Onde comer em Salvador: Daniela Filomeno indica restaurantes imperdíveis na cidade

Capital baiana esbanja comida boa: sejam bem-feitos pratos clássicos regionais ou criações contemporâneas que bebem da tradição, casas nas mais variadas regiões saciam estômago e aquecem o coração

Daniela Filomeno no Manga, restaurante de cozinha contemporânea no Rio Vermelho
Daniela Filomeno no Manga, restaurante de cozinha contemporânea no Rio Vermelho CNN Viagem & Gastronomia

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia Salvador, Bahia

Sabores e saberes mais do que especiais se juntam em Salvador e criam um cenário pujante onde gastronomia e história andam de mãos dadas. Pois é através das heranças baianas, com toda sua influência afro-brasileira e do entorno, que ricos ingredientes de nossa terra são transformados em receitas apetitosas por mãos habilidosas.

A capital baiana tem em seu leque de pontos gastronômicos restaurantes variados que bebem da tradição e também apontam para tempos contemporâneos. São casas espalhadas desde o centro histórico até regiões fora do circuito turístico que apresentam à nossa mesa clássicos da gastronomia regional ou bem-vindas releituras refinadas.

É de se esperar muito dendê e moquecas, afinal, “dentro de uma panela de moqueca tem muita história, tem a fusão do povo brasileiro”, como me disse Tereza Paim, à frente de um dos restaurantes imperdíveis em Salvador, o Casa de Tereza. Ela e mais um punhado de casas são parte também da próxima temporada do CNN Viagem & Gastronomia junto de um giro histórico e cultural pela cidade.

De cozinhas regionais, menu-degustação, influências mediterrâneas e asiáticas e sorveterias, confira a seguir 20 locais para comer bem em Salvador – e não se esqueça de passar no Acarajé da Cira, no Rio Vermelho, para se deliciar com a iguaria.

Restaurante Origem

Origem está na lista dos 100 melhores da América Latina / Leonardo Machado Freire

Único restaurante do norte e nordeste na seleta lista dos 100 melhores restaurantes da América Latina pelo 50 Best, o Origem é indispensável em uma visita a Salvador, já que, através dos pratos, nos leva a uma viagem por uma Bahia moderna e que, ao mesmo tempo, bebe das tradições.

“O Origem nasce com essa proposta de primeiro entender a Bahia, conhecer produtores e depois conhecer o cliente. O que fizemos foi mostrar a esse cliente o potencial que a Bahia tem, e isso fizemos através da gastronomia”, me diz Fabrício Lemos, que lidera a casa ao lado de Lisiane Arouca.

Da trilha sonora até a decoração, o local é ideal para sentarmos sem pressa e nos deixar levar no atual menu-degustação de 14 etapas “Eu vim da Bahia”, um passeio saboroso por biomas baianos que passa por ostras, peixe curado, lagosta, aratu, vatapá, camarão, black angus e, claro, o arroz de Fabrício e os doces impecáveis de Lisiane.

Ela, inclusive, começou a fazer doces aos 8 anos e resgata os ricos sabores do interior do estado com caderninhos que guarda desde a infância.

Junto dos pratos refinados, que têm a lembrança da Bahia no paladar, a dica é experimentar também vinhos da região, como o fresco e leve sauvignon blanc da Vinícola Uvva, da Chapada Diamantina.

Restaurante Origem: Alameda das Algarobas, 74 – Caminho das Árvores – Salvador, BA / Tel.: (71) 99202-4587 / Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 19h às 23h (somente mediante reserva). 

Restaurante Ori

Fabrício e Lisiane apresentam no Ori uma versão mais casual do Origem. Na casa no Horto Florestal, o menu é similar ao do irmão mais velho, em que resgatam ingredientes simples e encravados na cultura baiana, mas de uma maneira mais descontraída.

O espaço é amplo, o salão tem várias plantas e as mesas de madeira são onde apreciamos pratos à la carte como ostras crocantes, abarajé (que combina a textura macia do abará com a crocância do acarajé) acompanhado por um vatapá e saladinha, carne do sol com tropeiro de cuscuz e pirão de leite, peixe do dia com risoto cítrico e caldo de lambreta, ravióli de vatapá, e, claro, moqueca.

Para finalizar, o sorvete de pamonha com bolo de milho, queijadinha e goiabada pode arrematar bem a refeição.

Restaurante Ori: Avenida Santa Luzia, nº 656, loja 11 – Horto Florestal, Salvador – BA / Tel.: (71) 98890-8357 / Horário de funcionamento: terça-feira, das 19h às 23h; quarta a sábado, das 12h às 16h e das 19h às 23h; domingo, das 12h às 17h.

Restaurante Manga

O que dá uma cozinha de um baiano com uma alemã? A resposta está no Manga, fruto dessa união que resultou em uma proposta autoral totalmente inovadora na capital baiana. Dante e Katrin Bassi nos convidam a uma viagem por uma Bahia contemporânea, em que somos testemunhas de uma experiência incrível de apresentação, de sabor e de serviço.

É em um casarão no coração do Rio Vermelho que temos como protagonista um menu-degustação de 10 etapas, em que podemos experimentar um caldo de cogumelo com tucupi, tartar de lagosta, língua de boi dry-aged na brasa e o “pato oferenda”, ​ um peito de pato maturado por 28 dias e assado no osso, pupunha, cebola jovem, com molho de vinho tinto e tartar de pato em crocante de pele de pato laqueada.

Para arrematar, a sobremesa colmeia de uruçu recria a colmeia da abelha uruçu de maneira criativa e saborosa. Também há pratos à la carte e drinques assinados por Jean Ponce, melhor aproveitados no bar e no terraço. É uma grata surpresa para Salvador!

Restaurante Manga: Rua Professora Almerinda Dultra, 40 – Rio Vermelho, Salvador – BA / Tel.: (71) 99143-1310 / Horário de funcionamento: quinta a sexta-feira, das 19h às 22h30 e sábado, das 12h30 às 15h e das 19h às 22h30.

Restaurante Fasano Salvador

Daniela Filomeno aprecia carpaccio de polvo do restaurante Fasano / CNN Viagem & Gastronomia

Com serviço excepcional e instalações de primeira, o Fasano Salvador ocupa um prédio art déco de 1930 que foi, por 45 anos, a primeira sede do jornal A Tarde. De frente para Praça Castro Alves e com vista para Baía de Todos os Santos, o Fasano impressiona também com seu restaurante, que segue a linha de qualidade dos irmãos e se firma como um dos melhores italianos do Brasil.

Dividido em dois ambientes, com um bar central e pé direito alto, a estética da década de 1930 foi preservada e as paredes têm revestimento em palha de bananeira – lustres são feitos com antigas peças de fabricação de açúcar.

No cardápio, encontramos clássicos da gastronomia da marca, mas também criações adaptadas para o gosto e a culinária local. Um delicioso carpaccio de polvo pode ser boa entrada, seguido por grelhado de frutos do mar com saboroso molho à base de camarão, peixe, mostarda e limão.

Antepastos, massas, carnes, risotos e uma “seleção baiana” com direito a bobó, moqueca e cocada completam os itens. Os carros-chefes também encontram mesa, como o Ossobuco de Vitela, o Spaghetti alla Carbonara e o Tiramisù.

Restaurante Fasano Salvador: Praça Castro Alves, 5 – Salvador, Bahia / Tel.: (71) 2201-6300 / Horário de funcionamento: segunda a quinta, das 12h30 às 15h e das 19h às 23h; sexta, das 12h30 às 16h e das 19h à 0h; sábado, das 12h30 às 17h e das 19h à 0h; domingo, das 12h30 às 17h e das 9h às 23h

Casa de Tereza

“Bahia, cultura e gastronomia” é o slogan do casarão amarelo que se abre para o Casa de Tereza, restaurante da chef Tereza Paim, que prefere ser chamada de cozinheira.

Ela deixou de lado a trajetória como analista de sistemas para um novo capítulo. “O caminho que fiz foi de honrar minhas tradições, de honrar minha cidade, de honrar meu povo. Porque dentro de uma panela de moqueca tem muita história, tem a fusão do povo brasileiro”, diz.

O interior da casa conta com tijolinhos aparentes, uso de madeira e decoração repleta de objetos e santos da Bahia – reconhecemos de cara Iemanjá em um dos cantos -, uma vez que são quatro salas temáticas diferentes.

Na busca de ingredientes cada dia melhores e com uma premissa alinhada ao slow food, a Casa de Tereza é endereço certo para uma caprichada moqueca, receita indispensável em uma viagem a Salvador, que pode ser de peixe do dia, de camarão, de polvo, entre outros. Aqui, ela desenvolve uma cozinha baiana legitimada pelos saberes e sabores da sua terra.

Casa de Tereza: Rua Odilon Santos, 45 – Rio Vermelho, Salvador – BA / Tel.: (71) 3329-3016 / Horário de funcionamento: segunda a quarta-feira, das 9h às 23h; quinta e sexta, das 9h à 0h; sábado, das 10h à 0h, e domingo, das 10h às 22h.

Restaurante Preta – Ilha dos Frades

O Restaurante Preta é um daqueles esconderijos da Baía de Todos os Santos: ele fica na Ilha dos Frades, que nos oferece construções históricas, vistas cinematográficas, restaurantes, pousadas e praias de águas calmas.

Além de ser ponto ideal para um dia diferente em Salvador, a visita à ilha só fica completa com uma refeição sem pressa na Preta. Do cais da Ponta Nossa Senhora de Guadalupe, o restaurante é de fácil acesso.

Com ambiente decorado com antiguidades e artesanato reaproveitados, o restaurante tem nas moquecas de polvo preparadas pela chef Angeluci Figueiredo, a preta, seu maior trunfo. O cardápio é bem praiano, recheado com muitos frutos do mar. É uma comida leve, que nos envolve. Para finalizar, o sorvete de coco verde com tapioca e mel de caldo de cana com gengibre adoça a boca.

Digo que é, com certeza, uma das paradas obrigatórias na ilha e na região da Baía de Todos os Santos.

Restaurante Preta: Rua dos Canudos, Ponta de Nossa Senhora, Ilha dos Frades, Salvador – BA / Tel.: (71) 99326-7461 / Horário de funcionamento: quarta a domingo e feriados, das 12h às 17h.

Amado

Ambiente sofisticado do Amado conta com varanda com vista para Baía de Todos os Santos / Reprodução/Instagram

Nome por trás do restaurante Manacá, em São Sebastião, no litoral de São Paulo, o chef Edinho Engel lidera na capital baiana o Amado, restaurante que impressiona o olhar e oferece uma alta gastronomia bem ao lado das águas do mar e de uma marina. Edinho, inclusive, foi um dos primeiros a trazer esse conceito mais contemporâneo à Salvador.

Pela localização, os visuais para a Baía de Todos os Santos são deslumbrantes: as mesas da varanda são disputadas principalmente após as 17h30, quando ganham apelo mágico principalmente por conta do pôr do sol.

À mesa podem vir criações como mini taco de siri mole com maionese de mariscos e saladinha de chuchu, camarão empanado em tapioca com molho lambão, camarões crocantes em cabelinho de anjo com risoto de maçã verde – um dos carros-chefes da casa -, moqueca mista e polvo grelhado.

Amado: Avenida Lafayete Coutinho, 660 – Comércio, Salvador – BA / Tel.: (71) 99231-4660 / Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 12h às 23h, e domingo, das 12h às 17h.

Mistura


O Mistura antes era Mistura Fina, uma barraca de praia em Itapuã, bairro onde o italiano Paolo Alfonsi e a potiguar Andréa Ribeiro se conheceram e decidiram viver. Com alta demanda, a casa se fixou em terra firme a poucos metros da mesma praia.

Depois, há alguns anos, mais um aumento: a inauguração da unidade em um casarão na Avenida do Contorno, com vistas privilegiadas para a Baía de Todos os Santos.

