Pence se prepara para debate, apesar da pequena chance de mudar disputa nos EUA

Espectadores devem esperar 'abordagem comedida e alinhada para responder às perguntas', diz ex-assessor do vice-presidente norte-americano

Betsy Klein, da CNN
07 de outubro de 2020 às 11:41 | Atualizado 08 de outubro de 2020 às 00:58

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, está pronto para enfrentar a senadora Kamala Harris no debate dos candidatos a vice-presidência nesta quarta-feira (7) em Salt Lake City, pouco mais de uma semana depois de o presidente Donald Trump enfrentar o ex-vice-presidente Joe Biden no 1º debate presidencial.

Nos dias seguintes a primeiro debate presidencial, o governo norte-americano e a nação foram abalados pelo diagnóstico positivo para o novo coronavírus do presidente, sua internação e posterior retorno à Casa Branca.

Há muito se diz que os debates sobre a vice-presidência provavelmente não mudarão significativamente o rumo das eleições, mas com questões em torno da saúde de ambos os candidatos presidenciais em foco, dados os eventos da semana passada, o debate na noite desta quarta-feira dará aos eleitores uma visão mais detalhada da pessoa que estão elegendo para ser o segundo no comando e o papel solene que prometem defender.

“Os dois candidatos estão agora com muitas questões de saúde, o que torna o debate dos vices este ano ainda mais importante. No vice-presidente, os eleitores buscam estabilidade e garantias ", disse um ex-assessor de Pence à CNN.

Assista e leia também:
Equipe de Pence muda de ideia e concorda com barreira entre candidatos em debate
CNN vai transmitir debate entre candidatos a vice-presidente dos EUA no dia 7
Eleições nos EUA: Confira a agenda de debates dos candidatos a presidente e vice

O ex-assessor acrescentou: “A corrida à vice-presidência não tem necessariamente um grande impacto na contagem final, mas é algo que os eleitores estão considerando muito quando têm de votar em um dos dois candidatos que estão na casa dos 70 anos”.

Pence, que viajou para vários estados para eventos de campanha internos e ao ar livre e participou de vários eventos e reuniões da Casa Branca nas últimas semanas, teve todos seus testes para o coronavírus negativos, de acordo com sua equipe.

O médico de Pence, Jesse Schonau, disse em um comunicado que o vice-presidente não precisava ser colocado em quarentena porque não era considerado um contato próximo de Trump ou qualquer um dos outros indivíduos com teste positivo. O vice fez testes diários de antígenos e testes de PCR intermitentes e mais precisos.

Assim, acompanhado por sua esposa e filhos, Pence embarcou no Air Force Two para Utah na segunda-feira (5) à tarde.

“O presidente me disse que estava voltando para a Casa Branca. Ele me disse para ir para Utah. E estamos ansiosos para o debate de vice-presidente”, disse Pence, que tirou a máscara para se dirigir à imprensa na Base Aérea de Andrews.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, em Nova York
O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, em Nova York
Foto: Carlo Allegri - 11.set.2020 / Reuters

Não é nada comum

No entanto, apesar do desejo do presidente e do governo de voltar ao normal, a configuração física do debate em Utah não nem nada de comum.

A Comissão de Debates Presidenciais e ambas as campanhas concordaram na sexta-feira (2) em aumentar o espaço entre Pence e Kamala Harris no palco de debate de 2 para 3,5 metros. Ambos os candidatos serão testados para Covid-19 antes do encontro de 90 minutos. Os organizadores do debate estão exigindo que qualquer pessoa na sala, exceto os candidatos e o moderador, usem máscaras faciais. Não haverá aperto de mão ou saudação física, de acordo com a comissão, e Pence e Harris serão separados por uma barreira de acrílico, um tópico de muitas idas e vindas na terça-feira (6).

Depois que a comissão anunciou que os candidatos seriam separados por acrílico transparente, os principais assessores da Pence disseram que o vice-presidente não queria ou precisava de uma barreira ao seu redor.

“Se a senadora Harris deseja usar uma fortaleza ao seu redor, que faça isso”, afirmou a diretora de comunicações da Pence, Katie Miller – assessora que, por sinal, expôs repórteres ao coronavírus no início da pandemia, recusando-se a usar máscara.

Mais tarde, a equipe de Pence concordou com uma barreira em torno dele, horas depois do marido de Miller, o assessor sênior de Trump Stephen Miller, ter o diagnóstico de Covid-19. Em seguida, Katie Miller partiu para Salt Lake City.

Assista e leia também:
Debate entre Kamala e Pence deve ter menos atritos, diz cientista político
Kamala Harris enfrenta desafios únicos no debate de vices
No debate dos vices, duas faces diferentes dos EUA
Espaço físico entre Pence e Kamala será ampliado em debate de candidatos a vice

Pence se prepara

Além desses lembretes visuais no palco, Pence, um dos aliados mais leais e constantes de Trump nos últimos quatro anos, provavelmente enfrentará questões difíceis sobre a forma como o governo lidou com a pandemia que matou mais de 210 mil norte-americanos e seu próprio papel à frente da força-tarefa contra o novo coronavírus.

Pence permaneceu a portas fechadas após sua chegada a Salt Lake City na segunda-feira (5), sem eventos públicos na terça-feira, preparando-se para o debate. A única exceção foi uma caminhada em família.

Ele não teve nenhum evento público no fim de semana, enquanto o presidente estava internado no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed. No sábado, substituiu Trump num anúncio sobre a proteção de idosos com a participação de autoridades estaduais. A ex-procuradora-geral da Flórida Pam Bondi, uma aliada do alto escalão do governo que defendeu Trump das acusações de impeachment na Câmara no início deste ano, teria interpretado Kamala Harris durante as sessões de preparação de Pence, de acordo com o portal Axios.

Segundo o ex-assessor de Pence, ele está “meticulosamente dentro da mensagem” e os espectadores devem esperar uma “abordagem comedida e alinhada para responder às perguntas”.

Ao contrário do ruidoso debate presidencial da semana passada, é mais provável que os candidatos continuem focados na política e em contrastes, de acordo com a mesma fonte.

Kamala Harris à esquerda e Mike Pence à direita, com logo 'América Decide'
CNN transmite ao vivo o debate entre Kamala Harris e Mike Pence
Foto: CNN Brasil

Diretor de comunicação da campanha de Trump, Tim Murtaugh enxerga no debate uma “outra oportunidade de expor a agenda radical que a chapa Biden-Harris está trazendo ao se aproximar da extrema esquerda”, uma observação frequente da campanha de Trump contestada por Biden.

Um porta-voz do gabinete da vice-presidência de Pence se recusou a comentar sobre os preparativos para o debate.

O passado é um indicativo

Exatos quatro anos atrás, um Pence comedido enfrentou agressivos golpes e interrupções do candidato democrata à vice-presidência com o senador Tim Kaine, que concentrou seus ataques diretamente em Trump. Foi talvez uma prévia do Pence que o país passou a conhecer: focado e implacavelmente alinhado no seu apoio a Trump.

“Seis vezes nesta noite, eu disse ao governador Pence, não consigo imaginar como o senhor pode defender a posição de seu companheiro de chapa em uma questão ou na próxima – e em todas as seis questões, ele se recusou a defender seu companheiro de chapa”, disse Kaine. “E ainda assim, ele está pedindo a todos que votem em alguém que ele não consegue defender."

Assista e leia também:
Perfil: Mike Pence, um vice ‘cristão, conservador e republicano’ na Casa Branca
Perfil: Kamala, a primeira negra a concorrer por um dos grandes partidos dos EUA

Mas Pence, que muitos dizem ter ambições políticas além de 2020, tem sido um defensor implacável da liderança de Trump nos anos desde aquela noite de debate. Além do fato de Pence vir para o debate de quarta-feira à noite com um histórico de quatro anos, também será diferente, pois seu adversário, desta vez, será uma mulher negra.

“Eu sempre testemunhei o vice-presidente tratar com respeito cada pessoa contra quem ele concorreu e debateu. Acho que você verá isso na quarta-feira”, disse o ex-assessor do Pence.

Com o presidente convalescente e de volta à Casa Branca, as viagens de campanha de Pence devem continuar, com um pequeno sinal que quaisquer protocolos serão alterados para atender às necessidades do momento.

Embora os eventos de Pence sejam menores em escala do que os comícios de campanha de Trump, suas atividades de campanha ainda assim contradizem as recomendações da força-tarefa que ele lidera. Há pouco ou nenhum distanciamento social. Ele usa máscaras, mas de forma inconsistente.

Após o debate de quarta-feira, Pence começará “uma peregrinação por estados-chave”, disse a campanha, incluindo eventos “Fazer a América Grande Novamente!” na quinta-feira em Boulder City, Nevada, e Peoria, Arizona, locais com votação antecipada, e em seu estado natal, Indiana, além de "outros eventos ainda a serem anunciados."

Dan Merica e Jim Acosta, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)