Vik Chile: hotel-vinícola reúne design arrojado e os melhores vinhos do país

No top 10 de melhores vinícolas do mundo, Vik Chile une hotel totalmente permeado de arte com vinhedos que nos aproximam da terra de forma sustentável, o que transforma a propriedade num destino único

Daniela Filomeno na Bodega Vik, espaço de envelhecimento e prova de vinhos da propriedade Vik no Chile
Daniela Filomeno na Bodega Vik, espaço de envelhecimento e prova de vinhos da propriedade Vik no Chile CNN Viagem & Gastronomia

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia Vale Millahue, Chile

A duas horas de carro ao sul da efervescente capital Santiago nos deparamos com um cenário chileno marcado por vinhedos que descansam na paisagem. Delineando estas áreas está ainda o encanto dos sopés da pitoresca Cordilheira dos Andes.

Em meio a essa composição natural, no topo de uma colina, somos recebidos no Vik Chile, hotel-vinícola em pleno Vale do Millahue, conhecido como o Vale do Ouro.

O metal nobre que nomeia o lugar não fica visível aos olhos. O ouro real é na verdade outro: daqui saem vinhos que estão entre os melhores do Chile e a hospitalidade irreverente, combinada a uma arquitetura surpreendente, compõe a alma do local.

É impressionante estar aqui e perceber como o terroir característico, que confere identidade aos vinhos Vik, se transformou em uma verdadeira experiência.

Seja a escolha do terreno para a construção do hotel, sejam as videiras que concebem uvas de diferentes varietais, sejam ainda as hortaliças que brotam da terra e nos dão o que comer, é nítido: tudo gira em torno do solo.

Digo, portanto, que o Vik Chile não é um hotel luxuoso ou supersofisticado. É mais do que isso. Defino-o como um hotel de experiências, que nos traz para perto da terra, do vinho e da arte.

Com paisagens fenomenais que enquadram vinhedos e montanhas, esta é uma área ainda não tão conhecida dos turistas, o que confere um ar de refúgio ao local e que pude experimentar durante a passagem do CNN Viagem & Gastronomia no Chile.

Gastronomia primorosa, degustações de vinhos especiais, passeios pela vinícola, horta com delícias no melhor estilo “farm to table”, quartos de diferentes estilos e uma veia artística notável em todos os cantos deixam nossos sentidos aflorados – e transformam o Vik Chile num destino por si só.

O hotel

O Vik Chile faz parte do Vik Retreats, conjunto de propriedades no Uruguai, Chile e Itália que promove viagens de experiência através da junção de designs arrojados, locações recônditas e práticas sustentáveis.

Uma vez aqui conseguimos captar o quanto isso significa.

A começar pelo projeto arquitetônico, estabelecido no topo de uma colina, o qual é inspirado nas montanhas, nos ventos e nos trabalhos do arquiteto canadense Frank Gehry, nome por trás do Museu Guggenheim Bilbao, e do escultor norte-americano Richard Serra.

Podemos entender melhor essas referências quando nos deparamos com o teto flutuante e escultural, de linhas arrojadas e desalinhadas, feito de titânio e bronze. O design, portanto, nos cumprimenta logo na entrada e dita o tom do resto do hotel: inovador, ousado, moderno e artístico.

Um pátio central com um jardim zen rodeado de flores nos dá as boas-vindas e a sala de estar é um convite para relaxar e apreciar obras de arte, como as pinturas do emblemático artista chileno Roberto Matta.

As vistas panorâmicas de 360º abrangem os vinhedos e também a natureza circundante dos 4.450 hectares em que a propriedade se alonga.

Quartos únicos

Tais paisagens podem ser contempladas também dos apenas 22 quartos que compõem o hotel, todos diferentes entre si e decorados de acordo com um tema específico.

Ao todo são 17 suítes de 35m² e outras cinco master suítes de 45m², as quais englobam inspirações vindas do próprio Chile, dos vinhedos, de Hollywood, de peças de amigos dos fundadores da vinícola e dos movimentos minimalista e art noveau.

O quarto “Vicky Money”, por exemplo, tem o banheiro inteiramente revestido de impressionantes 50 mil moedas de um centavo de euro; já o “Valenzuela” tem piso inspirado nas linhas de Mondrian e um sofá que é réplica da escultura Mae West Lips, de Salvador Dalí.

Interessante é que a própria equipe do hotel nos aconselha a fazer um tour virtual pelos quartos antes de, de fato, chegarmos ao Vik Chile, para assim sabermos as possibilidades que nos esperam.

Além dos quartos temáticos, a propriedade adicionou recentemente outras sete acomodações que funcionam como bangalôs de vidro logo abaixo da estrutura principal do hotel.

Chamadas de casas “Puro Vik”, elas nos garantem uma imersão no cenário natural e também apresentam artes e designs únicos, com temas diferentes entre si.

Piscina e spa: hora de relaxar

Se as paisagens ao redor já nos encantam de qualquer ponto do hotel, é na piscina infinita que elas ganham um toque a mais. O pôr-do-sol deste canto da América do Sul é especial, muito mais se observado de dentro da piscina, acima do nível do solo.

E não é somente a piscina que nos garante momentos relaxantes: o hotel ainda é detentor de um Spa de Vinho, que potencializa a atmosfera do entorno em experiências de bem-estar holísticas.

Isso quer dizer que, além de um banho de imersão numa banheira cheia de suco de uva, podemos desfrutar de tratamentos, massagens e terapias que focam na renovação física e mental que aliam aromas, texturas e sons.

E engana-se quem pensa que o momento wellness acaba por aqui. Caminhadas pelos vinhedos, cavalgadas entre as vinhas e mountain bike são atividades ao ar livre praticadas na propriedade ao longo do ano.

Encontros com artistas locais, churrascos e piqueniques no vinhedo, além de observação de aves, são programas que ainda podem ser agendados com a equipe e que revelam a multiplicidade do Vik Chile.

A vinícola

A apenas alguns metros abaixo do hotel descansam os vinhedos no interior do vale. Pioneira na região, a Viña Vik comprou os hectares em 2006 e, no mesmo ano, as primeiras videiras foram plantadas.

Hoje, a vinícola se destaca entre as melhores do mundo: está na 8ª posição no ranking das 50 melhores vinícolas de acordo com o World’s Best Vineyards 2021.

Entre as ruas de videiras conseguimos ter uma melhor noção de como funciona a vinícola e como são feitos os vinhos da marca.

Interessante é que uma série de diferentes tipos de solo e pequenos microclimas numa mesma área – distintos e frescos graças à brisa do litoral – garantem um terroir complexo e específico que conferem identidade aos vinhos Vik.

Outros processos ajudam a engarrafar uma bebida de qualidade: Cristian Vallejo, responsável pela viticultura e vinificação, cuida para que as uvas sejam colhidas manualmente e durante a noite, em temperaturas mais baixas.

A fermentação é natural e sem adição de leveduras, em que os vinhos são envelhecidos em barris novos e usados de carvalho francês.

A vinícola consta, inclusive, como a única da América do Sul que faz a própria barrica dentro da propriedade e a única no mundo que faz a queima do barril com carvalho próprio. Na ocasião, assinei uma das barricas de envelhecimento para, quem sabe um dia, voltar e apreciar o vinho que dali pode sair.

Todos os processos resultam em quatro linhas de vinhos: o emblemático Vik, que marca o início da vinícola, e também La Piu Belle, Milla Cala e A Cabernet Sauvignon.

Entre tintos e rosé, todos são blends, em que as varietais podem ser: carmenere, syrah, merlot, cabernet sauvignon e cabernet franc.

A bodega

No meio dos vinhedos há ainda uma outra construção singular, a Bodega Vik. O teto translúcido de tecido extensível chama a atenção desde o hotel e foi projetada para criar o menor impacto possível no arredor. A filosofia primordial na vinícola é sempre de ser sustentável, orgânica e respeitosa com a natureza.

Aqui ficam a sala de degustação, o hall de fermentação, os tanques de aço inox e a cave.

Antes de devidamente entrarmos na adega passamos por uma praça cercada de água e esculturas de pedra que evocam um rio. É um espelho d’água que flui até a entrada da construção, nos revelando mais uma vez o cuidado artístico que o local possui.

Ao nos dirigirmos até a sala de degustação, no final da adega, passamos por um corredor adornado com pinturas que representam parreiras e o solo da vinícola, fazendo mais uma conexão com a arte.

A sala de degustação também não fica isenta: peças de arte ficam dispostas aqui junto de um altar de pedra maciça que celebra os vinhos da casa. É neste momento, após a visita aos vinhedos, que podemos degustar os vinhos que fazem o nome da vinícola e ainda apreciarmos algumas variedades vintage.

O bacana é que ainda é possível terminar esta agradável imersão na alma do local com um almoço harmonizado que segue o conceito “farm to table“.

Além de diferentes tipos de degustação, como a vertical, em que experimentamos um mesmo rótulo mas de diferentes safras, outros programas também podem ser feitos por aqui, sejam cavalgadas entre os vinhedos, trekking, piqueniques e aulas de cozinha.

Da terra à mesa

Junto da sustentabilidade, um dos pilares fundamentais do Vik Chile é a gastronomia. Práticas de “zero quilômetro” e “do campo para a mesa” são uma realidade, dada a horta onde são cultivadas cerca de 250 variedades de frutas, vegetais e especiarias orgânicas.

É um verdadeiro jardim gastronômico de onde saem os principais insumos para as cozinhas do hotel e da vinícola junto de outros ingredientes de produtores locais.

Quem lidera esse movimento dentro da propriedade é o chef Pablo Cáceres. Ao seu lado, pude colher ingredientes para nosso almoço, em que recolhi diferentes vegetais, legumes e frutos, a exemplo do tomate tenca, menor que o tomate cereja e de sabor intenso.

Plantas comestíveis dão aos montes por aqui, assim como pegamos nas mãos alguns grãos de quinoa para cozinhar.

Como o chef diz, a horta é o “coração da gastronomia” do hotel, de onde saem a maioria dos produtos.

É especial estar aqui e entender mais sobre o manejo do solo, além de vermos de perto diferentes ingredientes que nos alimentam. É uma ótima maneira de termos uma melhor consciência do que vamos comer, já que com esse planejamento e conhecimento podemos reduzir desperdícios e depositar mais zelo à terra.

Após a colheita, fomos para uma cozinha externa preparar uma das receitas mais clássicas do Chile: empanadas.

Preparadas em forno de barro com alguns dos ingredientes que colhemos, as empanadas foram como uma celebração. Como Pablo me lembrou, fazer e servir empanadas é como estar em família.

Este trabalho minucioso também é replicado no Milla Milla, restaurante do hotel caracterizado como uma cozinha de autor que nos recebe com pratos caprichados munidos dos insumos mais frescos da região.

Carnes, peixes, massas e sorvetes caseiros são melhor apreciados junto vinhos da própria casa.

Como de costume, a arte também está presente com algumas pinturas, mas o verdadeiro quadro se dá pelos grandes vidros transparentes: a paisagem de um Chile calmo, marcado por vinhedos e montanhas, dá as caras novamente e nos convida a degustar um ritmo mais sereno – de preferência com uma taça em mãos!

Vik Chile
Millahue, San Vicente de Tagua Tagua, Chile
Reservas: reservas@vikchile.com
Tel.: +56 9 6193-9170
Mais informações no site