Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alvos fáceis: Como ataque no leste da Ucrânia mostrou fragilidades no comando russo

    Imagens de geolocalização feitas pela CNN mostram erros táticos básicos do exército russo em área onde ucranianos podem direcionar fortes ataques contra eles

    Militares ucranianos disparam de morteiro na direção de tropas russas na linha de frente perto de Vuhledar
    Militares ucranianos disparam de morteiro na direção de tropas russas na linha de frente perto de Vuhledar 11/02/2023REUTERS/Marko Djurica

    Tim Listerda CNN

    Kiev, Ucrânia

    As cenas são caóticas: tanques russos desviando descontroladamente antes de explodir ou indo direto para campos minados, homens correndo em todas as direções, alguns em chamas, corpos de soldados presos em rastros de tanques.

    Essas cenas foram registradas por drones militares ucranianos nas últimas duas semanas em torno da cidade de Vuhledar, em Donetsk, leste da Ucrânia, onde sucessivos ataques russos falharam. Blogueiros militares russos estão chamando isso de fiasco, ou coisa pior.

    O desastre de Vuhledar sugere falhas crônicas no comando e nas táticas dos russos enquanto eles se preparam para uma ofensiva de primavera. Se replicadas em outros lugares na longa frente militar em Donetsk e Luhansk, tais falhas podem comprometer os planos do Kremlin de tomar mais território.

    Cerca de 20 vídeos geolocalizados pela CNN mostram erros táticos básicos em uma área aberta e plana, onde observadores ucranianos em terrenos mais altos podem direcionar ataques de artilharia e onde campos minados estão piorando as baixas russas.

    Um vídeo mostra um tanque entrando em um campo minado e explodindo, seguido quase inconscientemente por um veículo de combate de infantaria que sofre o mesmo destino. Outros mostram drones ucranianos lançando pequenas cargas explosivas em tanques estáticos em campo aberto – e um cemitério de blindados abandonados.

    Pelo menos duas dúzias de tanques e veículos de infantaria russos foram desativados ou destruídos em questão de dias, segundo os vídeos, divulgados pelos militares ucranianos e analisados pela CNN e especialistas militares. Imagens de satélite mostram padrões intensos de impactos ao longo das linhas de árvores onde os tanques russos tentaram avançar.

    O Ministério da Defesa da Rússia insistiu que o ataque a Vuhledar, onde a 155ª Brigada de Fuzileiros Navais está envolvida de forma proeminente, está indo de acordo com o planejado. Em declarações gravadas para um programa de televisão de domingo, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que “a infantaria de fuzileiros navais está trabalhando como deveria. Agora mesmo. Lutando heroicamente.”

    Mas o líder da autodeclarada República Popular de Donetsk (DPR, na sigla em inglês), apoiada pela Rússia, Denis Pushilin, reconheceu na sexta-feira que a área estava “quente” e disse que “o inimigo continua a transferir reservas em grandes quantidades, e isso retardou a libertação deste assentamento”.

    Vuhledar foi construída para a mina de carvão próxima (o nome se traduz como “presente de carvão”) e fica acima das planícies circundantes. Seus arranha-céus dão aos seus defensores – principalmente o 72º Mecanizado Ucraniano – uma vantagem significativa, bem como uma cobertura subterrânea reforçada.

    O historiador militar Tom Cooper, que estudou a batalha de Vuhledar, a descreve como “uma fortaleza grande e alta no meio de um deserto plano e vazio”.

    Imagens de satélite mostraram crateras deixadas por bombardeios de artilharia pesada ao redor de Vuhledar, na Ucrânia / Maxar Technologies

    A cidade se tornou um eixo central no conflito no leste da Ucrânia. As forças russas tentam tomá-la há três meses. A vitória de Moscou aqui tornaria mais difícil para os ucranianos fechar uma ferrovia próxima que liga Donetsk à Crimeia ocupada pelos russos e permitiria que os russos iniciassem um “gancho” no norte como parte de sua ofensiva prevista para a primavera.

    Um plano anteriormente mal concebido em novembro para tomar Vuhledar levou a pesadas baixas e quase um motim entre os homens da 155ª Brigada de Fuzileiros Navais.

    Os críticos do alto comando militar da Rússia dizem que o manejo da última ofensiva é ainda pior, com um blogueiro militar descrevendo-o como um “desastre vergonhoso”.

    Cooper diz que os russos construíram uma força formidável em torno de Vuhledar, “digamos, um total de cerca de 20 mil soldados, 90 MBTs [tanques de batalha principais], talvez duas vezes mais IFVs [veículos de combate de infantaria] e cerca de 100 peças de artilharia”.

    Mas os ataques lançados na última semana de janeiro foram fatalmente falhos, disse ele. “Eles estavam avançando por uma rota relativamente estreita, o tempo todo à vista de observadores ucranianos postados no topo de prédios altos em Vuhledar, e agora enfrentando cerca de 500 metros de terreno vazio no lado leste da cidade”, escreveu Cooper em seu blog.

    “A artilharia ucraniana não apenas causou pesadas perdas às unidades que avançavam, mas também atingiu sua retaguarda – cortando suas ligações de abastecimento e suas possíveis rotas de retirada”.

    “Apenas idiotas atacam de frente”

    Vários proeminentes blogueiros militares russos têm sido desenfreados em suas críticas à ofensiva de Vuhledar.

