Malta: Três ilhas que englobam um mundo bem no meio do mar Mediterrâneo

Veja dicas para férias perfeitas em Malta, Gozo e Comino, no coração do Mar Mediterrâneo

Vista aérea de Valletta, em Malta
Vista aérea de Valletta, em Malta iStockphoto/Getty Images

Pavlo Fedykovychda CNN

No meio do Mar Mediterrâneo encontra-se um pequeno país formado por três ilhas habitadas e de encanto irresistível. Em formato de cookie, bronzeado é a cor dominante aqui, graças aos seus edifícios centenários; a água é do mais azul dos azuis, a gastronomia é uma festa, ainda se celebram antigas tradições, e o povo é orgulhoso mas extremamente simpático. Bem-vindo a Malta.

Em suas três ilhas habitadas – Malta, Gozo e Comino – você encontrará todos os aspectos ensolarados das férias perfeitas. Você vai se maravilhar com templos pré-históricos, passear por cidades antigas espetaculares, se refrescar nas águas cristalinas de belas praias e festejar a noite toda em inúmeros bares e clubes de praia. Da capital Valletta à bucólica Gozo, veja aqui onde se satisfazer.

Valletta

Vista aérea de Valletta, em Malta / iStockphoto/Getty Images

A própria Malta é a maior ilha do arquipélago maltês, e muitos visitantes não veem necessidade de deixá-la. Não é de admirar – a ilha de 246 quilômetros quadrados preenche todos os requisitos de história, cultura, praias e até vida noturna.

Comece por Valletta, a capital maltesa desde 1571. É uma cidade intrinsecamente ligada aos Cavaleiros de Malta – uma poderosa ordem militar católica que remonta ao século 11 (existe até hoje, atualmente com sede em Roma).

Fundada sob as ordens de Jean de Valette, um grand-mestre que foi o líder dos Cavaleiros durante o vitorioso Grande Cerco de 1565, quando o Império Otomano falhou em capturar a ilha após quase quatro meses de batalha, Valletta é uma cidade-fortaleza de aparência épica.

Palácios barrocos se espalham ao lado de pitorescos terraços de restaurantes e cafés animados com vistas deslumbrantes ocupam as escadas que levam do porto à Cidade Velha. Cabines telefônicas vermelhas – um lembrete de 150 anos de domínio britânico de 1814 a 1964 – ficam sob as varandas de madeira esculpidas, marca registrada de Valletta, pintadas com todas as cores do arco-íris.

Colorida VAlletta deve ser primeira parada em Malta / iStockphoto/Getty Images

O que ver? Há uma vista fantástica do Grand Harbour e seus fortes de Upper Barrakka Gardens. A Co-Catedral de São João é um monumento hipnotizante à riqueza dos Cavaleiros de Malta com duas obras de Caravaggio no interior: um pensativo “St. Jerônimo” e a “Decapitação de São João Batista”, a maior obra de arte do pintor. O National War Museum em Fort St. Elmo reconta a história militar de Malta.

A cultura aqui não é apenas antiga, no entanto. Floriana Granaries – outrora um espaço de armazenamento de grãos e agora a maior praça pública de Malta – é um local mágico ao ar livre que recebe regularmente festivais e shows de artistas mundialmente famosos.

Para experimentar algumas especialidades locais, dirija-se ao aconchegante Cafe Jubilee, que serve stuffat tal-fenek (coelho cozido lentamente, um favorito maltês) de dar água na boca, ravióli com queijo Gozo tradicional e imqaret: massa recheada com tâmaras, geralmente servida com sorvete.

Três Cidades

Disputando com Valletta em duas penínsulas que abrangem o Grand Harbour estão as chamadas Três Cidades: Vittoriosa, Senglea e Cospicua, cidades fortificadas vizinhas. Foi aqui que, em 1565, o Grande Cerco de Malta foi vencido, levando à fundação de Valletta – e na verdade as três têm dois nomes, pré e pós-cerco.

Comece em Vittoriosa (também conhecida como Birgu, seu nome antes do cerco), uma pequena cidade fortificada com algumas das ruas e igrejas mais bonitas da ilha. Perca-se entre os caminhos sinuosos do núcleo histórico com as suas portas e balcões coloridos e imagens da Virgem Maria enfeitando as fachadas, janelas e esquinas.

Prossiga para a igualmente linda Cospicua (também conhecida como Bormia) para admirar as docas – reformadas pelos britânicos no século 19 – e os portões da cidade. Por fim, atravesse o porto até Senglea (l’Isla) para tomar um café com vista para a água e Valletta do outro lado. O DATE Art Café é a escolha ideal.

Ao sair de Senglea, pegue o tradicional barco dgħajsa – um táxi aquático compartilhado de madeira – de volta a Valletta.

Marsaxlokk

Marsaxlokk’s / Reprodução/Instagram

Os barcos coloridos balançam preguiçosamente em ondas suaves, mas a rua principal está longe de ser calma. É domingo e o mercado de peixe de Marsaxlokk está a todo vapor, reunindo donos de restaurantes, moradores e turistas de toda a ilha para comprar o pescado fresco trazido pelos pescadores locais. Esta sempre foi uma pacata vila de pescadores na costa sul de Malta.

Visite por sua bela orla (perfeita para caminhadas ao pôr do sol) e uma grande variedade de restaurantes de frutos do mar cujos terraços ficam ao lado da água. Além do mercado de peixe de domingo, há um mercado durante toda a semana para compra de lembrancinhas e produtos locais.

Você está aqui para comer frutos do mar, é claro. Escolha entre klamari mimlija (lula recheada), lampuki grelhado (mahi-mahi) e stuffat tal-qarnit, um delicioso ensopado de polvo. Depois, descanse nas pedras – planas e feitas para banho de sol – na vizinha St. Peter’s Pool, uma enseada de águas cristalinas.

Blue Grotto

Gruta Azul é talvez a atração natural mais famosa de Malta. / Getty Images

Como seria de esperar, Malta tem muitas paisagens naturais. Talvez a mais famosa seja a Blue Grotto, ou Gruta Azul, na costa sul da ilha. De um mirante acima, você terá uma vista panorâmica deste espetacular sistema de cavernas marinhas com suas águas azuis quase irreais. Passeios de barco – saindo de um píer próximo – levam você para dentro.

Embora a gruta seja um dos pontos mais populares (e turísticos) de Malta, as águas translúcidas – permitindo vistas de até quase 5 metros de profundidade – compensam as multidões. O barco é também a melhor forma de admirar as majestosas falésias brancas da costa ao redor.

Ħaġar Qim

Se você está interessado em arqueologia e história antiga, você precisa ir direto para o Patrimônio Mundial da Unesco de Ħaġar Qim, um complexo de templos megalíticos com vistas deslumbrantes sobre o mar – a apenas alguns minutos de carro da Gruta Azul.

Datado de 3.600 aC, é vários milhares de anos mais antigo que as pirâmides egípcias e Stonehenge, e um dos edifícios religiosos mais antigos do planeta. O templo principal – pelo qual você pode caminhar, como faziam no passado – é cercado por outras três estruturas megalíticas. A cinco minutos a pé fica outro templo, o de Mnajdra – outro dos sete templos protegidos pela Unesco.

Marsaskala

A intocada Marsaskala é um vislumbre da ‘real’ Malta / /iStockphoto/Getty Images

Então você quer ver a verdadeira Malta, mas também gosta de cidades turísticas. A solução: Marsaskala, em direção à ponta sudeste da ilha de Malta. Seu porto está entre os mais belos da ilha, o calçadão à beira-mar é ideal para caminhadas contemplativas ou corridas panorâmicas, e o centro é repleto de pubs, bares, restaurantes e delivery.

A verdadeira beleza de Marsaskala, no entanto, é que é mais acessível e menos glamorosa do que as cidades turísticas mais conhecidas de St. Julian’s ou Sliema. Ao sul da cidade fica a bela Baía de St. Thomas, onde você pode nadar. É extremamente familiar, com parque infantil, mesas de piquenique e ducha. Atende até mesmo aos amantes de praias de areia e rochas, com rochas calcárias de um lado e uma praia de areia do outro.

