Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China restringe exportações de grafite em novo passo de “guerra tecnológica”

    Na terça-feira (17), os EUA emitiram novas restrições a exportação de chips para Pequim

    Pequim já havia restringido exportações de materiais essenciais para produção de semicondutores
    Pequim já havia restringido exportações de materiais essenciais para produção de semicondutores REUTERS/Florence Lo/Ilustração

    Juliana Liuda CNN

    Hong Kong

    A China revelou planos para restringir as exportações de grafite – um mineral crucial para a fabricação de baterias para veículos elétricos (VEs) – por motivos de segurança nacional, disseram na sexta-feira (20) o Ministério do Comércio e a Administração Geral das Alfândegas.

    O anúncio ocorre poucos dias depois de os Estados Unidos terem imposto limites adicionais aos tipos de semicondutores que as empresas norte-americanas podem vender às empresas chinesas.

    “Neste momento, tanto a China como os países ocidentais estão envolvidos numa disputa de olho por olho, destacando como as medidas protecionistas muitas vezes se espalham. A terceira lei de Newton, de que cada ação provoca uma reação, também se aplica aqui”, disse Stefan Legge, chefe de pesquisa de política fiscal e comercial da Universidade de St. Gallen, na Suíça.

    “Ao mesmo tempo, ambos os lados da disputa também percebem o quão caro será se a geopolítica triunfar sobre a economia”, acrescentou.

    Pequim vai exigir que sejam emitidas licenças de exportação para material de grafite sintético a partir de dezembro, – incluindo versões de alta pureza, alta resistência e alta densidade – bem como para grafite natural em flocos.

    O Instituto de Pesquisa Energética, uma organização com sede em Washington, afirma que os fabricantes de automóveis estão tentando garantir o fornecimento de grafite de fontes fora da China, à medida que a demanda por baterias para carros supera outros usos do material.

    As vendas globais de VEs estão em alta, incluindo veículos movidos exclusivamente por bateria e híbridos, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).

    As vendas ultrapassaram 10 milhões de unidades no ano passado, um aumento de 55% em relação a 2021, e deverão aumentar para quase 14 milhões de veículos em 2023, projetou a AIE.

    De acordo com o Serviço Geológico dos EUA, o mercado de grafite utilizado em baterias cresceu 250% globalmente desde 2018. Segundo o departamento, a China foi o principal produtor mundial de grafite no ano passado, respondendo por cerca de 65% da produção global.

    Além dos VEs, o grafite é comumente usado nas indústrias de semicondutores, aeroespacial, química e siderúrgica.

    Restrições de insumos essenciais

    As restrições às exportações foram anunciadas num momento em que a China enfrenta pressão de vários governos sobre as suas práticas comerciais e comerciais.

    Há mais de um ano, o país está envolvido numa guerra tecnológica com os Estados Unidos e os seus aliados na Europa e na Ásia pelo acesso a chips avançados e a equipamentos de produção de chips.

    Em julho, Pequim impôs restrições à exportação de gálio e germânio, dois minerais essenciais para a produção de semicondutores. Um mês depois, as remessas de materiais para o exterior caíram para zero.

    Ivan Lam, analista sênior da Counterpoint Research, disse que a China já havia imposto restrições temporárias à exportação de grafite, com pouco impacto na indústria, acrescentando que as novas regras não constituíam uma “proibição total”. Ainda assim, ele prevê que os preços subirão.

    “Acreditamos que o preço médio do grafite continuará a subir no futuro devido aos desequilíbrios na oferta e na procura, incluindo a Rússia, que era um dos principais fornecedores de grafite antes da guerra Rússia-Ucrânia”, disse ele.

    A China  domina a cadeia de abastecimento mundial de minerais essenciais necessários para fabricar baterias para carros elétricos. O país refina 60% do lítio mundial e 80% do cobalto, segundo o Departamento de Energia dos EUA.

    Veja também: Índia, Canadá, Alemanha e China vivem período de tensão

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original