Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Acusação contra Trump agita corrida pela Casa Branca em 2024

    Ex-presidente disse anteriormente que manteria a candidatura mesmo diante de acusações criminais

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump 05/06/2021REUTERS/Jonathan Drake

    John MillerPaula ReidKristen HolmesJeff Zelenyda CNN

    A acusação formal contra o ex-presidente Donald Trump coloca a corrida eleitoral para a Presidência dos Estados Unidos de 2024 em uma nova fase. O republicano prometeu continuar na disputa à Casa Branca mesmo diante de acusações criminais.

    Trump frequentemente chamou as várias investigações de “caça às bruxas”, tentando influenciar a opinião pública sobre elas, lançando-se como vítima do que ele afirmou serem ações políticas lideradas por procuradores democratas.

    O ex-presidente foi acusado formalmente por um grande júri de Manhattan, de acordo com várias fontes familiarizadas com o assunto. É a primeira vez na história dos EUA que um presidente em atividade ou ex-presidente enfrenta tais acusações criminais.

    A promotoria investiga Trump por seu suposto papel em um esquema de pagamento de suborno e encobrimento envolvendo a estrela de cinema adulto Stormy Daniels à época da eleição presidencial de 2016.

    O gabinete do promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, entrará em contato com os advogados de Trump para discutir sua rendição para enfrentar a acusação.

    Essa decisão certamente terá consequências em todo o país, colocando o sistema político dos EUA –que nunca teve um dos seus ex-líderes confrontado com acusações criminais, muito menos enquanto ainda tenta concorrer novamente à presidência – em uma situação jamais enfrentada.

    “Caça às bruxas” e choque

    Logo após ser acusado, Trump divulgou uma nota alegando que se tratava de “perseguição política e interferência eleitoral no mais alto grau na história”.

    “Acredito que essa caças às bruxas vai ricochetear fortemente em Joe Biden [atual presidente dos EUA]”, declarou o ex-presidente.

    “O povo americano percebe exatamente o que os democratas radicais de esquerda estão fazendo aqui. Todo mundo consegue ver isso. Assim, o nosso movimento, e o nosso partido – unido e forte – derrotarão Alvin Bragg, e depois derrotaremos Joe Biden, e vamos tirar  todos os últimos democratas desonestos de seus cargos para que possamos TORNAR A AMÉRICA GRANDE NOVAMENTE!”, completou.

    Como a aproximação da acusação, Trump pediu aos seus apoiadores para protestarem contra sua eventual prisão, ecoando os apelos à ação após as eleições de 2020, quando ele tentou reverter sua derrota para o presidente Joe Biden.

    Advogada de Trump, Alina Habba declarou em um comunicado que Trump “é vítima de uma versão corrupta e distorcida do sistema de justiça e da história norte-americanos. Ele terá justiça”.

    Entretanto, o ex-presidente foi pego desprevenido pela decisão do grande júri de acusá-lo formalmente, de acordo com uma pessoa que falou com Trump enquanto se preparava para que a acusação acontecesse na semana passada. O político achava que isso poderia levar semanas – ou mais.

    “Será que isso é um choque hoje? É claro que sim”, pontuou a fonte, falando sob a condição de anonimato.

    Republicanos defendem Trump

    Os republicanos do Congresso rapidamente se reuniram para defender Donald Trump, atacando o promotor Alvin Bragg no Twitter e acusando o promotor distrital de Manhattan de uma caça às bruxas política.

    “Ultrajante”, escreveu o presidente do Comitê do Judiciário da Câmara, Jim Jordan, de Ohio, um dos presidentes do comitê republicano que exigiu que Bragg testemunhasse perante o Congresso a respeito da investigação contra o ex-presidente.

    O senador Ted Cruz, republicano do Texas, chamou a acusação de “completamente sem precedentes” e classificou ela como “uma escalada catastrófica em usar o sistema de justiça como arma”.

    Mas pelo menos um republicano moderado disse à CNN que confiava no sistema legal.

    “Eu acredito no Estado de Direito. Acho que temos pesos e contrapesos e confio no sistema”, afirmou o deputado Don Bacon, do Nebraska.

    “Temos um juiz. Temos jurados. Há apelações. Então, creio que, no final, a justiça será feita. Se ele é culpado, isso vai aparecer. Mas, se não é, isso também será mostrado”, complementou Bacon à CNN.

    Andamento das investigações

    O gabinete do promotor Bragg sinalizou no início de março que estava perto de fazer acusações contra Trump depois de convidar o ex-presidente a testemunhar perante o grande júri que investiga o suposto esquema de suborno.

    Os potenciais réus em Nova York são obrigados por lei a serem notificados e convidados a comparecer perante um grande júri quando há acusações sendo avaliadas. Mas Trump acabou se recusando a enfrentar o júri.

    A longa investigação começou com o antecessor de Bragg, Cy Vance, quando Trump ainda era presidente. Ela se refere a um pagamento de US$ 130 mil feito pelo então advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, à atriz Stormy Daniels no final de outubro de 2016, dias antes da eleição presidencial daquele ano, para silenciá-la e evitar que ela revelasse um suposto caso com o republicano uma década antes — o que Trump nega.

    A investigação está centrada no pagamento feito a Daniels e o reembolso da Trump Organization ao advogado Cohen.

    De acordo com os processos judiciais na acusação federal de Cohen, os executivos da Trump Organization autorizaram pagamentos para ele totalizando US$ 420 mil para cobrir seu pagamento original de US$ 130 mil, somado com obrigações fiscais e um bônus de recompensa.

    A Trump Organization anotou os reembolsos como uma despesa legal em seus livros contábeis. Trump negou saber do pagamento.

    Problemas com a Justiça

    Há tempos, Trump vem evitando consequências legais de atos nas esferas pessoal, profissional e política de sua vida. Ele resolveu com acordos uma série de processos civis privados ao longo dos anos e pagou pelo fim de disputas relacionadas à Trump Organization.

    Como presidente, sofreu dois impeachments na Câmara, liderada por democratas, mas evitou a condenação pelo Senado.

    Em dezembro, a Trump Organization foi condenada em múltiplas acusações de fraude fiscal, embora o próprio Trump não tenha sido acusado nesse caso.

    Os aliados republicanos de Trump –bem como os seus rivais do mesmo partido para a corrida de 2024– criticaram a promotoria do distrito de Manhattan, e o presidente da Câmara, Kevin McCarthy, prometeu abrir uma investigação sobre o assunto.