Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Xabi Alonso, à CNN: “O Leverkusen não ter vencido a tríplice coroa me fará ser melhor”

    Técnico reflete sobre a temporada histórica do clube alemão, destacando como os desafios e quase conquistas moldam seu desenvolvimento como treinador visionário e resiliente

    Xabi Alonso comemora o título do Bayer Leverkusen na Copa da Alemanha
    Xabi Alonso comemora o título do Bayer Leverkusen na Copa da Alemanha Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

    Amanda DaviesAleks KlosokMartin Bourkeda CNN Sardenha, Itália

    Na vida, como no futebol, muitas vezes se diz que não é o destino, mas a jornada que importa. Xabi Alonso e o Bayer Leverkusen são um testemunho vivo e pulsante disso. Nesta temporada, eles levaram seus fãs a uma jornada com a qual só poderiam ter sonhado.

    Uma temporada que desafiou todas as expectativas, reescreveu os livros de história e estabeleceu novos padrões nunca antes vistos no jogo europeu moderno.

    Uma temporada doméstica sem derrotas sem precedentes e dois troféus levaram a uma reformulação completa da marca do desprezado “Neverkusen” para o aclamado ‘Neverlusen”.

    “Com certeza, tem sido uma grande jornada […] Muito desafiadora, muito exigente”, Alonso disse à CNN, na edição inaugural do Globe Soccer Awards Europe Edition, na Sardenha, Itália.

    Durante as primeiras semanas da competição, eu tive uma boa sensação de que poderíamos fazer uma boa temporada. Com certeza, eu não estava tão otimista de que poderíamos lutar até a última semana, mas que poderíamos ter uma boa temporada? Sim

    Xabi Alonso, técnico do Bayer Leverkusen

    Fundamentos para o sucesso no Leverkusen

    Antes de sua chegada à BayArena, em outubro de 2022, Alonso havia treinado a equipe sub-14 do Real Madrid e o time B da Real Sociedad.

    Ele diz que foi na Sociedad onde ele compreendeu a importância do desenvolvimento de jogadores, compartilhamento de conhecimento e adaptabilidade tática; princípios que ele esperava incutir em sua equipe do Leverkusen.

    Voltar às raízes, voltar a trabalhar com os jovens jogadores (no Real Sociedad) me deu essa visão de que não é sempre a elite, elite onde eu havia jogado, mas voltar alguns níveis atrás e tentar falar no nível deles. Isso me ajudou muito a me desenvolver como treinador, como gestor, e eu não quero esquecer isso

    Xabi Alonso

    O espanhol se juntou a um time que estava em penúltimo lugar na Bundesliga, desesperado por novas ideias e uma visão clara para ascender.

    Combinação de talentos

    Uma janela de transferências estrategicamente planejada no último verão, junto com o desejo de Alonso de se concentrar no desenvolvimento de talentos, foi fundamental para estabelecer a base para uma reviravolta notável na sorte do clube.

    Trazer experiência e astúcia na forma do meio-campista Granit Xhaka, aproveitar as habilidades explosivas do lateral Álex Grimaldo e liberar a capacidade de finalização letal do atacante Victor Boniface, combinados com o talento existente do magistral meio-campo Florian Wirtz e do lateral Jeremie Frimpong, criou uma mistura de garra e dinamismo que carregaria o time em três competições nesta temporada.

    Torcedores do Bayer Leverkusen invadiram o gramado para celebrar o título alemão
    Torcedores do Bayer Leverkusen invadiram o gramado para celebrar o título alemão / Twitter/Bayer Leverkusen

    “No ano passado, foi um ano difícil para o clube […] Quando cheguei, a segunda parte da temporada foi melhor. Tentamos voltar [para] onde achávamos que podíamos chegar. O objetivo [deste ano] era chegar à Champions League”, disse ele.

    “A conversa não era tanto sobre a invencibilidade”

    Como se viu, a Champions League seria o mínimo do que eles conseguiriam. Semana após semana, o Leverkusen continuou avançando na Bundesliga.

    Vitórias contundentes sobre um Bayern de Munique inconsistente — vencedor dos últimos 11 títulos da liga —, uma propensão por vitórias de última hora e demolições de todos os outros times que cruzavam seu caminho deram uma crença crescente no que antes era apenas um sonho: uma temporada invicta.

    Preferimos pensar em objetivos curtos do que a longo prazo”]No time, (a conversa) não era tanto sobre a invencibilidade, era mais sobre os números espetaculares que estávamos alcançando. (De) toda a mídia, há essa empolgação do que está acontecendo: “Mais um jogo, mais um jogo. 42, 43 e continua”. Então, isso adiciona algum tipo de pressão […] Preferimos pensar em objetivos curtos do que a longo prazo

    ”Xabi

    Desde a vitória na Copa da Alemanha em 1993, o Leverkusen tinha uma propensão para cair no último obstáculo — seja terminando como vice-campeão na liga alemã várias vezes ou em torneios europeus, o revés mais famoso sendo o para o Real Madrid na final da Champions League de 2002.

    Título inédito da Bundesliga

    Mas não este ano: depois de 29 jogos invictos na liga, a seca de troféus de 31 anos acabou e o primeiro título da Bundesliga do clube foi conquistado de forma dominante.

    Xabi Alonso, técnico do Bayer Leverkusen, durante a derrota da equipe na final da Europa League
    Xabi Alonso, técnico do Bayer Leverkusen, durante a derrota da equipe na final da Europa League / Julian Finney/Getty Images

    A vitória contra o Augsburg no último dia da temporada completou uma temporada de liga invicta nunca antes vista na Alemanha e estendeu a sequência invicta geral para 51 jogos, superando o recorde anterior de 48 jogos estabelecido pelo Benfica entre 1963-65.

    “Estamos realmente orgulhosos disso. Precisamos de algum tempo para refletir, lidar com isso, observar, analisar adequadamente. Mas, para o futuro, acho que alguns dos princípios que mantivemos serão realmente significativos”.

    Dor da perda da tríplice coroa

    No entanto, houve pouco tempo para se deleitar com a glória de um título inédito para Alonso. Uma tentadora tríplice coroa ainda estava em jogo com duas finais definidoras em um período de quatro dias.

    Primeiro, Atalanta na Europa League, seguido pelo Kaiserslautern na Copa da Alemanha. O Leverkusen poderia se tornar apenas o segundo time alemão na história a completar uma tríplice coroa depois do Bayern de Munique?

    Infelizmente, a temporada perfeita não era para ser agora. A histórica sequência do Leverkusen chegou a um final dramático na Europa League, quando o hat-trick de Ademola Lookman deu aos italianos seu segundo grande troféu na história de 116 anos do clube.

    Redenção na Copa

    A redenção, porém, viria alguns dias depois, com o gol de Granit Xhaka e Alonso e sua equipe completando uma dobradinha doméstica. Tão perto, mas tão longe da eternidade.

    Time do Bayer Leverkusen posa para foto oficial em campo / Reprodução/X/Bayer Leverkusen

    “É futebol. A exceção foram os 52 jogos que fizemos. Lidar com a derrota faz parte do nosso trabalho. Não é a primeira vez, [e] não será a última vez”, disse um reflexivo Alonso.

    Tenho a intuição de que aquele jogo (contra a Atalanta) me tornará um treinador melhor, um gestor melhor do que se tivéssemos vencido a tríplice coroa. Com certeza, esses jogos você não esquece, e pode usar isso para o futuro. No momento, dói. Dói muito, mas tenho a sensação de que será mais útil para o meu desenvolvimento do que vencer a tríplice coroa

    Xabi Alonso

    Vantagem competitiva

    Talvez o maior feito alcançado por Alonso, Leverkusen e a Bundesliga como um todo nessa temporada tenha sido lembrar ao mundo do futebol a qualidade e a competitividade da liga.

    Borussia Dortmund e Bayern de Munique chegaram à final e às semifinais da Champions League, além das façanhas surpreendentes do Leverkusen.

    “Liga de fazendeiros?”

    Ridicularizada em alguns setores como uma “liga de fazendeiros” por falta de aparente poder estelar e marketing, Alonso acredita que as performances dos clubes alemães nos palcos doméstico e europeu nesta temporada dão à Bundesliga uma plataforma para atrair um público global cativo e, mais uma vez, desafiar, senão superar, seus concorrentes europeus.

    “Sempre houve esse orgulho [no futebol alemão]”, disse Alonso. “A liga é tão competitiva. Sabemos disso. Eu sei muito bem porque tenho que trabalhar semanalmente nisso!”.

    Projeção mundial à Bundesliga

    “Para toda a Europa ou mesmo para o mundo todo ver como os times são bons, como os jogadores são bons … é realmente, realmente importante. Acho que precisamos impulsionar a Bundesliga para ter essa projeção, não alemã, [mas] mundial”, disse.

    “Esse será o nosso maior impulso para a liga se formos capazes de ser conhecidos mundialmente [como] La Liga, como a Premier League … para não ficarmos para trás”, completou Alonso.

    Bayer Leverkusen é o líder de seu grupo na Europa League
    Xabi Alonso aconselha jogador em jogo do Bayer Leverkusen, líder de seu grupo na Europa League / Twitter/Bayer Leverkusen

    Então, como ele acredita que a liga pode alcançar esse objetivo? “Performando, chegando às finais, jogando bom futebol, ajudando jogadores espetaculares que têm impacto nos jovens em Leverkusen, em Dortmund, mas também em San Francisco ou em Delhi”, ele explica.

    “Temos Florian Wirtz. Temos [Jeremie] Frimpong. Temos esses jovens que têm um impacto muito bom nessas crianças que temos agora”.

    Xabi Alonso foi sondado pelo Liverpool?

    Não é surpresa que a ascensão rápida do espanhol no futebol e suas conquistas nesta temporada tenham atraído muitos pretendentes. Durante a temporada, o jovem treinador de 42 anos foi ligado às vagas de técnico em duas de suas ex-equipes — Bayern de Munique e Liverpool — cargos que agora foram preenchidos por Vincent Kompany e Arne Slot, respectivamente.

    Ainda assim, Alonso considerou o cargo no Liverpool após o anúncio de Jürgen Klopp em janeiro de que ele deixaria o cargo no final da temporada?

    “Todas essas decisões precisam ser cuidadosas. Você precisa realmente pensar nelas. E foi mais sobre o que eu tinha, não o que estou perdendo”, explicou ele. “Com certeza, meu vínculo com o Liverpool está lá e ainda está lá. Então não há nenhum tipo de problema com isso”.

    Perguntado se ele havia conversado com o clube de Merseyside, Alonso respondeu: “Isso fica nos bastidores”.

    Quanto tempo essas cortinas ficarão fechadas, resta ser visto.

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original