Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “EUA e seus aliados responderão de forma decisiva”, afirma Biden sobre ação russa

    Em declaração divulgada pela Casa Branca, presidente americano disse que "as orações do mundo estão com a Ucrânia"

    Presidente dos EUA, Joe Biden
    Presidente dos EUA, Joe Biden 22/02/2022REUTERS/Kevin Lamarque

    Henrique Andradeda CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    Pouco depois de Vladimir Putin anunciar uma “operação militar especial” na região de Donbas, no leste da Ucrânia, o presidente americano Joe Biden afirmou que “os Estados Unidos, seus aliados e parceiros vão responder de forma unida e decisiva”.

    Em declaração divulgada pela Casa Branca na madrugada desta quinta-feira (24), Biden disse que a “Rússia sozinha é responsável pela morte e destruiçao que esse ataque trará”.

    “As orações do mundo inteiro estão com a Ucrânia nesta noite, que sofre um injustificável ataque por forças militares russas. O presidente Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma perda catastrófica de vidas e sofrimento humano”, declarou o democrata.

    Biden afirmou que seguirá monitorando a situação da Casa Branca durante toda a noite, e receberá qualquer atualização de sua equipe de segurança nacional. O presidente americano se reunirá com os líderes do G7 nesta quinta, antes de anunciar novas medidas contra a Rússia.

    Operação militar russa

    Em discurso, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma “operação militar especial” na região de Donbas, no leste da Ucrânia, controlada por separatistas pró-Rússia, que ele declarou independente nesta semana.

    “Os confrontos entre forças ucranianas e russas é inevitável, é apenas uma questão de tempo”, declarou o líder russo. “As circunstâncias exigem ação decisiva da Rússia. Não podemos tolerar ameaças da Ucrânia”,

    Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

     

    Mais Recentes da CNN