Eleições nos EUA: os 6 principais momentos do 1º debate entre Biden e Trump

Ao longo de todo o evento, o presidente interrompeu o rival e o moderador Chris Wallace

Eric Bradner e Kevin Liptak, da CNN
30 de setembro de 2020 às 10:41
O republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden durante 1º debate presidencial nos EUA
Foto: Reprodução - 29.set.2020 / CNN

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o seu rival democrata na corrida presidencial, Joe Biden, transformaram o debate em um verdadeiro desastre

Trump atacou e ofuscou o oponente ao longo dos 90 minutos, sem intervalos comerciais, do evento, interrompendo Biden e o moderador Chris Wallace a todo momento. O jornalista da Fox News tentava recuperar o controle do debate, mas não conseguia. 

Confira abaixo os seis principais momentos da noite.

Assista e leia também:
Eleições nos EUA: melhores e piores momentos do 1º debate entre Trump e Biden
Biden venceu 1º debate contra Trump para 60%, diz pesquisa
Com momentos hostis, Trump e Biden repetem ataques em 1º debate; veja íntegra

Trump não condenou supremacistas brancos

Diversas vezes Biden chamou Trump de racista. Durante um determinado momento, no qual o foco era protestos, violência e polícia, Trump tentou ligar Biden às manifestações contra violência policial e as mortes de George Floyd, Breonna Taylor e outras vítimas, mesmo com o democrata condenando atos violentos. 

O presidente disse ainda que as periferias dos EUA vão “desaparecer” se Biden for eleito. “Ele não conheceria uma periferia a menos que errasse o caminho”, respondeu Biden, acrescentando que a gestão de Trump com relação à crise de Covid-19 e às mudanças climáticas prejudicaram ainda mais as áreas mais carentes.

O bloco terminou com Trump meio que se recusando a condenar supremacistas brancos quando pressionado a fazê-lo por Wallace e Biden, momento em que foi mencionada a manifestação em Charlottesville, Virgínia, em 2017. “Recuem e fiquem na sua”, disse ele, dirigindo-se ao grupo supremacista Proud Boys.

Eleições

Em meio a uma campanha de desinformação e mentiras ditas sobre a votação pelo correio, Trump fracassou em responder a única pergunta feita a ele sobre o assunto: se iria encorajar seus apoiadores a serem pacíficos caso os resultados das eleições não sejam claros.

“Estou encorajando meus apoiadores a irem às urnas e prestarem atenção”, afirmou ele. O presidente ainda voltou a dizer que não vai aceitar o resultado dependendo das circunstâncias. “Se eu vir milhares de urnas sendo manipuladas, não poderei aceitar.”

Covid-19 foi esquecida

Se Trump tem uma estratégia especial para os últimos dias de campanha é desviar a atenção da pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo. Para muitos eleitores, a crise causada pela doença é mal administrada pelo presidente. 

E se o objetivo do republicano era esconder os números do país sobre isso, teve certo sucesso. Apesar das tentativas de Biden de colocar o assunto em discussão, o debate acabou contando com alguns poucos argumentos, mas não se centrou nisso. 

Trump disse que o processo de desenvolvimento da vacina é algo político e zombou de Biden por usar máscara. Em vez de defender suas próprias ações, o mandatário se preocupou em alegar que o democrata na presidência teria feito pior.

Suprema Corte

Sobre o Capitólio, o assunto dominante foi a indicação de Amy Coney Barrett, feita por Trump, para ocupar a vaga deixada na Suprema Corte por Ruth Bader Ginsburg.

Mas embora o debate tenha sido aberto com perguntas sobre a Corte, os detalhes se perderam em meio ao caos que a discussão virou, com Trump interrompendo as perguntas feitas por Biden e Wallace lutando para fazer a mediação.

‘Palhaço’

Biden respondeu várias vezes às interrupções de Trump com viradas de olhos, movimento de negação com a cabeça e comentários como “por favor, homem”. Ele nunca perdeu a paciência, mas deixou claro o que acha do presidente. 

O primeiro exemplo disso aconteceu aos 18 minutos do debate, quando Biden respondeu a uma série de interrupções de Trump dizendo: “Você quer calar a boca, homem?”. “Você é o pior presidente que os EUA já tiveram. Por favor”, afirmou o democrata em meio a discussões sobre impostos e economia. “É difícil falar com este palhaço.”

Questões de família

Demorou 45 minutos para Trump mencionar a família de Biden. O republicano e seus aliados repetidamente fazem comentários infundados alegando que o ex-vice-presidente e seu filho Hunter Biden agiram de forma corrupta com relação a assuntos ligados à Ucrânia.

Alguns democratas estavam curiosos para saber como Biden responderia a isso, e se perderia a paciência. Porém, em vez disso, ele parecia preparado e falou diretamente para a câmera, alegando que seu filho agiu de forma errada ao fazer parte do conselho de uma empresa de energia ucraniana, quando Biden era vice.

“Não se trata da minha família ou da família dele, trata-se da sua família, o povo norte-americano”, declarou Biden. “Ele não quer falar sobre o que vocês precisam.”

Mas Trump continuou retomando o assunto. Em vez de responder às perguntas sobre a visão que tem do Exército, ele voltou a falar em Hunter Biden, incluindo seu vício em drogas. Neste momento, Joe Biden se virou para a câmera novamente: “Meu filho teve um problema com drogas, mas o superou e estou orgulhoso dele”.

O momento foi particularmente poderoso e pode ajudar o democrata a ganhar o voto de milhões de norte-americanos cujas famílias enfrentam o vício em drogas e álcool.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)