Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Proposta bilionária de Biden à Nasa abre caminho para 1ª exploração humana em Marte

    Pedido do presidente dos EUA para o orçamento de 2023 é de US $ 26 bilhões; se concretizado, esse será o maior incentivo à ciência na história da agência espacial

    Logo da Nasa
    Logo da Nasa nos Estados Unidos19/05/2020 REUTERS/Joe Skipper

    Ashley Stricklandda CNN*

    Ouvir notícia

    O pedido do governo de Joe Biden para o orçamento da Nasa em 2023 é de US $ 26 bilhões (aproximadamente R$ 123 bilhões), o maior pedido de ciência na história da agência espacial, anunciou o administrador da Nasa, Bill Nelson na segunda-feira (28).

    O número é 8% maior do que os níveis de gastos federais promulgados, ou o projeto de lei de apropriação do ano fiscal de 2022, disse Nelson.

    “Mais do que um número, estatística ou fato é o que o pedido de orçamento do presidente representa”, disse Nelson em comunicado.

    “Este orçamento reflete a confiança da administração Biden-Harris na extraordinária força de trabalho que torna a Nasa o melhor lugar para trabalhar no governo federal”, disse Nelson.

    “É um investimento nas empresas e universidades que fazem parceria com a Nasa em todos os 50 estados e nos empregos bem remunerados que estão criando. É um sinal de apoio às nossas missões em uma nova era de exploração e descoberta”.

    O pedido foi apresentado ao Congresso na segunda-feira como parte do orçamento proposto pelo presidente Joe Biden para o ano fiscal de 2023.

    Autoridades da Nasa acreditam que o pedido de Biden permitirá que a agência continue os investimentos no programa Artemis, que visa pousar a primeira mulher e a primeira pessoa negra na Lua em 2025, além de fornecer mais pesquisas sobre a crise climática e promover a diversidade, equidade e inclusão.

    Missão Artemis deve obter a maior parte

    A maior parte do pedido de orçamento de US$ 26 bilhões iria para o programa Artemis.

    O orçamento destinava US$ 7,6 bilhões (R$ 36 bilhões) para a exploração do espaço profundo e US$ 4,7 bilhões (R$ 22,3 bilhões) para o desenvolvimento de sistemas de exploração.

    Artemis é considerado o programa que não apenas devolverá os humanos à Lua e criará uma presença lunar sustentável e duradoura, mas também preparará a Nasa para a primeira exploração humana de Marte.

    “Nosso objetivo é aplicar o que aprendemos vivendo e operando na Lua e continuar no Sistema Solar”, disse Nelson. “Nosso plano é que os humanos andem em Marte até 2040.”

    Os US$ 4,7 bilhões seriam usados ​​em apoio a missões lunares, como financiamento para a espaçonave Orion e o foguete do Sistema de Lançamento Espacial que levará astronautas à Lua. E US$ 1,5 bilhão (R$ 7 bilhões) será destinado ao financiamento de uma nova competição para desenvolver aterrissadores lunares sustentáveis, anunciado na semana passada pela Nasa.

    “Lembra-se do que aconteceu depois do programa Apollo? Você teve várias gerações de engenheiros, cientistas e técnicos que surgiram como resultado do trabalho extraordinário na Apollo”, disse Nelson.

    “Mas agora, a geração Apollo passou a tocha para a geração Artemis. E esta nova geração está se preparando para ultrapassar os limites do que sabemos ser possível.”

    Monitoramento por satélite e tecnologia espacial

    A solicitação de orçamento também inclui US$ 2,4 bilhões (R$ 11,4 bilhões) que poderiam financiar o monitoramento do clima e do clima, usando satélites para observar nosso planeta e outras pesquisas para criar uma melhor compreensão da crise climática.

    O orçamento do presidente capacitará a Nasa a lançar um Centro de Informações da Terra, disse Nelson. O centro monitorará os gases de efeito estufa e outras condições na Terra em coordenação com outras agências e parceiros, integrando dados de satélites e telescópios para medir água, terra, gelo e atmosfera em nosso planeta.

    Dadas as parcerias comerciais em andamento da Nasa, a agência solicitou US$ 1,4 bilhão para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia espacial que poderia reduzir custos, aumentar as capacidades da missão e criar mais empregos para a indústria espacial comercial dos EUA.

    “Nossa parceria com a indústria já permitiu mais pesquisas científicas e, em dezembro, a Nasa assinou acordos com três empresas americanas para desenvolver projetos de estações espaciais e outros destinos comerciais, primeiro em órbita baixa da Terra e depois quem sabe o quê, fora da baixa órbita terrestre.”

    Este orçamento fornece financiamento para esses esforços. Permite uma economia comercial em órbita baixa da Terra, onde os EUA manterão uma presença ininterrupta após a aposentadoria planejada da Estação Espacial Internacional.

    Observando que o primeiro “A” da Nasa significa aeronáutica, Nelson disse que US $ 970 milhões (R$ 4 bilhões) do orçamento seriam destinados à pesquisa aeronáutica que poderia melhorar os voos da aviação para todos. Isso inclui reduzir o impacto da indústria da aviação no clima global e ajudar a desenvolver aeronaves de próxima geração que serão mais seguras, suaves, limpas e silenciosas.

    Por fim, há US$ 150 milhões (R$ 713 milhões) para apoiar o Office of STEM Engagement da Nasa, fornecendo mais apoio para esforços e atividades educacionais, especialmente em áreas carentes.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN