Polícia do Canadá impõe ultimato a manifestantes antivacina

"Queremos que as pessoas saiam pacificamente. Se não for assim, temos planos, estratégias e táticas para retirá-las", disse o chefe interino de segurança

Protestos de caminhoneiros em Ottawa, no Canadá
Protestos de caminhoneiros em Ottawa, no Canadá 14/02/2022REUTERS/Chris Helgren

Travis CaldwellPaula NewtonParadise Afsharda CNN

Ouvir notícia

A polícia de Ottawa, no Canadá, deixou claro que está preparada para encerrar o protesto contra as restrições impostas devido à pandemia, que fechou partes da capital e prejudicou a vida cotidiana dos moradores por quase três semanas.

As autoridades empregarão “técnicas legais” se necessário para remover os manifestantes das ruas, de acordo com o chefe de polícia interino de Ottawa, Steve Bell.

“A ação é iminente”, disse ele. “Nos últimos dias, nos comunicamos diretamente com os manifestantes ilegais. Dissemos a eles que deveriam sair e os alertamos sobre as consequências da desobediência a essas regras”.

A polícia de Ottawa começou a erguer barreiras e cercas em todo o centro da cidade nesta quinta-feira (17), em um esforço para limpar a área de manifestantes, que usaram caminhões para bloquear as estradas da cidade.

A área segura garantiria que aqueles que buscam a entrada por uma “razão ilegal, como participar de um protesto, não possam entrar no centro da cidade”, de acordo com Bell. Com quase 100 postos de controle, o perímetro abrange a maior parte do centro da cidade de Ottawa e é muito maior do que a área de protesto até o momento.

Aqueles que vivem, trabalham ou têm uma razão legal para estar na área terão acesso permitido, disseram as autoridades.

“Temos um plano muito deliberado, que levará tempo, para poder remover completamente qualquer um do grupo”, acrescentou Bell. “Vou dizer de novo, queremos que as pessoas saiam pacificamente. Mas posso dizer que, se não for assim, temos planos, estratégias e táticas”, concluiu.

Dois organizadores do protesto foram presos nesta quinta por causarem danos e obstruções, disse um advogado à CNN. “Tanto Chris Barber quanto Tamara Lich e estão presos”, escreveu Keith Wilson, advogado que representa ambos em questões legais relacionadas ao protestot.

Vídeo postado nas redes sociais mostra Lich interagindo com um policial, sendo algemada e levada para uma viatura policial. A polícia de Ottawa não confirmou as prisões e disse que uma atualização será fornecida nesta sexta-feira (18). A CNN tentou entrar em contato com outros organizadores do protesto, mas não recebeu resposta.

Lich incentivou os manifestantes a se reunirem em Ottawa e recentemente pediu aos apoiadores que continuem a manifestação, apesar da declaração da ilegalidade. Ela criou uma campanha GoFundMe para o “Freedom Convoy”, que arrecadou milhões de dólares antes de ser suspensa pela plataforma.

O comboio chegou pela primeira vez a Ottawa em 29 de janeiro para expressar sua desaprovação de um mandato de exigência de vacina para entrar no país. Ao longo de mais de duas semanas, o protesto se transformou em uma queixa mais ampla contra todas e quaisquer medidas contra a  Covid-19, incluindo o uso de máscaras.

Caminhoneiros e manifestantes protestam contra exigência de vacinação contra Covid-19 em Windsor, no Canadá / 10/02/2022 REUTERS/ Carlos Osorio

Trudeau defende poderes de emergência

Em meio à oposição no Parlamento, o primeiro-ministro Justin Trudeau defendeu sua decisão de invocar poderes de emergência para acabar com as manifestações durante um discurso aos legisladores.

Oposidtores disseram que o objetivo principal de invocar a Lei de Emergências é sufocar o financiamento dos manifestantes em Ottawa.

“Esses bloqueios ilegais estão sendo fortemente apoiados por indivíduos nos Estados Unidos e de outras partes do mundo”, disse Trudeau. “Vemos que aproximadamente metade do financiamento vem dos Estados Unidos. O objetivo de todas as medidas, incluindo as financeiras na Lei de Emergências, é lidar apenas com a ameaça atual e deixar a situação totalmente sob controle”.

A lei, aprovada em 1988 e nunca utilizada antes, pode suspender temporariamente os direitos dos cidadãos à livre circulação ou reunião. Também pode prever o uso dos militares, mas Trudeau disse que isso não será necessário.

“Fizemos isso para proteger famílias e pequenas empresas. Para proteger empregos e a economia. Fizemos isso porque a situação não poderia ser tratada sob nenhuma outra lei no Canadá”, disse Trudeau. “Para o bem de todos os canadenses, os bloqueios e ocupações ilegais devem parar e as fronteiras devem permanecer abertas”.

Os bloqueios de passagem de fronteira em Alberta e Ontário chegaram ao fim nesta semana, com prisões sendo feitas enquanto a polícia limpava as áreas. Quatro indivíduos foram acusados ​​de conspiração para cometer assassinato no bloqueio em Coutts, Alberta, e várias armas e munições foram apreendidas.

Candice Bergen, líder interina do Partido Conservador, disse na quarta-feira (16) que o partido não apoiará uma moção do governo federal para utilizar plenamente esses poderes, de acordo com a CTV, parceira da CNN.

“Ele não passa pelas etapas um, dois, três – ele vai direto para 100 e invoca a Lei de Emergências”, disse Bergen à CTV News. “Eu não acho que nada do que veremos vai mudar nossa mente, vamos nos opor a isso”.

O governo deve propor uma moção na Câmara e no Senado explicando por que as autoridades federais precisam dos poderes e especificando quais ações serão tomadas, de acordo com a CTV. O governo federal trabalhará com os primeiros-ministros em todo o país “até que a situação seja resolvida”, disse Trudeau.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN