Cidade sueca vende terrenos por cerca de 52 centavos; entenda

Götene, uma região rural com 5.000 habitantes na cidade principal e 13 mil na área municipal vizinha, representa o melhor da Suécia rural

A cidade Götene, na Suécia, que vende terrenos por cerca de R$ 0,50
A cidade Götene, na Suécia, que vende terrenos por cerca de R$ 0,50 Marcus Lindstrom/ iStock / Getty Images Plus

Julia Buckleyda CNN

Você já ouviu falar de casas à venda no sul da Europa pelo preço de uma xícara de café. A cidade de Götene, na Suécia, a cerca de 320 km a sudoeste da capital Estocolmo, está vendendo 29 terrenos com preços a partir de apenas 1 coroa (cerca de R$ 0,52), por metro quadrado.

Mas não é apenas qualquer terreno. É um terreno onde os compradores podem construir a casa dos seus sonhos — para morar ou como casa de férias, conforme as regras atuais. Se a onda de calor está tornando o sul da Europa menos atraente a cada dia, essa pode ser a solução.

Götene, uma região rural com 5 mil habitantes na cidade principal e 13 mil na área municipal vizinha, representa o melhor da Suécia rural. A cidade está localizada às margens do Lago Vänern, não apenas o maior da Suécia, mas também o maior da Escandinávia e de toda a União Europeia, com cerca de 10 vezes o tamanho do Lago Constança, na Europa Central. Apenas a Rússia possui lagos maiores no continente europeu.

Para as pessoas que fazem trilhas, Götene também tem uma pequena montanha nas proximidades — Kinnekulle. Ali ainda tem dois locais classificados pela UNESCO: o Geoparque Platåbergens e o Arquipélago do Lago Vänern; e a Reserva da Biosfera do Monte Kinnekulle.

Então, por que uma cidade tão idílica precisaria realizar uma liquidação de seus terrenos?

“Se tornou uma sensação”

O prefeito Johan Månsson diz que é uma combinação da atual recessão econômica e do declínio da população rural. “O mercado imobiliário está atualmente muito lento em nossa região e na Suécia em geral, devido às altas taxas de juros e a uma leve recessão, então queríamos injetar algo no mercado”, disse ele à CNN.

“Também enfrentamos baixas taxas de natalidade e uma população envelhecida, então precisamos fazer algo, trazer mais pessoas para cá”, completa.

Månsson disse que decidiram vender 30 terrenos por uma taxa simbólica, escolhendo locais que estavam “à venda há muitos anos”.

“Pensamos: por que não? É uma situação extraordinária que requer medidas extraordinárias. Então, fizemos isso, e agora se tornou uma sensação, não sei o que dizer.”

“O esquema foi lançado no mês passado com cerca de 30 compradores interessados”, disse Månsson. Quatro deles compraram terrenos pelo preço de uma coroa (cerca de R$ 0,52) por metro quadrado. O tamanho dos terrenos variava de 700 a 1.200 metros quadrados.

Desde então, ele diz, as coisas se intensificaram. “Isso viralizou e recebemos milhares de pedidos em nossa central telefônica”, disse.

“Temos duas pessoas em nossa central telefônica da prefeitura que têm trabalhado muito nos últimos dias. Basicamente, estamos em modo de crise”.

Devido ao pedido sem precedentes — Månsson diz que houve chamadas de todo o mundo — as autoridades pausaram o processo de licitação até o início de agosto para decidir como proceder. Quando voltarem, é provável haver um processo de licitação para os terrenos, em vez de vendê-los por apenas 1 coroa (aproximadamente, 52 centavos) por metro quadrado (o preço mais baixo se aplica apenas se ninguém mais quiser o terreno).

Månsson diz que construir uma casa geralmente custa em torno de 3 a 4 milhões de coroas, ou cerca de R$ 2 milhões. Os terrenos normalmente custam cerca de 500 mil coroas, ou R$ 262 mil, aproximadamente.

Até agora, qualquer pessoa pode comprar um terreno — não é necessário ser residente na Suécia ou se comprometer a viver lá permanentemente.

Mesmo assim, ele disse que a cidade pode precisar revisitar as regras. E, é claro, construir uma casa não lhe dá o direito de viver nela em tempo integral. As regras de visto são determinadas pelo governo.

O único requisito da cidade é que a construção da casa comece dentro de dois anos após a compra do terreno.

Casas baratas no horizonte

A liquidação em Götene não termina com esses 30 terrenos. Månsson disse que “não é impossível” que eles façam algum tipo de esquema de moradia barata semelhante às “casas de um euro” pelas quais comunidades rurais na Itália são famosas.

“Temos muito mais terrenos, e teremos que avaliar se podemos fazer algo para aproveitar mais do que apenas esses 30 terrenos. Precisamos ter algo a oferecer aos interessados”, disse ele.

Na verdade, isso pode até ser um ponto de virada para a comunidade remota. “Isto foi basicamente uma espécie de golpe publicitário – pensamos que teríamos sorte de vender um ou dois”, completou.

“Com o interesse que estamos vendo agora, seria fantástico se vendêssemos todos os 30. […] Tivemos uma população muito estável de 13 mil habitantes por várias décadas. Se isso der certo…”.

“Se você está procurando uma vida tranquila no campo, podemos proporcionar-lhe uma alta qualidade de vida. É a combinação perfeita”, finalizou.

Resta apenas uma pergunta: como pronunciar Götene?

É Yeur-te-neh, diz Månsson. Os futuros residentes podem querer incluir aulas de sueco na lista de orçamento.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original