Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após 2.000 dias em prisão russa, ex-fuzileiro naval cobra ação do governo Biden

    Paul Whelan foi preso em Moscou em dezembro de 2018 sob acusação de espionagem

    Paul Whelan, um ex-fuzileiro naval dos EUA acusado de espionagem e preso na Rússia
    Paul Whelan, um ex-fuzileiro naval dos EUA acusado de espionagem e preso na Rússia Kirill Kudryavtsev/AFP/Getty Images

    Jennifer Hanslerda CNN

    Paul Whelan, americano detido na Rússia, completou outro marco sombrio nesta semana, ultrapassando dois mil dias em custódia russa. À CNN, ele disse que “é apenas uma quantidade incrível de tempo” para passar em detenção “por um crime que nunca ocorreu”.

    Whelan cobrou o governo Biden para tomar “ação decisiva” para trazê-lo e ao também detido jornalista americano Evan Gershkovich de volta para casa.

    “Quando você pensa em dois mil dias dias, quanto tempo isso realmente é, quantos anos, quantos meses, é um número incrível”, disse Whelan, que ligou exclusivamente para a CNN na sexta-feira (21) de sua remota colônia penal em Mordóvia, Rússia.

    “Você vai para a universidade para obter um diploma de bacharelado – são quatro anos. Geralmente, você está no ensino médio por três ou quatro anos. Até mesmo pessoas que entram para o exército, servem quatro anos. Então, quando você pensa em cinco anos e meio, é apenas uma quantidade incrível de tempo”, acrescentou ele.

    Paul Whelan, que foi declarado injustamente detido pelo Departamento de Estado dos EUA, foi preso em Moscou em dezembro de 2018 e condenado a 16 anos de prisão em 2020 por acusações de espionagem que negou de forma consistente e veemente.

    Embora ele acredite que o governo dos EUA tenha levado seu caso a sério, o ex-fuzileiro naval disse à CNN que deseja que isso seja levado “mais a sério”.

    “Uma ação decisiva deveria ser tomada”, disse Whelan. “Os EUA precisam sair e fazer alguma coisa – encher a Baía de Guantánamo com funcionários russos, prender espiões russos, fazer algo que faça o Kremlin se sentar e prestar atenção e dizer: ‘Ok, sim, agora está na hora de recuperarmos o Evan e o Paul, e depois queremos de volta o que vocês têm de nós, e daremos isso por encerrado”, descreveu.

    “Até que uma ação decisiva seja tomada, até que haja uma resposta forte a esse tipo de comportamento, eles continuarão agarrando pessoas como Trevor (Reed) e Brittney (Griner) e Evan e outros”, disse ele. Uma série de outros americanos – Gordon Black, Alsu Kurmasheva e Ksenia Karelina – foram presos nos últimos meses, mas não foram designados como detidos injustamente pelo Departamento de Estado dos EUA.

    Whelan disse que estava ciente de que o julgamento de Gershkovich está programado para começar atrás de portas fechadas na cidade russa de Ecaterimburgo na próxima semana. Gershkovich, que foi declarado detido injustamente, também foi acusado de espionagem, o que ele nega.

    Whelan especulou que “pode ser um marco importante em seu caso, assim como no meu”, porque “os russos geralmente querem condenações nesses casos, para poderem reivindicar legitimidade, independentemente dos fatos”.

    “As pessoas aqui não dizem que vão a julgamento. Não dizem que vão procurar justiça. Eles dizem que vão conseguir uma sentença, eles vão ser condenados. E é isso. Não há nenhum sistema de justiça criminal aqui. Não há sistema judicial. É apenas um sistema que o governo tem operado por muitos anos, colocando pessoas na prisão por todos os tipos de acusações duvidosas e eventos duvidosos. E no meu caso, isso é 100% verdade, e tenho certeza que no caso do Evan, é 100% verdade. Mas as pessoas vão a julgamento aqui e são automaticamente culpadas, e então recebem uma sentença, e pronto”, disse ele.

    O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse que o governo dos EUA “continuará trabalhando todos os dias para trazer Evan Gershkovich e Paul Whelan para casa.”

    “É algo que estamos constantemente trabalhando e buscando”, disse ele em uma reunião do Departamento de Estado na semana passada. “Colocamos uma oferta substancial na mesa para garantir a libertação de Evan e Paul Whelan há alguns meses, como dissemos publicamente; continuamos trabalhando para garantir sua libertação. Não falamos sobre os detalhes disso publicamente, como sempre foi o caso, mas é uma das maiores prioridades do Secretário e do Presidente.”

    Um funcionário do Departamento de Estado disse à CNN na sexta-feira (21) que “dois mil dias é muito tempo para Paul permanecer injustamente detido na Rússia”, acrescentando: “nossos corações vão para Paul e sua família, que sentem a dor da separação de uma maneira que muito poucas pessoas experimentaram.”

    Enquanto isso, Whelan permanece detido em um campo de prisão remoto em Mordóvia – cerca de oito horas de distância de Moscou – onde ele faz trabalho manual em uma fábrica de roupas.

    “Tudo é empoeirado e sujo e desagradável. E você faz tudo o que pode apenas para se manter fresco e limpo”, ele descreveu à CNN. “A comida que nos servem é horrível. Nós realmente dependemos de compras pessoais para nos mantermos saudáveis. O atendimento médico é nulo. Não há qualquer atendimento odontológico.”

    “É o pior ambiente que você pode imaginar. Quero dizer, é inacreditável que alguém possa considerar isso direitos humanos. Não é algo com o qual se possa se acostumar”, disse Whelan.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original