Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Deus não apoia a guerra, diz papa em aparente crítica ao patriarca russo

    Fala do pontífice sugere crítica implícita ao patriarca ortodoxo russo Cirilo I, que apoia a invasão da Ucrânia e boicotou uma conferência de líderes religiosos

    Philip Pullellada Reuters

    em Nur-Sultan

    O papa Francisco disse, nesta quarta-feira (14), que Deus não guia as religiões para a guerra, uma crítica implícita ao patriarca ortodoxo russo Cirilo I, que apoia a invasão da Ucrânia e boicotou uma conferência de líderes religiosos.

    Em seu segundo dia no Cazaquistão, Francisco discursou no Sétimo Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais, um encontro que reúne cristãos, judeus, muçulmanos, budistas, hindus e membros de outras religiões.

    Cirilo I deveria ter comparecido, mas desistiu. A Igreja Ortodoxa Russa enviou uma delegação chefiada por seu número dois, o metropolita Anthony, que mais tarde se encontrou brevemente com o papa.

    “Deus é a paz. Ele nos guia sempre no caminho da paz, nunca no da guerra”, disse Francisco, falando em uma enorme mesa redonda no Palácio da Independência, uma estrutura maciça e moderna feita de aço e vidro na capital da antiga república soviética.

    “Vamos nos comprometer, então, ainda mais a insistir na necessidade de resolver os conflitos não pelos meios inconclusivos do poder, com armas e ameaças, mas pelo único meio abençoado pelo céu e digno do homem: encontro, diálogo e negociações pacientes”, disse.

    O pontífice, que no início deste ano disse que Cirilo I não poderia ser o “menino do altar” do presidente russo Vladimir Putin, disse na conferência: “O sagrado nunca deve ser um suporte para o poder, nem o poder um suporte para o sagrado!”.

    Cirilo I deu um apoio entusiástico à invasão da Ucrânia pela Rússia, que o patriarca vê como um baluarte contra um Ocidente que ele chama de decadente.

    Cirilo I
    Presidente russo Vladimir Putin ao lado do líder da Igreja Ortodoxa Russa, Cirilo I / Mikhail Svetlov/Getty Images

    Reunião entre papa e patriarca ainda é possível

    A postura do patriarca causou uma ruptura com o Vaticano e desencadeou uma rebelião interna que levou ao rompimento dos laços de algumas Igrejas Ortodoxas locais com a Igreja Ortodoxa Russa.

    O metropolita Anthony disse à imprensa que seu encontro com o papa foi “muito cordial”, mas disse que o comentário de Francisco sobre Cirilo I “não foi útil para a unidade dos cristãos” e que surpreendeu a Igreja Ortodoxa Russa.

    Anthony disse que o papa lhe disse que queria ter um segundo encontro com Cirilo I. O primeiro foi em Cuba, em 2016.

    Francisco também disse que, embora a violência em nome de Deus nunca seja justificada, os “vírus” do ódio e do terrorismo não serão erradicados sem primeiro eliminar a injustiça e a pobreza.

    Ele disse que a liberdade religiosa é essencial para a coexistência pacífica em qualquer sociedade e nenhum credo tem o direito de coagir outros a se converterem.

    “É hora de perceber que o fundamentalismo contamina e corrompe todos os credos”, disse ele. “Libertemo-nos dessas noções redutivas e destrutivas que ofendem o nome de Deus pela dureza, extremismo e formas de fundamentalismo, e o profanam através do ódio, do fanatismo e do terrorismo, desfigurando também a imagem do homem”.

    Mas apenas condenar o extremismo não foi suficiente.

    “Enquanto a desigualdade e a injustiça continuarem a proliferar, não haverá fim para vírus ainda piores que a Covid: os vírus do ódio, violência e terrorismo”, disse ele.

    Francisco, que escreveu um documento em 2015 sobre a necessidade de proteger o meio ambiente, disse que os líderes religiosos precisam estar na linha de frente para chamar a atenção para os perigos das mudanças climáticas e do clima extremo, particularmente seus efeitos sobre os pobres e vulneráveis ​​da sociedade.

    Cerca de 70% dos cazaques são muçulmanos e cerca de 26% cristãos ortodoxos. Existem apenas cerca de 125 mil católicos entre os 19 milhões de habitantes do vasto país da Ásia Central.

    Francisco rezará uma missa para a pequena comunidade católica na tarde desta quarta-feira.

    (Edição de Michael Perry e Alex Richardson)