Ucrânia alerta que Rússia já “quase completou” concentração de tropas na fronteira

De acordo com o Ministério de Defesa ucraniano, governo russo já mobilizou mais de 127 mil sodados na região

Tropas russas próximas à fronteira com a Ucrânia
Tropas russas próximas à fronteira com a Ucrânia Reuters

Ami KaufmanEmmet LyonsKylie AtwoodMatthew Chanceda CNN

Ouvir notícia

A Ucrânia alertou que a Rússia “quase completou” seu acúmulo de forças que podem ser usadas para uma ofensiva contra o país, aumentando os temores de que Moscou possa lançar uma invasão a qualquer momento.

De acordo com a última avaliação de inteligência do Ministério da Defesa ucraniano – compartilhada exclusivamente com a CNN – a Rússia já mobilizou mais de 127.000 soldados na região.

“A força total do grupo terrestre RF AF (Forças Armadas da Federação Russa) na direção ucraniana – (é) mais de 106.000 soldados. Juntamente com o componente marítimo e aéreo, o número total de soldados é superior a 127.000 militares”, disse a avaliação.

A avaliação chamou a situação de “difícil” e disse que a Ucrânia acredita que a Rússia está “tentando dividir e enfraquecer a União Europeia e a Otan”. As ações russas também “visam limitar as capacidades dos Estados Unidos“, disse a avaliação, “para garantir a segurança no continente europeu”.

O documento leva em consideração as três rodadas de negociações diplomáticas entre a Rússia e o Ocidente, que não conseguiram produzir diminuir a crise na semana passada.

A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, disse na semana passada que não estava claro se Moscou pretendia usar as negociações como pretexto para alegar que a diplomacia não funciona.

A inteligência militar ucraniana disse que a Rússia enviou tropas de suas regiões central e leste para sua fronteira ocidental “de forma permanente”. Nas últimas semanas, a Rússia moveu “arsenais de munição, hospitais de campanha e serviços de segurança” , o que, segundo a Ucrânia, “confirma a preparação para operações ofensivas”.

A atividade de inteligência da Rússia contra a Ucrânia também se intensificou, segundo a avaliação, com unidades adicionais de tráfego de rádio e satélite sendo implantadas perto da fronteira ucraniana e os voos de reconhecimento ao longo da fronteira triplicaram desde o ano passado.

Os militares ucranianos também disseram que a Rússia poderia usar armas de mísseis de médio alcance para “destruir objetos vitais”, observando que “grupos táticos adicionais de mísseis táticos operacionais ‘Iskander'” foram transferidos para a fronteira. Os mísseis Iskander agora podem atingir áreas como a capital, Kiev.

Nova linha de frente

O documento alertou que uma nova linha de frente em potencial surgiu ao longo de sua fronteira norte com a Bielorrússia, um importante aliado do Kremlin.

“O território da Bielorrússia deve ser considerado como um teatro de operações completo que a Rússia pode usar para expandir a agressão contra a Ucrânia”, informou a inteligência militar ucraniana.

Militares perto do vilarejo de Zolote, área controlada por tropas do leste da Ucrânia apoiadas pela Rússia / Reuters/ Gleb Garanich

Autoridades do Departamento de Estado dos EUA sublinharam essas preocupações nesta terça-feira (18), dizendo que a presença reforçada de tropas russas na Bielorrússia aumentou as capacidades ao longo da fronteira ucraniana e levou a maiores preocupações sobre uma invasão.

“O momento é notável e, claro, levanta preocupações de que a Rússia possa pretender estacionar tropas na Bielorrússia sob o pretexto de exercícios militares conjuntos para potencialmente atacar a Ucrânia pelo norte”, disse uma autoridade do Departamento de Estado.

Inteligência dos EUA avalia que uma invasão russa da Ucrânia pode acontecer a qualquer momento nos próximos meses. “Os planos militares russos para iniciar as atividades semanas antes de uma invasão militar são algo que temos observado de perto e nossa avaliação é de que isso pode acontecer a qualquer momento entre janeiro e fevereiro”, explicou um segundo alto funcionário do Departamento.

Os Estados Unidos estão analisando atentamente se Lukashenko ainda tem as alavancas de controle em seu país – ou se a tomada de decisões foi amplamente passada para a Rússia.

‘Unidos contra Putin’

Nesta terça, o ex-presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, disse à CNN que “o mundo inteiro deve se unir contra Putin” e que a Ucrânia deve ser autorizada a ingressar na Otan.

O bilionário liderou a Ucrânia de 2014 a 2019, assumindo o poder logo após a Rússia invadir e anexar a Crimeia. Ele foi derrotado na eleição presidencial de 2019 pelo atual Volodymyr Zelensky.

“É absolutamente necessário que haja solidariedade e unidade internacional” contra Putin, disse Poroshenko, acrescentando que os aliados ocidentais não devem confiar no líder russo.

Poroshenko também disse que “ninguém sabe, incluindo Putin”, se uma invasão russa realmente acontecerá e muito dependerá da introdução de sanções. Chamando uma possível invasão de “decisão maluca”, ele disse que a comunidade internacional deve “aumentar significativamente o preço que Putin deve pagar” se isso ocorrer.

Quando perguntado se a corrupção endêmica é uma razão pela qual a Ucrânia não foi aceita como membro da Otan, Poroshenko apontou a culpa para seu sucessor, Zelensky, por um “retrocesso” nas reformas da corrupção.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN