EUA e aliados ocidentais chegam à reta final da evacuação do Afeganistão

Mais de 100 mil pessoas já deixaram o país após a queda de Cabul para o Talibã, mas muitos afegãos aliados devem ser deixados para trás

Soldados americanos fazem a segurança da região do Aeroporto de Cabul, no Afeganistão
Soldados americanos fazem a segurança da região do Aeroporto de Cabul, no Afeganistão US Marine Corps/AP

Laura Smith-SparkNick Paton WalshBarbara Starrda CNN

Ouvir notícia

O exército dos Estados Unidos realizou ataques com drones contra o que dizia ser um planejador do Estado Islâmico-K na província de Nangarhar, no Afeganistão, em meio a avisos de possíveis novos ataques terroristas visando o último esforço de retirada dos EUA do país a partir da capital Cabul.

A desesperada missão de transporte aéreo de cidadãos norte-americanos e afegãos que auxiliaram as forças dos Estados Unidos está agora em sua fase final.

O ataque aéreo em Nangarhar veio um dia depois de o presidente americano Joe Biden prometer revidar o ataque terrorista que matou 13 membros do serviço norte-americano e pelo menos 170 outros na quinta-feira (26), na área externa do aeroporto internacional de Cabul.

O Estado Islâmico em Khorasan, conhecido também como Isis-K, alegou que um militante realizou o ataque suicida de quinta-feira em um portão do aeroporto, mas não forneceu nenhuma prova que apoiasse a reivindicação. Autoridades dos EUA disseram que o grupo estava provavelmente por trás do atentado.

Biden teria aprovado o ataque ao planejador, diz um funcionário familiarizado com o assunto.

“As forças militares americanas conduziram uma operação de contraterrorismo contra um planejador do Estado Islâmico-K. O ataque aéreo não tripulado ocorreu na província de Nangarhar, no Afeganistão”, disse o porta-voz do Capitão Bill Urban na sexta-feira (27). “Os primeiros indícios são de que matamos o alvo. Não sabemos de vítimas civis”.

A identidade da pessoa visada no ataque aéreo dos EUA ainda não foi confirmada.

Um oficial da defesa disse à CNN que o alvo do ataque aéreo era considerado “um associado a possíveis ataques futuros no aeroporto”. Os EUA tinham localizado o alvo, e havia “olhos e conhecimentos suficientes” para atacar, disse o oficial. “Ele era um personagem conhecido”. O oficial disse que os EUA não estavam tratando a pessoa como um membro “sênior” do Estado Islâmico-K.

A Embaixada dos EUA em Cabul advertiu novamente os cidadãos americanos em vários portões do Aeroporto Internacional Hamid Karzai para “partir imediatamente”, citando ameaças à segurança. O alerta aconselhou os cidadãos americanos a “evitarem viajar para o aeroporto e evitarem os portões do aeroporto”.

“Não há nada que possam fazer”

Os voos de evacuação podiam ser vistos decolando neste sábado (28), mas não estava claro quantas pessoas estavam sendo autorizadas a entrar no aeroporto.

Uma testemunha anônima disse à CNN que viu membros do Talibã disparando tiros no ar fora do portão de entrada principal do aeroporto de Cabul para dispersar a multidão que se reunira novamente na tentativa de fugir do país.

Uma fonte diretamente familiarizada com a situação no aeroporto disse à CNN que somente uma reduzida equipe diplomática de funcionários americanos permaneceria no país para processar as retiradas após a partida do grupo nas próximas 24 horas.

A fonte disse que alguns indivíduos ou famílias pequenas estavam “sendo puxados através dos portões” neste sábado. Os portões estão fechados há dias. O contingente era pequeno, de famílias reduzidas ou pessoas solteiras, afirmou. Os EUA disseram que eles tinham rotas alternativas para o aeroporto.

A fonte acrescentou que a equipe dos EUA no aeroporto ainda estava “sendo contatada por muitas pessoas tentando entrar, todos afegãos, sejam imigrantes especiais (SIV) ou pessoas sem credenciais. A equipe se sente mal, mas realmente não há nada que eles possam fazer”, acrescentou.

“SIV” se refere ao programa de vistos especiais de imigrantes, estabelecido há mais de uma década, criado para fornecer um caminho para os Estados Unidos para os afegãos que eram empregados ou trabalhavam em nome do governo dos EUA.

A fonte acrescentou que não estava claro se a evacuação dos funcionários da embaixada local havia terminado, mas que centenas de pessoas teriam chegado ao aeroporto e que “centenas a mais partiram para locais provisórios”.

Milhares foram evacuados

Após o ataque de quinta-feira, a equipe de segurança nacional de Biden informou na sexta-feira que “é provável que ocorra outro ataque terrorista em Cabul, mas que eles estão tomando medidas de proteção máxima no aeroporto”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki.

“Os próximos dias desta missão serão os mais perigosos até hoje”, disse Psaki.

Os Estados Unidos e outros países ocidentais têm corrido para retirar seus cidadãos e aliados afegãos antes do prazo de 31 de agosto, depois que o Talibã retomou o controle do país – provocando temores de represálias mortíferas contra qualquer pessoa ligada às forças internacionais.

O Pentágono disse que os EUA estavam “ainda planejando terminar esta missão no final do mês”, representando uma saída final de uma guerra de 20 anos no Afeganistão. O país retirou e facilitou a evacuação de aproximadamente 109.200 pessoas desde 14 de agosto, de acordo com a Casa Branca.

Cerca de 4.200 pessoas foram tiradas de Cabul entre as 3h da manhã da quinta e as 15h da sexta-feira, de acordo com a Casa Branca. As evacuações foram realizadas por 12 voos militares americanos que transportaram aproximadamente 2.100 pessoas e 29 voos de coalizão que retiraram a outra metade.

Aproximadamente 7.500 pessoas haviam sido retiradas de Cabul no mesmo período de 12 horas no dia anterior.

O porta-voz do Departamento de Estado Ned Price disse na sexta-feira que havia “aproximadamente 500 cidadãos americanos que querem sair do país e com quem estamos trabalhando atualmente para facilitar as evacuações”.

Soldados americanos nos arredores do aeroporto de Cabul, no Afeganistão / AP/US Marin Corps

Aliados concluem evacuações

O chefe das forças armadas do Reino Unido, general Nick Carter, disse que o esforço do Reino Unido para evacuar os civis afegãos do país terminaria neste sábado, sendo seguido pela retirada das tropas britânicas restantes.

“Foi o melhor que pudemos fazer nas circunstâncias atuais, mas não fomos capazes de trazer todos e isso foi de partir o coração. Houve alguns julgamentos muito desafiadores que tiveram que ser feitos no local”, disse ele à BBC Radio 4.

O número de afegãos elegíveis para entrar no Reino Unido que foram deixados para trás está na casa das “centenas”, disse ele.

O porta-voz da defesa do Partido Trabalhista da oposição, John Healey, disse à Sky News que apesar de o Reino Unido tirar mais de 14.000 pessoas do país, “há provavelmente 1.000 afegãos que trabalharam conosco durante duas décadas no Afeganistão, ajudaram nossas tropas, nossos trabalhadores humanitários, nossos diplomatas, que prometemos proteger, mas que estamos deixando para trás”.

Healey instou o primeiro-ministro britânico Boris Johnson a intervir para oferecer esperança de resgate aos afegãos que permanecerão no país.

A França anunciou o fim de seus esforços de evacuação na sexta-feira, mas prometeu “estar ao lado do povo afegão” depois de 31 de agosto, em uma declaração divulgada pelo ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, e pela ministra das Forças Armadas, Florence Parly. O país havia retirado cerca de 3.000 pessoas desde 15 de agosto, diz a declaração. Um adicional de 1.500 afegãos que haviam trabalhado para a França foram retirados antes de 15 de agosto, em antecipação à crise atual, acrescentou o comunicado.

O Ministério da Defesa da Itália também disse na sexta-feira que havia concluído suas evacuações militares de cidadãos afegãos para fora de Cabul. O último voo decolou na sexta-feira à noite levando 58 cidadãos afegãos, com o restante dos membros do serviço italiano envolvidos no processo de saída. Desde junho, 5.011 pessoas foram retiradas no total, das quais 4.980 são cidadãos afegãos, incluindo 1.301 mulheres e 1.453 crianças, disse o ministério.

Austrália, Nova Zelândia, Suécia, Bélgica, Holanda, Polônia, Turquia e Espanha disseram que suas missões de evacuação terminaram ou estavam programadas para terminar na sexta-feira.

Enquanto isso, a Organização Mundial da Saúde disse na sexta-feira que estava tentando estabelecer uma ponte aérea para a cidade de Mazar-i-Sharif no norte do Afeganistão nos próximos dias, com a ajuda das autoridades paquistanesas.

*Com informações de Jamie Crawford, Oren Liebermann, Ivana Kottasova, Jeremy Diamond, Kate Sullivan, Kaitlan Collins, Sandi Sidhu, Saskya Vandoorne, Hada Messia and Duarte Mendonca, da CNN

Mais Recentes da CNN