Avaliado em US$ 150 mil, Hot Wheels de 1969 pode ser o mais caro do mundo

Protótipo da 'Beach Bomb', uma van da Volkswagen parecida com a Kombi, é considerado o 'Santo Graal' das coleções de carrinhos produzidos pela Mattel

Protótipo de Hot Wheels feito em 1969 para reproduzir van da Volkswagen vale cerca de US$ 150 mil
Protótipo de Hot Wheels feito em 1969 para reproduzir van da Volkswagen vale cerca de US$ 150 mil Foto: Cortesia/Bruce Pascal

Peter Valdes-Dapena, da CNN

Ouvir notícia

Nos Estados Unidos é possível comprar a maioria dos carros da linha Hot Wheels por cerca de US$ 1 (R$ 5,22 em conversão direta, sem impostos) em lojas como Target, Wal-Mart e até mesmo em farmácias. 

Mas para Bruce Pascal, uma obsessão mantida por quase toda sua vida com esses minúsculos carros se transformou em uma coleção de valor quase inimaginável.

Pascal, executivo do setor imobiliário da área de Washington DC, é o proprietário do que se acredita ser o carro Hot Wheels mais valioso do mundo: uma versão de 1969 da “Beach Bomb”, uma van da Volkswagen – parecida com a Kombi produzida no Brasil entre 1950 e 2013 – com valor estimado em US$ 150 mil (equivalente a R$ 782,5 mil, em conversão direta).

Especialistas em itens colecionáveis dizem que a avaliação do minúsculo carro é totalmente verossímil com base em sua extrema raridade e em seu estado quase perfeito.

“Quando se trata de qualquer campo de coleção, há sempre aquele item considerado o ‘Santo Graal’, em que não há oferta para atender à demanda e isso faz com que o preço dispare”, disse Travis Landry, um avaliador da Bruneau & Co. Auctioneers de Rhode Island.

Assista e leia também:
Colecionadores pagam até R$ 275 por cédula antiga de R$ 1
Primeiro tênis de Michael Jordan é vendido por mais de R$ 3 milhões em leilão
Por que uma carta de Pokémon pode valer R$ 1,3 milhão? Conheça o mercado

Embora ele não tenha inspecionado o carro pessoalmente, Landry disse que o brinquedo de Pascal vale facilmente US$ 100 mil (R$ 522 mil), mas provavelmente pode valer ainda mais, especialmente porque os valores para todos os tipos de itens colecionáveis aumentaram nos últimos meses.

Antes de começar a vasculhar seu armário para encontrar aquele estojo cheio de Hot Wheels de quando você era criança, saiba que os modelos mais valiosos de Pascal – muitos deles valendo milhares de dólares – nunca foram vendidos nas lojas . Eles são principalmente protótipos que só circularam pelos escritórios corporativos da Mattel.

Esse modelo de US$ 150 mil, por exemplo, foi um experimento fracassado. Em 1969, o segundo ano da Hot Wheels no mercado, os designers queriam incluir um modelo ao estilo californiano da famosa van da Volkswagen. A versão original do Beach Bomb da Hot Wheels teve proporções reais reduzidas para o tamanho de 1/64 e minúsculas pranchas de surfe saindo da janela traseira.

A aparência era ótima, mas o carrinho tinha sérios problemas de manuseio. O ponto principal dos Hot Wheels é que eles não podem apenas parecer legais. Eles devem andar rápido e dar voltas nos trilhos de plástico laranja da marca. 

Mas quando foi lançado do Hot Wheels Super-Charger – uma garagem em miniatura com discos de borracha giratórios que lançavam os carros em alta velocidade – o carrinho alto e estreito capotou.

Carrinhos com tintas extremamente brilhantes valem entre US$ 15 mil e US$ 20 mil
Carrinhos pintados com tintas extremamente brilhantes para comerciais de TV valem entre US$ 15 mil e US$ 20 mil cada
Foto: Cortesia/Bruce Pascal

Alguns protótipos foram feitos com fundos mais pesados para tentar superar esse problema de tombamento. O de Pascal é um desses. Cerca de 144 protótipos deste modelo em particular foram feitos e apenas cerca de 50 existem até hoje, disse o colecionador.

No final das contas, os designers da Hot Wheels voltaram à prancheta e redesenharam completamente o modelo. A versão que foi vendida ao público em 1969 era mais ampla e tinha as pranchas de surfe ao lado.

A Beach Bomb de Pascal é a única rosa com o fundo mais pesado, disse ele. Há um outro protótipo rosa, mas que tem o design original com o fundo mais leve. Pascal disse que não tem planos de vender o seu.

Outro protótipo do Beach Bomb, vermelho, foi avaliado em um episódio do Antiques Roadshow da PBS em 2016 entre US$ 100 mil e US$ 150 mil. O modelo rosa de Pascal é um dos quatro protótipos do Beach Bomb com peso na traseira que ele possui. Todos valem pelo menos US$ 25 mil cada, disse ele.

Pascal comprou o Beach Bomb rosa depois de ver o anúncio do carrinho em um jornal em 1999. O preço de US$ 72 mil, no entanto, fez a venda fracassar. Então, Pascal contatou o proprietário e comprou o brinquedo por mais de US$ 50 mil. Ele e o vendedor concordaram em manter o preço exato em segredo, disse.

Assista e leia também:
Os ricos estão comprando mais joias durante a pandemia
Letras e cartas de Bob Dylan são vendidas por quase US$ 500 mil
Tela de Tarsila do Amaral é vendida por R$ 57,5 milhões e bate recorde

Considerar o valor relativo de um carro como este ajuda a entender os valores relativos de outros itens colecionáveis, como carros reais, disse Mary Brisson, gerente de produção de catálogo da empresa de leilões de carros clássicos Gooding & Co. Ela também é uma ávida colecionadora de Hot Wheels.

“Para colecionadores, aquela Volkswagen Beach Bomb com peso na traseira é como a Ferrari 250 GTO para colecionadores de carros de verdade”, disse ela.

Ferrari 250 GTOs da década de 1960 foram vendidas por até US$ 70 milhões (R$ 365 milhões) e são geralmente reconhecidos como um dos automóveis mais valiosos do mundo.

Joias valiosas em rodas minúsculas

A coleção de Pascal, que chega aos milhares, inclui vários carros Hot Wheels feitos com tinta extra-brilhante. Eles foram feitos especialmente para ficarem ainda mais bonitos nos comerciais de TV de 1968, disse ele.

“Eles são absolutamente impressionantes, extremamente raros”, disse Pascal. “E eles valem pelo menos de US$ 15 mil a US$ 20 mil cada e o preço está aumentando.”

Bruce Pascal é o dono do que se acredita ser o Hot Wheels mais valioso do mundo
Bruce Pascal, executivo do setor imobiliário, é o proprietário do que se acredita ser o carro Hot Wheels mais valioso do mundo
Foto: Cortesia/Bruce Pascal

Ele conseguiu muitos de seus melhores itens rastreando ex-funcionários da Hot Wheels e perguntando se eles tinham algo que gostariam de vender, disse.

“Muitas vezes os telefonemas eram: ‘Acho que não tenho nada que você possa se interessar… só tenho alguns projetos’. E eu digo, ‘Ok, vou comprá-lo! “

Pascal abriga sua coleção Hot Wheels em um armazém de 370 metros quadrados com temperatura controlada em Maryland. Além dos carrinhos, sua coleção também traz trabalhos de designers da Hot Wheels.

Também existem muitos modelos de design antigos que, na década de 1960 e no início dos anos 70, eram frequentemente esculpidos em madeira ou resina, um processo que poderia levar dias, disse Pascal. Esses primeiros modelos são várias vezes maiores do que o tamanho dos Hot Wheels que saiam da linha de montagem.

O processo de design da Hot Wheels é muito diferente hoje, disse Ted Wu, chefe global de design da Hot Wheels. Com impressoras 3D e ferramentas digitais de desenho e escultura, os designers trabalham com muito mais rapidez nas diferentes ideias de design. Então, hoje em dia, existem muitos mais modelos de teste feitos e eles são muito menores do que os de Pascal.

Coleção Hot Wheels de Pascal é armazenada em um armazém de 370 metros quadrados
Coleção Hot Wheels de Pascal é armazenada em um armazém de 370 metros quadrados com temperatura controlada em Maryland
Foto: Cortesia/Bruce Pascal

Muitos desses primeiros modelos são destruídos rotineiramente, mas alguns são mantidos nas mesas dos designers porque gostam deles.

“No passado, fizemos ofertas de colecionador muito sofisticadas por eles”, disse Wu. “Mas isso é uma coisa muito, muito rara.”

Quanto a Pascal, ele não tem planos de vender sua coleção, mas sabe que em algum momento terá que fazer alguma coisa com ela.

“Minha esposa diz que tem um pedido.” disse. “Se eu morrer e deixar 7 mil brinquedos e itens de papel para ela, ela ficará arrasada.”

Com o tempo, diz ele, reduzirá sua coleção e doará as melhores peças para o Smithsonian ou um museu infantil.

“Meu único requisito é que não quero doar e descobrir que está guardado em um porão”, disse ele.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN