Da Argentina a Coreia do Sul: veja os melhores churrascos do mundo

Prato tradicional em muitos países ganha detalhes específicos de cada lugar; entenda as diferenças

Churrasco argentino
Churrasco argentino AlexPhotoStock/iStockphoto/Getty Images

Travis Leviusda CNN

Os americanos são, talvez, os porta-estandartes do “churrasco”. Quintais e parques nos Estados Unidos estão cheios de pessoas reunidas em torno de frango e outras carnes cobertas de molho.

Mas, por mais famosas que sejam as habilidades de grelhar dos Estados Unidos, muitos diriam que elas não se comparam à cultura de carbonização de carnes da Argentina ou da África do Sul, por exemplo.

O churrasco, como o conhecemos hoje, abrange vários métodos de cozimento: em grelhas, acima de fogueiras, no subsolo e em fornos de barro. Existem variações e costumes regionais em destinos da América do Sul à África e à Ásia.

Continue lendo para obter mais provas de que a experiência de churrasco de dar água na boca é uma tradição universal, não apenas americana.

Braai (África do Sul)

Churrasco sul-africano / Matthew de Lange/iStockphoto/Getty Images

Aqui, a reunião frequente de amigos e familiares em torno de cortes suculentos e grelhados de bife, salsicha e sosaties de frango (espetos) atravessa todas as linhas raciais e socioeconômicas.

E nenhum lugar faz o “Sunday Funday” como os municípios, onde os locais de shisa nyama (“carne queimada” em zulu) elevam a experiência do braai com açougueiros, cozinheiros, bebidas e DJs que animam a festa no local. A nativa de Chicago e modelo Unique Love passou três anos morando na Cidade do Cabo e lembra com carinho de seu primeiro shisa nyama.

“Fazer um braai no Mzoli’s Meat da Cidade do Cabo foi como estar em casa”, diz ela. “Depois de comer, eu nunca quis [sair] porque o ambiente da comunidade era reconfortante.”

Asado (Argentina)

Embora seu lugar como o maior consumidor mundial de carne bovina flutue a cada ano, muitos diriam que a Argentina será para sempre a grande dama das carnes grelhadas. Assim como a cultura braai da África do Sul, a afinidade da Argentina com a grelha é mais arraigada do que nos Estados Unidos.

Participar de um asado (“churrasco”) sociável e de estourar o estômago quase semanalmente é a norma.

Embora uma variedade de carnes e cortes possam ser experimentados em qualquer reunião, o argentino Guillermo Pernot, chef-parceiro do Cuba Libre Restaurant & Rum Bar, insiste: “Para o melhor asado, deve-se cozinhar uma linguiça doce de porco e carne bovina, moelas, tripas de coxa e linguiças de sangue.”

Outras dicas de asado do duas vezes vencedor do prêmio James Beard incluem usar sal grosso para cobrir carnes e ter o “indispensável” chimichurri — um molho e marinada que geralmente consiste em salsa, alho, orégano, vinagre e flocos de pimenta — à mão.

Yaiktori (Japão)

Churrasco japonês / Kohei Shinohara/iStockphoto/Getty Images

Yakitori, um favorito no Japão, consiste em frango em cubos montado em espetos de bambu e cozido sobre uma camada fumegante de carvão. As variações de yakitori são rotuladas por partes de frango (tiras de pele de frango compõem “towikawa” e “negima” consiste em carne de coxa com alho-poró).

Sua definição se expandiu para incluir qualquer alimento grelhado e espetado, incluindo vegetais, frutos do mar, carne de porco e carne bovina. Embora existam várias maneiras de saborear o autêntico yakitori no Japão, a blogueira de viagens Tanya Spaulding compartilha suas dicas para aproveitar ao máximo.

“A melhor maneira de saborear o yakitori é com um vendedor de rua ou sentado no chão com seu yukata (uma espécie de quimono de verão), assando seus espetos sobre o shichirin (uma pequena grelha a carvão) no meio da mesa”, ela afirma.

Churrasco (Brasil)

A maioria dos visitantes do Brasil vai experimentar o churrasco em uma churrascaria, onde os garçons fornecem um suprimento infinito de cortes de carne grelhada diretamente para as mesas dos clientes. Embora o churrasco brasileiro possa ser o mais famoso, ele é encontrado em vários outros países, incluindo Bolívia, Equador, Guatemala e Portugal.

Dan Clarke, diretor da RealWorld Holidays, que frequenta a América do Sul, acredita que os churrascos brasileiros oferecem mais opções para vegetarianos do que a vizinha Argentina, amante de carne.

“Em um asado argentino, você realmente fica preso à salada e às batatas fritas”, ele diz. “Mas é muito melhor no Brasil porque a maioria das churrascarias tem buffet de saladas com dezenas de tipos de saladas frescas, saladas de macarrão, picles, pães, azeitonas e todos os outros acompanhamentos que você possa desejar.”

Lechon (Filipinas)

Lechon (espanhol para “leitão”) tem um porco inteiro empalado assado no espeto sobre uma cama de carvão ou em um forno. Muitos filipinos declaram que a saborosa guloseima de porco é seu prato nacional, embora a mesma afirmação seja feita por porto-riquenhos.

O lechon cozido na ilha filipina de Cebu é frequentemente considerado o melhor do país, se não do mundo.

Curiosidade: todo dia 24 de junho em Balayan, Filipinas, os moradores locais prestam uma homenagem especial com tema religioso ao porco assado na Parada ng Lechon (Desfile do Porco Assado no Espeto).

Envolve lechons sendo abençoados em uma missa na igreja, seguido por um animado desfile de carros alegóricos, música, pistolas de água (para o batismo) e lechons “vestidos” com roupas e acessórios extravagantes.

Tandoor (Índia)

É verdade: aquele icônico frango tandoori indiano que você conhece (e talvez ame) há séculos é considerado um prato de churrasco. A comida tandoori deriva seu nome do tandoor, o forno de barro semelhante a um caldeirão no qual pratos como pão naan, frango, frutos do mar e outras carnes são cozidos sob carvão em alta temperatura.

“A arte do tandoor se originou há séculos como um estilo nômade de cozinhar na Ásia Central [onde] a comida era cozida em fogueiras de carvão e a carne era assada no espeto”, diz Manjit Gill, chef corporativo da ITC Hotels e um cozinheiro indiano famoso por trás de vários restaurantes aclamados, incluindo Bukhara em Nova Déli.

“A culinária tandoori como a conhecemos hoje foi introduzida no final da década de 1940 na Índia pós-partição, quando as pessoas descobriram que era um meio melhor cozinhar carne em um tandoor do que no espeto.”

Churrasco mongol (Taiwan)

“Surpreendentemente, apesar do nome, Taiwan é a origem do churrasco mongol”, revela a entusiasta de viagens e nativa taiwanesa Erin Yang. “[Ele] consiste na combinação de carne fatiada, macarrão e vegetais rapidamente cozidos sobre uma superfície plana de metal circular.”

O churrasco mongol é uma tendência alimentar relativamente nova, surgindo em Taiwan na década de 1950, influenciado pelo teppanyaki japonês e pelo refogado chinês. Também é popular em certas regiões da China.

A blogueira de viagens e gastronomia de Pequim Monica Weintraub diz que carne bovina e de cordeiro são muito populares no norte do país. “Quer você esteja dividindo uma perna de cordeiro entre quatro ou cinco amigos ou pedindo espetinhos de cordeiro individuais (yang rou chuan), espere consumir carne muito temperada com pimenta em pó, sementes de cominho e sal”, diz ela.

Lovo (Fiji)

A tradição do churrasco de Fiji tem uma abordagem mais underground em comparação com outras nações. Erin Yang explica: “Ao contrário de muitos outros estilos de churrasco, o churrasco de Fiji é cozido em um ‘lovo’, um forno de terra.”

Lovo envolve pedras bem quentes colocadas em uma grande abertura no solo para permitir o cozimento defumado lentamente.

“Ingredientes como carne de porco, frango, vegetais, raiz de taro e frutos do mar são embrulhados em folhas de taro ou bananeira e colocados nas pedras”, diz Yang. “Depois de 2 a 3 horas, o saboroso lovo estará pronto para servir.”

A descoberta da comida defumada no poço é recebida com júbilo pelos convidados, talvez devido à longa espera para que o cozimento seja concluído.

Umu (Samoa)

Churrasco samoano / Holger Leue/The Image Bank Unreleased/Getty Images

O umu, a versão de Samoa do churrasco, é semelhante aos costumes culinários subterrâneos do lovo de Fiji. Avichai Ben Tzur, um escritor de viagens/empreendedor que passou um tempo significativo no Pacífico Sul, descreve o trabalho de preparação do churrasco como uma tarefa familiar.

“Os jovens da extensa família samoana se reúnem para preparar o ‘umu’, horas antes do início do tradicional banquete de domingo… pegando peixe fresco ou matando um porco, coletando folhas de taro e fruta-pão do lote agrícola da família e quebrando cocos para o palusami.”

O palusami, um prato básico samoano feito de creme de coco (geralmente temperado com cebola, suco de limão e temperos simples) envolto em folhas de taro, é “uma deliciosa bomba calórica que os samoanos não conseguem resistir”, diz Tzur.

Gogigui (Península Coreana)

Churrasco coreano / IronHeart/Moment RF/Getty Images

Gogigui (coreano para “assado de carne”) é um favorito tanto dos coreanos quanto dos comedores internacionais.

Jantar em um churrasco coreano geralmente consiste em carne bovina, suína e de frango fatiados com uma variedade de banchan (acompanhamentos) e arroz cozidos no centro de uma mesa, que é preparado pelos chefs ou pelos próprios clientes.

Caso você decida cozinhar seu próprio gogigui, a finalista do Masterchef Korea, Diane Sooyeon Kang, compartilha algumas dicas. “Para fatias finas de carne como chadolbaegi (peito bovino em fatias finas), você deve deixá-lo plano e cozinhá-lo rapidamente por alguns segundos de cada lado”, diz ela.

“Para carnes como yangnyeom galbi (costela curta marinada), fogo alto e fogo serão melhores, pois caramelizarão a parte externa enquanto mantêm a carne suculenta por dentro.”

Jessica Mehta, que mora na Coreia há um ano, sugere: “Você não está realmente comendo churrasco coreano se não combiná-lo com soju, um licor claro um pouco semelhante ao saquê.”

Pachamanca (Peru)

Embora a culinária peruana seja conhecida no mundo todo pelos coquetéis ceviche e pisco sour, um dos costumes culinários incas mais tradicionais do Peru, a pachamanca, ainda está fora do radar de muitos.

Pachamanca (que significa “panela de terra” na língua quíchua) envolve cavar para criar um forno de chão e forrar a cavidade com pedras aquecidas no fogo para cozinhar a comida. Uma variedade de batatas, milho, legumes e carnes marinadas são envoltas em folhas de bananeira e colocadas no forno de terra por horas.

A pachamanca autêntica é servida sentada no chão e ocorre principalmente em ocasiões especiais (especialmente cerimônias religiosas) e durante a época da colheita, todo mês de fevereiro e março.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original