Nas duas unidades, a gastronomia se debruça na culinária baiana e mediterrânea, em que os pescados frescos viram saborosos pratos chefiados por Andréa. Ambas as casas compartilham criações como grelhados de frutos do mar, com lagosta, camarão, salmão, lula, vieira, lagostim, polvo e batatas; camarões em crosta de provolone; e badejo “da pedra que ronca”, com lombo de badejo, camarões e cuscuz marroquino.

Mistura Itapuã: Rua Prof. Souza Brito, 41 – Itapuã, Salvador – BA / Tel.: (71) 3375-2623 / Horário de funcionamento: terça e quarta-feira, das 11h30 às 22h30; quinta a sábado, das 11h30 às 23h; domingo, das 11h30 às 17h; fechado às segundas.
Mistura Contorno: Ladeira do Gabriel, 334 – Dois de Julho, Salvador – BA / Tel.: (71) 2132-8277 / Horário de funcionamento: terça a sábado, das 11h30 às 23h; domingo, das 11h30 às 17h; fechado às segundas.

Dona Mariquita

É no coração do Rio Vermelho, em uma casinha azul, que a chef Leila Carreiro nos abre as portas para várias Bahias, já que sua cozinha se baseia na pesquisa e no resgate de comidas regionais servidas nas feiras livres do estado, com suas influências além fronteira e além-mar.

O restaurante serve uma cozinha patrimonial da Bahia, que se apoia em sabores que estão na memória dos baianos.

Poqueca (comida indígena com marisco ou peixe cozida dentro da folha da banana com farinha e caldo) com acaçá de leite, abará, rabada com agrião, feijoada com frutos do mar e acarajé são receitas recorrentes por aqui.

Dona Mariquita: Rua do Meio, 178 – Rio Vermelho, Salvador – BA / Tel.: (71) 3334-6947 / De segunda-feira a domingo, das 12h às 17h.

Encantos da Maré

Chef Deliene Mota com pratos servidos no Encantos da Maré/ Reprodução/Intagram

Ao lado da famosa Igreja do Bonfim, com suas fitinhas amarradas no gradil, o Encantos da Maré é fruto dos esforços da chef Deliene Mota, que traz à mesa uma comida baiana raiz.

A feijoada de frutos do mar é sucesso de público e leva feijão branco, camarão, polvo, lula, mexilhão, ostra, sururu, siri, sarnambi; quem também ganha destaque é o Terra e Mar, que leva camarão ao molho de um lado e carne do sol do outro.

Algumas atrações podem animar a casa de sexta a domingo, e vale dizer que há também uma outra unidade no bairro de Monte Serrat, com vistas mais próximas ao mar.

Encantos da Maré: Rua Teodósio Rodrigues de Faria, 27 – Bonfim, Salvador – BA / Tel.:(71) 98772-6375 / Horário de funcionamento: terça a domingo, das 11h às 18h.

Casa Di Vina Restaurante


A casa onde Vinícius de Moraes morou em Itapuã junto de Gessy Gesse nos anos 1970 é hoje um hotel boutique com direito até a memorial do emblemático poeta carioca.

É em meio a esse cenário em Itapuã que o hotel também abre as portas para um restaurante que mistura cozinha mediterrânea e baiana. Localizado na varanda da casa do poeta, massas, frutos do mar, carnes e até receitas ensinadas por Gessy, como o Frango a Gesse e Vina (frango ao forno revestido com banana da terra) e o drinque Tarde em Itapuã, fazem parte do cardápio.

O sossego local se mistura à ambientação do restaurante e mesas ao ar livre no jardim também são opção.

Casa Di Vina Restaurante: Rua Flamengo 44 – Farol de Itapuã, Casa de Vinicius de Moraes, Salvador – Bahia / Tel.: (71) 99919-1715 / Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 12h às 23h; e domingo, das 12h às 22h.

Paraíso Tropical

Paraíso Tropical serve frutos do mar e moquecas das mais variadas / Reprodução/Instagram

Afastado do circuito turístico, o Paraíso Tropical ocupa uma casa rústica, arejada e com muitas plantas no bairro do Cabula.

