Sérgio Sette Câmara e Guilherme Bellintani debatem sobre retomada do futebol


Da CNN
29 de junho de 2020 às 12:52

Os presidentes do Atlético Mineiro, Sérgio Sette Câmara, e do Bahia, Guilherme Bellintani, falaram à CNN nesta segunda-feira (29) sobre a retomada das partidas de futebol em meio à pandemia da Covid-19.

No Rio de Janeiro, a federação estadual confirmou a volta dos jogos, apesar de alguns clubes e do Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (SAFERJ) se posicionarem contrários à retomada em plena pandemia. Em São Paulo, os times de futebol da primeira divisão poderão retomar os treinos a partir de 1º de julho, segundo o governo estadual. 

Para Sérgio Sette Câmara, "o futebol é uma das atividades que mais tem condição de voltar com segurança".

"O futebol tem obedecido critérios rigorosos e os clubes estão seguindo à risca os protocolos que foram encaminhados", disse, acrescentando que o Atlético Mineiro tem feito testes de Covid-19 semanalmente. 

"Me parece que o futebol é uma atividade importante. Tem que ser visto como um negócio, e os clubes precisam voltar a jogar. Existem muitos empregos ao redor do futebol, que gera riqueza e impostos", avaliou. "Então acredito que, se existe hoje uma atividade que pode voltar dentro dessa flexibilização – e com segurança – é o futebol."

Leia também:

Ronaldo diz que retorno do futebol brasileiro é prematuro

São Paulo autoriza retorno dos treinos de times de futebol a partir de julho

Bellintani informou que o Bahia já voltou aos treinos e está na terceira semana de testagem dos atletas. Ele disse que os jogos devem ser liberados em julho, e que retornarão aos gramados com "muita cautela e cuidado".

"Sem pressa, mas entendendo que, se tiver liberação e condições técnicas, estamos preparados para voltar – entendendo que, naturalmente, isso cabe às autoridades sanitárias", acrescentou.

O presidente do Bahia se posicionou contra jogos com torcedores nas arquibancadas.

"Não é o momento de retornar ao futebol com público e nenhum lugar do mundo ainda voltou. Meu posicionamento, pelo cenário que vejo, é que o mais coerente é, após a liberação dos treinos, haver volta aos jogos com muita cautela e protocolos. Somente após o estudo desse retorno aos jogos sem público, eventualmente – e no momento adequado e autorizado pelas autoridades que entendem do assunto – a gente volta com o público. Mas em um primeiro momento é temeroso", classificou.

Até domingo (28), o Brasil tinha registrado 1.344.143 pessoas infectadas e 57.622 mortos por Covid-19, segundo a atualização divulgada pelo Ministério da Saúde.

(Edição: Bernardo Barbosa)