Mdina

O tempo pára em Mdina. A capital medieval de Malta, ela usa seu antigo status com graça, hipnotizando com um caleidoscópio de palácios, pequenas praças sombreadas, fortificações elegantes e fachadas cobertas de flores de primavera. Hoje, sua posição estratégica no centro da ilha é menos crucial para as possibilidades de defesa.

Atualmente, Mdina se assemelha a um museu ao ar livre em vez de uma cidade cheia – apenas 300 pessoas vivem dentro das antigas muralhas. Mas é um dos lugares mais sugestivos de Malta, e uma parada essencial para contemplar a história.

Veja o fantástico interior barroco da Catedral de São Paulo, chegue à Praça do Bastião para ver a torre de observação no topo de um bastião nas muralhas da cidade, que oferece vistas fantásticas da ilha. Não perca o Palazzo Vilhena, do século 18, que abriga o Museu Nacional de História Natural de Malta.

Fora das muralhas da cidade há um pequeno bar chamado Crystal Palace que serve pastizz, um clássico lanche de rua maltês em forma de massa salgada com vários recheios. Experimente os com queijo ricota ou pasta de ervilhas. Ou, melhor, experimente os dois.

Os romanos também deixaram sua marca em Malta e Mdina carrega sinais de sua presença. As catacumbas de São Paulo e Santa Agata ficam no páreo com as catacumbas de Roma. Enquanto isso, Domvs Romana é um museu no local de uma antiga vila, exibindo itens da casa, incluindo mosaicos.

Sliema

Outrora uma residência popular para os ricos malteses e britânicos, que construíram muitas vilas vitorianas e Art Nouveau aqui, hoje Sliema – ao norte de Valletta – é o coração comercial de Malta com escritórios internacionais, shoppings, restaurantes e bares intermináveis e complexos residenciais de classe alta.

Para os malteses, é um lugar do tipo ame ou odeie, com controvérsias em torno de seu rápido desenvolvimento. Para os turistas, é um bom lugar para se basear se você quiser estar perto de tudo, mas hiperconectado.

O calçadão abriga bares de praia, muitos lugares para dar um mergulho e vistas deslumbrantes de Valletta, enquanto “barcos de festa” partem todas as noites do porto.

Você pode ter ouvido falar de Malta como uma ilha de vida noturna selvagem. Bem, isso é Paceville, localizada em St Julian’s, a próxima cidade portuária depois de Sliema, indo para o norte de Valletta.

Menos glamorosa que Ibiza ou Mykonos, é uma área de festa barulhenta, atingindo seu bombástico ritmo no triângulo formado por Paceville Piazza, Santa Rita e St. George’s Road. Há muita bebida, multidões gritando, música barulhenta, lanches noturnos e bares de narguilé.

Esteja preparado para enfrentar longas filas na entrada de casas noturnas – e para não encontrar muito espaço lá dentro.

Mellieħa Bay e St. Paul’s Bay

Se explorar a partir do conforto de um resort é algo que você prefere, então Mellieħa Bay e St. Paul’s Bay se encaixam no projeto. No extremo norte de Malta, mais perto de Comino do que de Valletta, ambos têm uma ampla seleção de hotéis grandes e pequenos, acessíveis e sofisticados, com e sem piscinas.

Għadira Bay em Mellieħa é uma longa e rasa praia de areia perfeita para famílias. A vila de Mellieħa, localizada acima da baía, tem uma sensação mais remota e local graças à sua localização no topo da colina.

Na St. Paul Bay, Bugibba é uma clássica cidade litorânea com redes de fast food, um caleidoscópio de bares e restaurantes, um calçadão e até um aquário. A praia de Qawra Point, na ponta nordeste de Bugibba, permite que você mergulhe com vista para a rochosa costa norte de Malta.

Antes de ser um local de filmagem para “Game of Thrones”, “Troia”, “Assassin’s Creed” e o mais recente “Jurassic World Dominion”, Malta serviu de cenário para o musical de 1980 dirigido por Robin Williams, “Popeye”. Embora o filme em si não tenha se saído tão bem, seja nas bilheterias ou com os críticos, seu set permaneceu perto de Mellieħa e foi transformado em um divertido parque temático familiar.

Gozo e Victoria

Foto da pequena vila de Xlendi, em Malta
Xlendi é uma pequena vila no sudoeste de Gozo, conhecida pela pesca de caranguejo. / Getty Images

A segunda maior ilha do arquipélago maltês, a descontraída Gozo preenche os espaços em branco que Malta deixou. Chegar lá é simples, as balsas regulares partem de Ċirkewwa, na ponta norte de Malta, para Gozo, onde a vida é mais lenta, a natureza é mais selvagem e a atmosfera é mais relaxante.

Victoria, a capital, entra na competição com Mdina e as Três Cidades. Comece sua visita com a magnífica Cittadella – uma antiga cidade murada com um núcleo histórico bem preservado e vistas impressionantes da ilha.

Desça até a charmosa Victoria – ela está cheia de vida, com terraços de restaurantes que se espalham por praças sombreadas e ruas tradicionais maltesas de cores amareladas. Escolha um café, peça um gelato e esqueça o aborrecimento da vida na cidade. Gozo é ótima para isso.

Vista do mar em Gozo, Malta / Reprodução/Instagram/Visit Malta

É ainda melhor para mergulhar, com vários locais de classe mundial ao redor da ilha. O Blue Hole, na costa oeste, é uma formação rochosa em forma de tubo de 15 metros de profundidade preenchida pelo mar, com um arco e uma caverna no fundo – passe por baixo do arco e você estará em mar aberto. É um mergulho verdadeiramente hipnotizante.

A baía de Dwejra, onde a formação está localizada, faz parte de um litoral épico dominado por altas falésias, com a impressionante Fungus Rock erguendo-se do mar. O cenário pode soar familiar para os fãs de “Game of Thrones”.

O casamento Dothraki de Daenerys e Khal Drogo foi filmado aqui, em frente à Azure Window – um frágil arco de calcário que se estende sobre o mar. Infelizmente, o arco desabou em 2017. Agora, você só pode ver os restos dele mergulhando.

Ġgantija

Imagine um prédio de 5.500 anos. Na tranquila vila de Ix-Xagħra, no coração de Gozo, você encontrará Ġgantija, um fascinante complexo de dois templos megalíticos pré-históricos e outro local classificado como Patrimônio Mundial pela Unesco.

Considerados locais cerimoniais importantes para o povo neolítico, eles se estendem por impressionantes 7153,5 metros quadrados. Há também um museu interativo para fornecer mais informações sobre seu uso e aparência antiga.

Apesar da passagem de todos os séculos, ainda é um lugar calmo e meditativo. Os arqueólogos passaram décadas pesquisando-os e ainda não descobriram exatamente como eles foram usados. Restos de animais encontrados no local apontam para sacrifícios, enquanto a abundância de estatuetas femininas exageradamente voluptuosas sugere um culto à fertilidade.

Comino

Se Malta é a ilha urbana e Gozo sua irmã discreta, Comino é a prima selvagem. A população é modesta de duas pessoas, não há carros e nem sinais de globalização – apenas o Mediterrâneo intocado. A maioria dos visitantes vem para a Lagoa Azul – uma baía rasa e cintilante cuja água é de uma cor azul quase irreal.

Mas enquanto outros visitantes voltam direto para as ilhas principais, você deveria ficar em Comino. A apenas 1,6 km de distância fica a Torre de Santa Maria, do século 17, uma das estruturas defensivas erguidas pelos Cavaleiros de Malta para sinalizar a aproximação do inimigo com tiros de canhão – o Canal Comino era uma via navegável estratégica entre Malta e Gozo.

Para as praias, você precisa da Baía de Santa Marija e da Baía de San Niklaw, ambas a cerca de 1,6 km da Lagoa Azul e da Torre de Santa Maria. Completamente descansado, caminhe até Ġebel Comino, o ponto mais alto da ilha – embora com cerca de 84 metros, não seja exatamente alto, tem belas vistas de todas as ilhas. Para mergulho, experimente Cominotto, uma pequena ilha ao lado de Comino.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original