Tocada por Beto Pimentel, originalmente agrônomo, a casa nos oferece uma comida baiana raiz, em que serve uma série de moquecas dos mais diversos tipos, inclusive de frutas.

O restaurante conta com uma horta orgânica e pomar particular enorme, em que tudo usado nos pratos sai dali. Para tanto, minha dica é ficar atenta aos horários e programar-se, pois a casa costuma ter filas de espera em dias de mais movimento.

Paraíso Tropical: Rua Edgard Loureiro, 98 – B – Cabula, Salvador – BA / Tel.: (71) 99167-0073 / Horário de funcionamento: terça-feira a domingo, das 12h às 18h.

Cuco Bistrô

Vista do segundo andar do Cuco Bistrô para o Largo do Cruzeiro de São  Francisco / Reprodução/Intagram

Uma viagem a Salvador tem que passar necessariamente pelo centro histórico. E é nos pés do Pelourinho que fica o Cuco Bistrô, que tem comida baiana com influência da cozinha mediterrânea.

A casa tem uma série de itens no cardápio, em que sobressaem opções para compartilhar e também a seção “delícias da Bahia”, com pratos regionais com frutos do mar feitos com leite de coco seco fresco e dendê da região de Maragogipe.

O local, que tem decoração com obras de artistas populares, se destaca ainda pela seleção de cachaças – Rio, Minas e Bahia estão contemplados nos rótulos. O andar de cima tem vistas para o Largo de São Francisco.

Cuco Bistrô: Largo do Cruzeiro de São Francisco, 6 – Pelourinho, Salvador – BA / Tel.: (71) 3321-8722 / Horário de funcionamento: segunda à sábado, das 11h às 22h; domingos das 11h às 18h.

Cantina do Julliu’s

É na simples e apetitosa Cantina do Julliu’s, no bairro de Roma, na Cidade Baixa, que sai o que é considerado uma das melhores criações com polvo da cidade, o salame de polvo, que se assemelha a um carpaccio.

Adorada cidade afora, o dono assegura que a receita é segredo de família. A cantina também serve pratos com frutos do mar no melhor estilo baiano.

Cantina do Julliu’s: Rua da Galiléia de Cima, 96 – Roma, Salvador – BA / Tel.: (71) 98343-7007 / Horário de funcionamento: quarta e quinta-feira, das 12h às 17h; sexta a domingo, das 12h às 18h.

Gastronomia internacional

Restaurante Zanzibar

Protagonistas do Zanzibar são pratos africanos / Reprodução/Instagram

Vistas para a Baía de Todos os Santos e janelões fazem parte do Zanzibar, nome que dá uma palhinha do que a casa oferece: o protagonismo está nas receitas africanas, como o Ebubu Fulô, peixe ao molho de camarão e gengibre com purê de banana da terra e arroz, e o Fufu Inhá, peixe frito no dendê com quiabo e inhame ralado com pó de camarão seco.

Claro que as moquecas não faltam, indo do camarão até a de siri mole, e também porçõezinhas, como as de abará, acarajé, casquinha de siri e caldo de sururu.

Restaurante Zanzibar: Rua Direita de Santo Antônio, 60-B – Santo Antônio Além do Carmo, Salvador – BA / Tel.: (71) 98451-6483 / Horário de funcionamento: quarta e domingo, das 12h às 18h; quinta, sexta e sábado, das 12h às 23h.

Chez Bernard

Vista do francês Chez Bernard para a Baía de Todos os Santos / Reprodução/Instagram

Conhecido por sua tradição, o Chez Bernard serve a Salvador receitas francesas clássicas desde 1963. Com vista para as águas da Baía de Todos os Santos, os pratos franceses encontram eco nas mesas dos dois andares do restaurante, que foi repaginado em 2018.

Da cozinha, chefiada por Laurent Rezette, temos entre as opções steak tartar, ostras e escargot, assim como linguini com frutos do mar, filé ao molho bordelaise acompanhado de sonhos de batata e magret de pato regado ao molho de laranja e acompanhado de batatas rústicas.

Chez Bernard: Rua Gamboa de Cima, 11 – Dois de Julho, Salvador – BA / Tel.: (71) 9911-1130 / Horário de funcionamento: segunda-feira, das 19h às 23h; terça a quinta, das 12h às 15h e das 19h às 23h; sexta, das 12h às 15h e das 19h à 0h; sábado, das 12h às 16h e das 19h à 0h; domingo, das 12h às 17h.

Soho Restaurante

A gastronomia asiática, com foco em criações japonesas, também ganha espaço em Salvador com o Soho, que possui duas unidades na cidade: da Bahia Marina, centro de lazer náutico na borda leste da Baía de Todos os Santos, e no Shopping Paseo Itaigara.

A unidade à beira-mar tem arquitetura moderna e visual repaginado recentemente com toques contemporâneos. Juntos dos itens do cardápio, os visuais da casa são um dos pontos altos do estabelecimento, que se abre para as nuances da Baía.

A dica é aproveitar também o balcão. Tartar de salmão cortado na ponta da faca, tuna tataki e  combinados tradicionais são algumas das opções.

Soho Bahia Marina: Avenida Lafayete Coutinho, 1010, Salvador – BA / Tel.: (71) 3322-4554 / Horário de funcionamento: segunda-feira das 18h às 23h30; terça a quinta, das 12h às 15h30 e das 18h às 23h30; sexta e sábado das 12h às 23h30; domingo, das 12h às 23h. Consulte redes sociais para unidade do shopping.

Barracas de praia e sorveterias

Barraca do Lôro

São quatro unidades do grupo Lôro em Salvador: na Praia do Flamengo, na Praia Pedra do Sal, na Stella Maris e na Bahia Marina – há ainda uma barraca na Praia do Forte, em Mata de São João.

As unidades na praia não são barracas comuns, mas sim locais com estrutura que se assemelha a um beach club, com espaço para restaurante e cadeiras e guarda-sóis na areia.

Os clássicos de praia ganham ares mais caprichosos. Vale pedir porções fritas e seguir para um prato com frutos do mar – tudo melhor acompanhado de um drinque ou cerveja gelada.

Barraca do Lôro: confira endereços, telefones e horários aqui.

A Cubana

Sorveteria mais antiga de Salvador e considerada a primeira da Bahia, A Cubana é como um patrimônio para a cidade e o estado. A primeira loja foi inaugurada em 1930 junto da reabertura do Elevador Lacerda naquele ano e, até hoje, há um pequeno quiosque em sua saída.

Não muito distante dali, há uma unidade também no Pelourinho, que não escapa do nosso roteiro na capital baiana. São muitos sabores: entre clássicos, de frutas, que remetem à Bahia, com bebidas alcoólicas…São variadas combinações ao gosto do freguês.

Os sorvetes artesanais ainda são encontrados nas regiões de Pituba, Rio Vermelho e em Itaigara, no Shopping Cidade.

A Cubana (Elevador Lacerda): Praça Tomé de Souza / Tel.: (71) 3322-7000 / Horário de funcionamento: todos os dias das 8h às 22h / Demais unidades no site.

Museu do Sorvete – Solar Amado Bahia


Centenário, o Solar Amado Bahia, na Ribeira, abriu as portas novamente para o público baiano e aos turistas após ser restaurado e ganhou novos ares com um “museu do sorvete” e, claro, uma loja para experimentar diferentes sabores.

Quem faz e vende os gelados é a Sorvetes Real do Solar, que também opera outras lojas pela capital baiana. Além de podermos nos refrescar com bolas de sorvete ou picolé, o local conta com referências históricas da fabricação de sorvetes e há também possibilidade de contemplar cômodos cheios de ricos detalhes que nos levam a outros tempos.

Sorvetes Real – Solar Amado Bahia: Rua Porto dos Tainheiros, 80 – Ribeira, Salvador – BA / Tel.: (71) 2132-0017 / Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 13h às 21h; domingo, das 10h às 21h.