar lançado pelo Chang’e-4 em 2019, também explorou depósitos soltos de rochas pulverizadas e poeira que cobrem o chão da cratera Von Kármán, localizada dentro da maior bacia do Polo Sul-Aitken.

    Mas o retorno de amostras para a Terra permitiria que a tecnologia mais recente e sensível analisasse rochas e poeira lunares, potencialmente revelando como a Lua se formou e por que seu lado distante é tão diferente do lado próximo.

    Mistérios do lado distante

    Apesar de anos de dados orbitais e amostras coletadas durante seis das missões Apollo, os cientistas ainda estão tentando responder a perguntas-chave sobre a Lua.

    “O motivo pelo qual o lado distante é tão fascinante é porque ele é tão diferente do lado da Lua que vemos, o lado próximo”, disse Noah Petro, cientista do projeto da Nasa tanto para o Orbitador de Reconhecimento Lunar quanto para a missão Artemis III, que visa pousar humanos na Lua pela primeira vez desde 1972. “Durante toda a história humana, os humanos foram capazes de olhar para cima e ver a mesma superfície, o mesmo lado da Lua.”

    Mas em 1959, a União Soviética enviou uma sonda para voar pelo lado distante da Lua e capturou as primeiras imagens dele para a humanidade.

    “Vimos esse hemisfério completamente diferente: não coberto por grandes fluxos de lava vulcânica, marcado por crateras, uma crosta mais espessa. Isso conta uma história diferente do lado próximo”, disse Petro.

    Veja fotos do eclipse solar de abril de 2024

    O retorno de amostras com missões robóticas e o pouso de humanos perto da transição entre as duas regiões lunares no polo sul por meio do programa Artemis “ajudarão a contar essa história mais completa da história lunar que estamos carentes no momento”, disse ele.

    Embora os cientistas entendam por que um lado da Lua sempre está voltado para a Terra, eles não sabem por que esse lado específico está permanentemente voltado para o nosso planeta. Mas isso poderia ter algo a ver com a Lua sendo assimétrica, disse Malhotra.

    “Há alguma assimetria entre o lado que está nos encarando e o outro lado”, disse ela. “O que exatamente causou essas assimetrias? O que realmente são essas assimetrias? Temos pouco entendimento disso. Essa é uma grande questão científica.”

    Dados orbitais também revelaram que o lado próximo tem uma crosta mais fina e mais depósitos vulcânicos, mas as respostas para o porquê disso têm escapado aos pesquisadores, disse Brett Denevi, geólogo planetário do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins.

    “Ele tem um tipo diferente de composição geoquímica com alguns elementos estranhos que produzem calor extra. Existem muitos modelos para explicar por que o lado próximo é diferente do lado distante, mas ainda não temos os dados”, disse Denevi. “Portanto, ir para o lado distante, obter amostras e fazer diferentes tipos de medidas geofísicas é realmente importante para resolver este mistério muito antigo.”

    Chang’e-6 é apenas uma das missões que se dirigem para o lado distante da Lua, já que a Nasa também tem planos de enviar missões robóticas para lá.

    Denevi ajudou a projetar um conceito de missão para um rover lunar chamado Endurance, que realizará uma longa jornada pela bacia do Polo Sul-Aitken para coletar dados e amostras antes de entregá-los aos locais de pouso do programa Artemis, perto do polo sul lunar. Então, os astronautas podem estudar as amostras e determinar quais devem ser devolvidas à Terra.

    Decifrando o código lunar

    Uma das questões mais fundamentais que os cientistas tentaram responder é como a Lua se formou. A teoria predominante é que algum tipo de objeto colidiu com a Terra no início de sua história, e um enorme pedaço que foi arremessado para fora de nosso planeta formou a Lua.

    Os cientistas também querem saber como se formou a crosta original da Lua. Fluxos vulcânicos criaram manchas escuras na Lua, enquanto as partes mais claras da superfície representam a crosta primordial do satélite.

    “Acreditamos que em algum momento a Lua estava completamente derretida, e era esse oceano de magma, e à medida que isso solidificava, os minerais flutuavam até o topo deste oceano, e essa é a paisagem mais clara que podemos ver hoje”, disse Denevi. “Chegar às grandes extensões de terreno primitivo no lado distante é apenas um dos objetivos.”

    Enquanto isso, o estudo das crateras de impacto que polvilham a superfície lunar fornece uma história de como as coisas se moviam durante os primeiros dias do sistema solar, em um momento crítico em que a vida estava começando a se formar na Terra, disse Denevi.

    “Enquanto os impactos estavam acontecendo na Lua, os impactos estavam acontecendo na Terra ao mesmo tempo”, disse Petro. “E assim, sempre que olhamos para esses eventos antigos na Lua, estamos aprendendo um pouco sobre o que está acontecendo na Terra também.”

    Visitar a bacia do Polo Sul-Aitken poderia ser o início da solução de uma infinidade de mistérios lunares, disse Malhotra. Embora os pesquisadores acreditem ter uma ideia de quando a cratera se formou, talvez há 4,3 bilhões a 4,4 bilhões de anos, coletar amostras de rochas poderia fornecer uma idade definitiva.

    “Muitos cientistas têm certeza de que, se descobrirmos a idade dessa depressão”, disse ela, “vai desbloquear todo tipo de mistérios sobre a história da Lua.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original