Dinamarca adere ao boicote diplomático às Olimpíadas de Inverno de Pequim

Holanda anunciou que também não enviará representantes do governo, mas devido às restrições contra a Covid-19

Logo da Olimpíada de Inverno Pequim 2022 na vila dos atletas
Logo da Olimpíada de Inverno Pequim 2022 na vila dos atletas 19/11/2021 REUTERS/Thomas Peter

Tiago Tortellada CNN*

Ouvir notícia

A Holanda e a Dinamarca informaram que não vão enviar representantes governamentais aos Jogos Olimpícos de Inverno de Pequim, conforme comunicados divulgados nesta sexta-feira (14).

O ministro das Relações Exteriores da Dinamarca, Jeppe Kofod, afirmou que o país aderiu ao boicote diplomático iniciado pelos Estados Unidos devido à “preocupação com a situação dos direitos humanos na China“.

Um porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Holanda, por sua vez, afirmou que a decisão do país se deve às restrições contra a Covid-19.

Assim, também haveria “oportunidades limitadas” para conversas bilaterais com a China sobre a questão dos direitos humanos.

O movimento destes dois países acontece após os Estados Unidos anunciarem um boicote diplomático às Olimpíadas de Inverno de Pequim, que também teve adesão de Austrália, Canadá, Japão e Reino Unido. Os atletas destes países ainda podem participar da competição.

Após o anúncio dos EUA sobre o boicote, o Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou que respeitava a decisão do país.

Também no início deste ano, a Coreia do Norte informou que não participará das Olimpíadas de Inverno de Pequim, culpando “forças hostis” e riscos com a Covid.

Os atletas do país asiático já não estavam aptos a competir, uma vez que a Coreia do Norte foi suspensa do Comitê Olímpico Internacional (COI) até o final de 2022 por não enviar equipe aos Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano passado, devido aos temores com a Covid.

A China nega as acusações de abuso aos direitos humanos e condenou o boicote diplomático.

*com informações da Reuters

Mais Recentes da CNN