Principal general dos EUA diz que o teste hipersônico da China é “muito preocupante”

Este foi o primeiro reconhecimento oficial do teste vindo do Pentágono, que até agora havia se recusado a comentar

O teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear aquece discussão sobre agenda do presidente dos EUA, Joe Biden, para reduzir arsenal nuclear norte-americano
O teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear aquece discussão sobre agenda do presidente dos EUA, Joe Biden, para reduzir arsenal nuclear norte-americano Getty Images

Oren LiebermannEllie Kaufmanda CNN

Ouvir notícia

O principal general dos Estados Unidos, Mark Milley, afirmou que o teste da China com uma arma hipersônica durante o verão foi “muito preocupante” e que “tem toda a atenção” norte-americana.

Chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, Milley disse à Bloomberg Television que não chegou a chamar o teste de “momento Sputnik”, mas reconhece que “está muito próximo disso”.

Ele chamou o teste da arma de “um evento tecnológico muito significativo” que é apenas um dos elementos entre os potenciais militares da China.

Este foi o primeiro reconhecimento oficial do teste vindo do Pentágono, que até agora havia se recusado a comentar.

“As capacidades militares chinesas são muito maiores do que esse teste isolado”, disse Milley. “Eles estão se expandindo rapidamente no espaço, na cibernética e depois nos domínios tradicionais da terra, do mar e do ar.”

“A China é muito significativa em nosso horizonte”, acrescentou.

No início deste mês, o Financial Times relatou sobre um teste chinês de um veículo planador hipersônico lançado a partir de um foguete em órbita baixa da Terra, que poderia teoricamente ser capaz de escapar dos sistemas de defesa antimísseis dos EUA. A velocidade com que os chineses desenvolveram o sistema surpreendeu as autoridades de segurança nacional dos Estados Unidos.

Quando questionado sobre o relatório do Financial Times, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que o teste de agosto foi “uma espaçonave, não um míssil”.

“Este teste foi um experimento rotineiro de espaçonaves para verificar a tecnologia reutilizável de espaçonaves, o que é de grande importância para reduzir os custos. Ele pode fornecer uma maneira conveniente e barata para os humanos usarem o espaço pacificamente. Muitas empresas no mundo o fizeram realizaram experimentos semelhantes “, disse Zhao.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, enfatizou repetidamente que a China é o desafio de ritmo para o Pentágono enquanto Pequim corre para modernizar suas forças armadas.

E na semana passada, o diretor da CIA Bill Burns disse que a China é a maior ameaça tecnológica para os Estados Unidos.

“Acho que em termos de ampla capacidade, em toda a gama de tecnologias emergentes, acho que a China provavelmente hoje é”, disse Burns, falando na Universidade de Stanford.

Na quarta-feira, o secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, não quis comentar mais sobre o teste.

“Não acho que seja bom para nós caracterizar e colocar um rótulo nisso, nesse avanço de capacidades”, disse Kirby durante uma coletiva de imprensa no Pentágono na quarta-feira (27).

Ele ainda afirmou que o departamento tem sido “claro” sobre suas preocupações em relação aos avanços da China em “certas capacidades”.

“Temos sido muito claros sobre nossas preocupações sobre os avanços da China, uma ampla gama de capacidades que o próprio secretário observou fazerem muito pouco para ajudar a diminuir as tensões na região. Além disso, estão associadas a essas as habilidades militares avançadas, combinadas com uma abordagem de política externa e de defesa que usa a intimidação e coerção de nações vizinhas para ceder aos interesses da China “, disse Kirby.

Para ele, o teste do míssil hipersônico é de um “conjunto de preocupações” relacionadas à China na região do Indo-Pacífico.
“Há um conjunto de questões relacionadas à China do ponto de vista da segurança que nos preocupa profundamente sobre a trajetória onde as coisas estão indo no Indo-Pacífico”, afirmou Kirby.

“Em conjunto, todas essas coisas são motivo de preocupação e estão sendo usadas para informar os conceitos operacionais que queremos ser capazes de empregar.”

(Texto traduzido. Leia o original em inglês aqui).

Mais Recentes da CNN