Biden diz que qualquer movimento russo na Ucrânia será considerado invasão

Presidente norte-americano afirmou que Rússia "pagará um preço alto" caso haja qualquer violação de fronteira

Presidente Joe Biden disse que Washington está monitorando todos os possíveis cenários do conflito entre Rússia e Ucrânia
Presidente Joe Biden disse que Washington está monitorando todos os possíveis cenários do conflito entre Rússia e Ucrânia REUTERS/Kevin Lamarque

Steve Hollandda Reuters

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quinta-feira (20) que deixou claro ao presidente russo, Vladimir Putin, que qualquer movimento russo na Ucrânia seria considerado uma invasão, após ter sugerido que os aliados estavam divididos sobre como reagir a qualquer “pequena incursão”.

“Fui absolutamente claro com o presidente Putin, ele não entendeu errado. Se qualquer unidade russa montada cruzar a fronteira ucraniana, isso é uma invasão”, disse Biden a repórteres na Casa Branca.

O líder dos EUA disse que tal invasão seria enfrentada por uma “resposta severa e coordenada, uma resposta econômica discutida em detalhes com nossos aliados, conforme estabelecido claramente com o presidente Putin”.

Ele acrescentou: “Mas não há dúvida que se Putin fizer essa escolha, a Rússia pagará um preço alto”.

A Rússia concentrou dezenas de milhares de soldados em suas fronteiras com a Ucrânia, e os países ocidentais temem que Moscou esteja planejando um novo ataque ao país que invadiu em 2014. A Rússia nega essas especulações.

Biden disse que Washington está monitorando todos os possíveis cenários.

“A Rússia tem um longo histórico de usar outras medidas além da ação militar para realizar a agressão. Táticas paramilitares, os chamados ataques de zona cinzenta e ação de soldados russos que não usam uniformes russos.”

O presidente norte-americano também afirmou que outras possíveis ações secretas de Moscou incluem ataques cibernéticos, bem como o que ele classificou como implantação de “homenzinhos verdes de uniforme”.

“Temos que estar prontos para responder a isso também de forma decisiva e unida com a gama de ferramentas à nossa disposição”, acrescentou Biden.

Mais Recentes da CNN