    “Eles foram baleados como perus em um campo de tiro”, disse o ex-ministro da Defesa do DPR, Igor Strelkov, que se tornou um crítico ferrenho da campanha.

    Strelkov, também conhecido como Igor Girkin, acrescentou no Telegram que “muitos bons tanques T-72B3/T-80BVM e os melhores paraquedistas e fuzileiros navais foram liquidados”.

    Imagens de satélite mostram padrões intensos de impactos onde as tentativas russas tentaram avançar em Vuhledar / Maxar Technologies

    Em outro post no Telegram, Strelkov escreveu: “Apenas idiotas atacam de frente no mesmo lugar, fortemente fortificado e extremamente inconveniente para os atacantes por muitos meses seguidos”.

    Os blogueiros militares da Rússia têm dezenas e às vezes centenas de milhares de assinantes em seus canais do Telegram. Eles criticaram muito os episódios anteriores da campanha.

    Um deles –Moscow Calling– disse no fim de semana que o movimento de tanques e veículos de combate de infantaria em “colunas delgadas” perto de Vuhledar estava pedindo problemas. Ele alegou que as unidades russas na área carecem de informações porque os comandantes falharam em integrar a coleta de informações nas decisões do campo de batalha.

    Em contraste, ele disse: “Tudo isso foi implementado ou está em processo de implementação pelas forças armadas ucranianas.”

    A Moscow Calling afirmou que os tanques T-72 mais antigos implantados em Vuhledar carecem de atualizações que melhorariam a amplitude de visão do motorista. Isso pode ajudar a explicar vários casos em que os tanques russos pareciam se enredar ou inverter cegamente.

    “Como os tanques cegos e surdos, veículos blindados, com infantaria igualmente cega e surda devem lutar sem colunas? E então como coordenar qualquer ação se não houver comunicação e consciência situacional?” ele escreveu.

    “Se as Forças Armadas Russas tentarem se dispersar, vão atirar umas nas outras, porque não entendem quem está na frente delas”.

    Vários comentaristas russos pediram a demissão do tenente-general Rustam Muradov, comandante do Grupamento de Forças do Leste. Muradov estava no comando em novembro, quando os homens do 155º protestaram que suas táticas haviam causado perdas desastrosas.

    Outro blogueiro disse que as forças russas estão condenadas a repetir seus erros se tais comandantes permanecerem no local.

    Em uma postagem carregada de palavrões, o canal pró-Wagner no Telegram Grey Zone disse sobre Muradov: “Este covarde está deitado no ponto de controle e enviando coluna após coluna até que o comandante de uma das brigadas envolvidas no ataque a Vuhledar esteja morto em a linha de contato.”

    O comandante morto era um coronel das forças especiais, Sergey Polyakov, segundo fontes russas não oficiais.

    Outro blog russo com mais de 500 mil seguidores disse sobre a equipe de Muradov: “Essas pessoas mataram um número significativo de pessoas e equipamentos [em novembro] e não assumiram nenhuma responsabilidade. Depois disso, com a mesma mediocridade, eles começaram a atacar Ugledar [Vuhledar]. A impunidade sempre gera permissividade.”

    Dúvidas sobre treinamento de tropas

    Mas o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW, na sigla em inglês), com sede em Washington, diz que a falta de liderança é apenas parte do problema: as “táticas altamente disfuncionais são muito mais indicativas do fato de que a 155ª Brigada de Infantaria Naval é provavelmente composta por pessoal mobilizado mal treinado do que por um comando ruim”.

    O Ministério da Defesa do Reino Unido informou no domingo que um aumento nas baixas russas em lugares como Vuhledar “provavelmente se deve a uma série de fatores, incluindo falta de pessoal treinado, coordenação e recursos na frente de batalha”.

    Soldados ucranianos perto da linha de frente da guerra com a Rússia em Soledar, na região de Donetsk / 23/01/2023 REUTERS/Oleksandr Ratushniak

    Oficiais militares ucranianos dizem que há uma mistura aleatória de forças russas na área de Vuhledar, incluindo unidades profissionais, a recém-mobilizada milícia da República Popular de Donetsk e infantaria de uma empresa militar privada chamada Patriot, que dizem ser próxima do ministério da defesa russo.

    Os contratempos em torno de Vuhledar não são um bom presságio para uma ofensiva russa mais ampla. O ISW avalia que eles “provavelmente enfraqueceram ainda mais a crença da comunidade ultranacionalista russa de que as forças russas são capazes de lançar uma operação ofensiva decisiva”.

    No entanto, algumas unidades ucranianas estão ficando sem munições à medida que o ritmo das operações russas aumenta.

    “A chave para o sucesso no campo de batalha é o dano de fogo efetivo, que requer uma quantidade adequada de armas e munições”, disse o comandante das forças ucranianas, Valeriy Zaluzhnyi, no sábado.

    Analistas dizem que o desafio para os ucranianos é reabastecer as unidades da linha de frente com projéteis e mísseis antitanque com a rapidez suficiente.

    As forças russas continuam a ter uma vantagem distinta no poder de fogo. No sábado, eles lançaram uma barragem de mísseis termobáricos em Vuhledar, um lembrete de que eles são mais capazes de infligir destruição do que de tomar território.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original