Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Altos funcionários dos EUA e da China realizam reunião de alto risco em Roma

    No ano em que Xi Jinping busca garantir seu terceiro mandato, governo chinês será cauteloso em se envolver em sanções ocidentais, o que poderia ser um golpe para sua economia

    Bandeiras dos EUA e da China em Xangai, China
    Bandeiras dos EUA e da China em Xangai, China 30/07/2019. REUTERS/Aly Song

    Simone McCarthyJeremy Herbda CNN

    Ouvir notícia

    O conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, encontrou-se nesta segunda-feira com o principal diplomata chinês Yang Jiechi em Roma, de acordo com a emissora estatal chinesa CGTN. A reportagem não forneceu mais detalhes sobre a reunião, incluindo o momento exato, o que foi discutido e se a reunião foi concluída.

    Especialistas dizem que o encontro entre altos funcionários americanos e chineses pode ter consequências de longo alcance, não apenas para a guerra em andamento na Ucrânia, mas para o papel da China no mundo e seu relacionamento com o Ocidente.

    A reunião também assumiu uma urgência adicional à medida que crescem as preocupações ocidentais de que Pequim não apenas esteja do lado da Rússia ao não condenar sua agressão na Ucrânia, mas possa tomar outras medidas para ajudar seu parceiro estratégico.

    Um alto funcionário dos EUA disse à CNN no domingo que Moscou pediu ajuda militar a Pequim na Ucrânia, incluindo drones. Essa ajuda, ao mesmo tempo em que proporciona um impulso significativo à Rússia, representaria um enorme risco para a China, que até agora procurou se posicionar como um ator neutro no conflito.

    A China negou que tenha sido solicitada pela Rússia equipamento militar ou outra assistência para apoiar sua guerra na Ucrânia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, também refutou as alegações de que a Rússia pediu ajuda militar para a China.

    Apontando para esses relatos de ajuda militar chinesa à Rússia, Richard N. Haass, presidente do Conselho de Relações Exteriores dos EUA, disse que tal escolha seria um “momento decisivo” para a China e o século 21.

    “Fazer isso significa que a China se abriria a sanções substanciais e se tornaria um pária; recusar manteria aberta a possibilidade de pelo menos uma cooperação seletiva com os EUA e o Ocidente”, disse Haass, escrevendo no Twitter.

    A Rússia também pediu apoio econômico à China, segundo uma autoridade americana familiarizada com o assunto. Esse pedido e o de apoio militar ocorreram após a invasão da Ucrânia pela Rússia, disse o funcionário, que se recusou a detalhar a reação chinesa, mas indicou que Pequim havia respondido.

    Sullivan disse à CNN no domingo que os EUA estavam “observando de perto” para ver se a China fornece algum apoio à Rússia. “É uma preocupação nossa. E comunicamos a Pequim que não vamos esperar e permitir que nenhum país compense a Rússia por suas perdas com as sanções econômicas.”

    É improvável que a China arrisque comprometer sua economia em um momento crucial para o líder Xi Jinping, que deve garantir um terceiro mandato histórico no poder durante o 20º Congresso Nacional do Partido Comunista em Pequim neste outono.

    Durante um ano tão importante, o governo chinês será cauteloso em se envolver em sanções ocidentais, o que poderia ser um golpe para sua economia – durante um período em que Pequim já estabeleceu a menor meta oficial de crescimento econômico em três décadas.

    Um grupo de especialistas em China nos EUA pediu na sexta-feira que Washington mantenha a porta aberta para a diplomacia com o país asiático e “impressione Pequim de que seus interesses de longo prazo não serão mais bem sucedidos ao se vincular a um pária” como a Rússia, que tem sido rechaçada pela maior parte do mundo ocidental.

    “Ao usar o alcance diplomático para Pequim os EUA serão capazes de estabelecer as bases para uma pressão mais eficaz contra a China se Xi apoiar mais abertamente a agressão brutal de Putin”, escreveu o grupo, convocado pelo Asia Society’s Center on Relações EUA-China e 21st Century China Center da UC San Diego.

    Quando perguntado se a Rússia pediu ajuda militar à China, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Zhao Lijian na segunda-feira chamou as alegações de “desinformação” propagadas pelos EUA contra a China “com intenções sinistras”.

    “A posição da China sobre a questão da Ucrânia é consistente e clara, e temos desempenhado um papel construtivo na promoção das negociações de paz. pressionar por uma solução diplomática, em vez de agravar ainda mais a situação”, disse Zhao em uma coletiva de imprensa regular.

    Uma reunião chave

    A reunião de segunda-feira entre Yang e Sullivan é vista por ambos os lados como um avanço em direção a uma melhor comunicação apresentada por Xi e o presidente dos EUA, Joe Biden, em sua cúpula no final do ano passado.

    Os dois lados discutirão “esforços contínuos para gerenciar a competição entre nossos dois países”, bem como “o impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia na segurança regional e global”, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Emily Horne, em comunicado no domingo.

    Zhao, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, não mencionou a Rússia ou a Ucrânia em um comunicado sobre a reunião online no domingo, mas observou que os dois lados “trocarão opiniões sobre as relações China-EUA e questões internacionais e regionais de interesse comum”.

    A “questão-chave” da reunião seria implementar o “importante consenso” alcançado por Xi e Biden em sua cúpula virtual, segundo Zhao, acrescentando que os dois lados coordenam a reunião desde o final do ano passado.

    Sullivan e Yang, que é diretor do Escritório da Comissão de Relações Exteriores do Comitê Central do Partido Comunista da China, se reuniram pela última vez em Zurique em outubro para uma reunião anterior à cúpula de vídeo Xi-Biden.

    Essa cúpula foi amplamente vista como uma tentativa de redefinir o tom das relações entre as duas potências globais e se tornou uma oportunidade para ambos os lados expressarem seu interesse em fortalecer a comunicação para melhor gerenciar um relacionamento que tem sido permeado por tensões sobre comércio, tecnologia, e o histórico de direitos humanos da China.

    Mas cerca de quatro meses depois, a invasão da Ucrânia pela Rússia tornou-se uma questão internacional crucial, reforçando a coordenação e a solidariedade entre os EUA e seus aliados e também destacando a abordagem divergente da China.

    A China procurou retratar-se como uma parte neutra, muitas vezes enfatizando que “as preocupações legítimas de segurança de todos os países devem ser abordadas”, mas sua decisão de não concordar com uma série de sanções alavancadas pelos EUA e seus aliados contra a Rússia e sua ampliação de desinformação da Rússia, podem colocá-la em ainda mais desacordo com o Ocidente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN