Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Falcão róbotico é projetado para ajudar a evitar colisões de aviões com pássaros

    Incidentes podem resultar em danos à aeronave, atrasos e cancelamentos de voos

    Reprodução/ R.F. Storms

    Tamara Hardingham-Gillda CNN

    Aviões e pássaros compartilham os céus desde o primeiro voo em 1903. No entanto, dizer que isso levou a alguns problemas, principalmente nas últimas décadas, é um eufemismo.

    Colisões entre pássaros e aeronaves são a causa de milhares de mortes de aves todos os anos.

    Tais incidentes, conhecidos como colisões com pássaros, também podem resultar em danos à aeronave, bem como atrasos e cancelamentos de voos, custando à Organização Internacional de Aviação Civil (Icao, na sigla em inglês) cerca de US$ 1,4 bilhão por ano.

    As equipes de gerenciamento da vida selvagem dos aeroportos atualmente empregam uma série de dissuasores, como drones e aves de rapina — incluindo falcões — para tentar assustar as aves dos arredores do aeroporto. No entanto, criar e treinar falcões não é exatamente barato, e as aves podem ser difíceis de gerenciar.

    Mas poderia um falcão peregrino robótico desenvolvido pela Universidade de Groningen, na Holanda, ser a solução?

    Feito de fibra de vidro e polipropileno expandido (EPP), o RobotFalcon, que tem uma envergadura de 70 centímetros, imita os movimentos do grande e poderoso falcão e provou ser altamente eficaz em manter as aves afastadas em um estudo publicado recentemente.

    Controlado a partir do solo, o pássaro tem uma hélice em cada asa e uma câmera instalada em sua cabeça para permitir a “visão em primeira pessoa durante a direção”.

    Durante uma série de testes realizados em 2019 na área ao redor da cidade de Workum, na Holanda, o RobotFalcon conseguiu deter com sucesso todos os bandos dos campos em cinco minutos após o início de seu voo, com 50% dos locais limpos em 70 segundos, segundo Rolf Storms, um dos autores do relatório.

    Quando comparado com um drone, o RobotFalcon, que pesa 0,245 kg, foi considerado o superior dos dois, com o drone conseguindo apenas eliminar 80% das aves no mesmo período de tempo.

    “Há uma necessidade de novos métodos para deter os pássaros”, diz o relatório publicado no Journal of the Royal Society Interface. “E mostramos que o RobotFalcon pode dar uma grande contribuição para preencher esse nicho.

    “Ele limpou os campos de corvídeos, gaivotas, estorninhos e abibes com sucesso e rapidez, com bandos dissuadidos ficando longe por horas.

    “O RobotFalcon foi mais eficaz do que um drone: seu sucesso foi maior e dissuadiu os bandos mais rapidamente.”

    Quanto às comparações com uma ave de rapina real, os autores observaram que o RobotFalcon era uma “solução prática e ética” com as “vantagens de predadores vivos, mas sem suas limitações”.

    No entanto, o relatório reconhece que também existem limitações com o RobotFalcon, apontando que ele precisa ser dirigido por pilotos treinados, enquanto os voos não podem ocorrer durante chuva ou vento forte e também são limitados por seus 15 minutos de vida útil da bateria.

    Ele também observa que o pássaro não foi tão eficaz quando se trata de dissuadir pássaros grandes, como gansos ou garças, e um robô maior semelhante a um pássaro, como uma águia, pode precisar ser desenvolvido para esse fim.

    “Ao longo do trabalho de campo, a reação dos pássaros (medida pela distância em que iniciaram o voo, a distância de início do voo) não mudou”, disse Storms à CNN Travel.

    “Isso pode indicar uma falta de habituação das aves ou ser causado por dissuadirmos novas aves ingênuas a cada dia devido à rotatividade da população de aves. Independentemente disso, mostra que o método permanece eficaz por períodos prolongados de tempo”.

    Storms passou a sugerir que aeroportos e bases aéreas deveriam considerar o uso do RobotFalcon com os métodos de dissuasão existentes “para o maior efeito”.

    Esta não é a primeira vez que um falcão robótico foi projetado para dissuadir pássaros do ambiente do aeroporto.

    Em 2017, o Aeroporto Internacional de Edmonton, no Canadá, tornou-se o primeiro aeroporto do mundo a integrar um conjunto completo de serviço de sistema aéreo não tripulado em suas operações diárias do aeroporto, quando testou o CFS Robird, projetado pela empresa holandesa Clear Flight Solutions.

    A notícia deste último estudo vem depois que uma colisão com pássaros resultou em um voo da United Airlines com destino ao Aeroporto Internacional de Miami retornando ao Aeroporto Internacional O’Hare de Chicago logo após a decolagem no início deste mês.

    Em comunicado divulgado após o incidente de 14 de outubro, a companhia aérea confirmou que o Boeing 737-900 havia pousado com segurança e uma nova aeronave foi designada para o voo.

    Houve mais de 17.000 ataques de animais selvagens em 753 aeroportos dos EUA em 2019, segundo a Administração Federal de Aviação (FAA).

    A FAA tem um banco de dados Wildlife Strike rastreando os incidentes, que aumentaram nos últimos anos, passando de cerca de 1.800 em 1990 para 16.000 em 2018, de acordo com o banco de dados.

    “A expansão das populações de animais selvagens, o aumento do número de movimentos de aeronaves, uma tendência para aeronaves mais rápidas e silenciosas e o alcance da comunidade da aviação contribuíram para o aumento observado nos ataques de animais selvagens relatados”, diz o site da FAA.

    O piloto Chesley B. “Sully” Sullenberger III fez o famoso pouso do voo 1549 da US Airways no rio Hudson, em Nova York, em 2019, depois que os dois motores do avião foram retirados por um duplo choque de pássaros.

    Howard Slutsken, Marnie Hunter e Sara Smart, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original