Guerra na Ucrânia provoca corrida de investidores por dólares

Moeda americana subiu para seu nível mais alto desde o segundo trimestre de 2020 na semana passada, à medida que aumentavam os temores sobre os impactos do conflito na economia global

Dólares: moeda norte americana representou 60% das reservas globais em 2021
Dólares: moeda norte americana representou 60% das reservas globais em 2021 26/03/2015REUTERS/Gary Cameron

Julia Horowitzdo CNN Business

Ouvir notícia

O dólar americano serve como a espinha dorsal da economia global e é considerado a moeda mais segura para investir. Então, em tempos de incerteza, os investidores gostam de estocar.

O que está acontecendo: o dólar subiu para seu nível mais alto desde o segundo trimestre de 2020 na semana passada, à medida que aumentavam os temores sobre como a guerra da Rússia na Ucrânia ricochetearia na economia global e nos mercados financeiros.

Uma das razões para seu forte aumento: os investidores decidiram que não queriam mais manter os euros, dada a proximidade da Europa com o conflito. Eles jogaram fora a moeda comum do bloco e compraram dólares.

“Os mercados europeus simplesmente não são atraentes neste momento devido à sua exposição geográfica à Ucrânia e à Rússia”, diz o estrategista do ING Francesco Pesole. As ações dos EUA têm se saído muito melhor do que as ações europeias desde a invasão da Rússia, porque a economia americana está mais isolada da guerra e de suas consequências.

Os preços do gás natural na Europa atingiram recordes na semana passada devido a preocupações sobre o que acontecerá com as exportações de energia da Rússia. Os Estados Unidos, que são um grande produtor de energia, estão sendo atingidos por custos mais altos, mas em menor grau.

A economia dos EUA também parece saudável, apesar da alta inflação: 678.000 empregos foram criados em fevereiro, mostraram dados divulgados na sexta-feira, superando as previsões.

Além disso, o dólar ganhou impulso depois que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que o banco central pretende começar a aumentar as taxas de juros ainda este mês, embora a situação na Ucrânia tenha obscurecido as perspectivas. Taxas de juros mais altas devem ajudar a atrair capital do exterior, especialmente se os formuladores de políticas na Europa forem forçados a adiar seus próprios aumentos por mais tempo.

Mais uma coisa: em tempos de crise, não há moeda que investidores e formuladores de políticas prefiram segurar. O dólar representou 60% das reservas globais em 2021.

“Mercados e bancos centrais querem manter o dólar porque é uma moeda muito líquida. É altamente negociável”, disse Pesole. “É apoiado por uma economia muito forte e sólida.”

Um dólar mais forte pode prejudicar os lucros das empresas que ganham dinheiro no exterior, mas uma preocupação maior é como a valorização do dólar afetará as economias emergentes, que muitas vezes precisam pagar suas dívidas em dólares.

Já existe alguma ansiedade sobre se a implosão econômica da Rússia também fará com que os investidores abandonem mercados mais arriscados, como Brasil, Turquia ou México. A alta do dólar pode aumentar a pressão.

Tem havido algumas conversas sobre se a guerra da Rússia na Ucrânia poderia abalar o domínio do dólar, fortalecendo a determinação de Moscou – junto com Pequim – de desenvolver mecanismos alternativos de financiamento que tornarão as sanções ocidentais menos eficazes ao longo do tempo. No entanto, o fim do King Dollar foi chamado muitas vezes antes.

“Não há nenhuma indicação de que o domínio do dólar esteja diminuindo”, disse Pesole. “Este é um [enredo] que só pode ser a muito longo prazo.”

Guerra da Rússia já transformou a economia global

Apenas uma semana de guerra na Ucrânia abalou a economia global, à medida que rápidas sanções ocidentais isolaram a Rússia, colapsaram sua moeda e ativos financeiros e elevaram os preços da energia e dos alimentos.

Retrocesso rápido: a economia de US$ 1,5 trilhão da Rússia é a 11ª maior do mundo, segundo dados do Banco Mundial. Há um mês, o país estava fazendo um grande comércio de energia, exportando milhões de barris de petróleo por dia com a ajuda de grandes companhias petrolíferas. Marcas ocidentais estavam fazendo negócios rápidos na Rússia e os investidores estavam emprestando para suas empresas.

Agora, uma enxurrada de sanções tornou os maiores bancos da Rússia radioativos, os comerciantes estão evitando barris de petróleo bruto dos Urais e as empresas ocidentais estão fugindo do país ou fechando lojas, relata meu colega de negócios da CNN, Charles Riley. As ações russas foram expulsas dos índices globais e o comércio de algumas empresas russas foi interrompido em Nova York e Londres.

Quadro geral: a invasão da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin foi recebida com uma resposta sem precedentes dos Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia, Canadá, Japão, Austrália e outras nações. Até a Suíça, famosa por sua neutralidade e sigilo bancário, prometeu impor sanções à Rússia.

As sanções impediram os dois maiores bancos da Rússia, Sberbank e VTB, de negociar em dólares americanos. O Ocidente também removeu muitos bancos russos – incluindo o VTB – do Swift, um serviço global de mensagens que conecta instituições financeiras e facilita pagamentos rápidos e seguros.

A coalizão está tentando impedir que o banco central da Rússia venda dólares e outras moedas estrangeiras para defender o rublo e sua economia. No total, quase US$ 1 trilhão em ativos russos foram congelados por sanções, segundo o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

“As democracias ocidentais surpreenderam muitos ao buscar uma estratégia de exercer intensa pressão econômica sobre a Rússia, cortando-a efetivamente dos mercados financeiros globais”, disse Oliver Allen.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN