Rota turística da Estrada Real recebe título de monumento nacional

Com 1.630 km de extensão, Estrada Real abrange caminhos ligados ao escoamento de ouro na época Imperial em Minas, Rio e São Paulo

Conjunto arquitetônico e urbanístico de Ouro Preto, em MG, principal cidade do Ciclo do Ouro
Conjunto arquitetônico e urbanístico de Ouro Preto, em MG, principal cidade do Ciclo do Ouro Wikimedia Commons

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia São Paulo, SP

Além de rota turística, o Caminho da Estrada Real é agora um monumento nacional. O conjunto de caminhos da época Imperial que abrange localidades no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais foi reconhecido com o status por meio de lei publicada na sexta-feira, 20 de outubro.

O decreto lista 183 localidades, entre municípios e distritos que fazem parte da antiga Estrada Real. Aberta pela coroa portuguesa, a estrada surgiu ainda no século 17 para ligar o litoral do Rio às áreas de mineração.

Hoje, ela é um atrativo turístico que remonta à história da escoação de ouro e das pedras preciosas retiradas de terras mineiras. Com o status de monumento nacional, o atrativo turístico pode alavancar o desenvolvimento e a geração de renda.

Segundo o Instituto Estrada Real, que fomenta e gerencia o atrativo desde 1999, o título “reconhece a grandeza e dá mais visibilidade à maior rota turística do Brasil”, como diz um post nas redes sociais.

A Estrada Real

A rota da Estrada Real tem 1.630 km de extensão, atravessa a Mata Atlântica, entre a Serra da Mantiqueira e a Serra do Mar, e resgata tradições no percurso.

O Instituto Estrada Real a divide em quatro caminhos:

  • Caminho Velho (ou Caminho do Ouro): o primeiro trajeto aberto oficialmente pela Coroa Portuguesa que conecta Ouro Preto a Paraty. São 710 km de extensão.
  • Caminho Novo: aberto para ser uma alternativa mais rápida e fácil ao Caminho Velho e que conecta Ouro Preto ao Rio de Janeiro. São 515 km de extensão.
  • Caminho dos Diamantes: liga Ouro Preto a Diamantina, que ganhou destaque a partir de 1729 pelos diamantes e pedras preciosas. Tem 395 km de extensão.
  • Caminho Sabarabuçu: liga Ouro Preto às imediações da Serra do Sabarabuçu (hoje Serra da Piedade), local cercado de montanhas e lendas sobre avistamento de ouro e pedras preciosas. São 160 km de extensão.

Entre as localidades contempladas pela Estrada Real aparecem as cidades históricas de Minas Gerais, como Ouro Preto, que já é Patrimônio Mundial da UNESCO, Tiradentes, São João del Rei, Congonhas e Diamantina, que compartilham um passado importantíssimo para a história do Brasil.

No Rio há a histórica Paraty, na Costa Verde, com suas ruas de pedras do Brasil colônia preservadas e águas transparentes em ilhas intocadas, assim como Petrópolis, a Cidade Imperial, com gastronomia e hospedagens de charme na região serrana do estado.

Em São Paulo há Cunha, que ganha fama pelo cultivo de lavanda e pela paisagem conhecida como Mar de Morros.