Symone Sanders, porta-voz principal de Kamala Harris, deixará a Casa Branca

Esta é a segunda baixa na equipe de comunicação da vice-presidente dos EUA nas últimas semanas

Kamala Harris e Symone Sanders
Kamala Harris e Symone Sanders Reuters

Jasmine WrightMaegan Vazquezda CNN

Ouvir notícia

Symone Sanders, porta-voz principal da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, e conselheira sênior, deixará o governo Biden no fim do ano, de acordo com uma fonte próxima à administração.

“Symone serviu com honra por três anos”, disse a fonte à CNN. “O presidente e a vice-presidente são gratos pelo serviço e defesa de Symone por esta Casa Branca. Ela é uma integrante valiosa, que joga em equipe, e sua falta será sentida. Estamos gratos por tê-la trabalhando até o fim do ano”.

Sua saída marca a segunda baixa na equipe de comunicação de Harris nas últimas semanas. No mês passado, um funcionário da Casa Branca disse à CNN que o diretor de comunicações do vice-presidente, Ashley Etienne, estava saindo em busca de “outras oportunidades”.

As notícias seguiram-se a uma miríade de reportagens, inclusive da CNN, de brigas internas e disfunções da equipe. Ainda assim, a fonte descartou que a saída de Sanders tenha a ver com relatos de disfunção, considerando o momento certo para ela partir.

Harris já sabia há algum tempo sobre a partida de Sanders, de acordo com uma segunda fonte. Anita Dunn, uma ex-assessora de Biden, elogiou Sanders como “um talento extraordinário” em entrevista à CNN na noite de quarta-feira (1º).

“Symone tem trabalhado nos níveis mais altos e em um ambiente extraordinariamente intenso por três anos para Joe Biden. E agora também para a vice-presidente Harris”, disse Dunn.

“Quando você olha para os três anos, dois na campanha, um na Casa Branca, ninguém pode questionar sua decisão de que precisa de uma pausa e é hora de seguir em frente. E ela sempre será um membro da família Biden-Harris”, completou.

Sanders, uma estrategista política afro-americana de 31 anos, juntou-se à Casa Branca após a campanha presidencial de Joe Biden para 2020, da qual atuou como conselheira sênior.

Ela também foi secretária de imprensa nacional da campanha presidencial de 2016 do senador Bernie Sanders de Vermont e analista político da CNN antes de ingressar na campanha de Biden.

Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris /

Durante seu tempo no cargo, Sanders ajudou a liderar mensagens para Harris, que recebeu a tarefa de fazer o que aliados e apoiadores consideram um portfólio complicado. Adicionando outra dimensão aos esforços de Sanders, Harris – que tem sido obstinada com desafios de como passar mensagens desde sua campanha presidencial mal-sucedida – atrapalhou publicamente a mensagem da Casa Branca durante seu tempo como vice.

Em fevereiro, o senador democrata Joe Manchin expressou frustração com uma entrevista  que Harris deu em seu estado natal para promover o Plano de Resgate Americano, sugerindo que o governo não o avisou.

Durante sua primeira viagem ao exterior, Harris – que lidera os esforços diplomáticos para conter a migração do Triângulo Norte – teve que lidar com as consequências de sua resposta sobre o motivo de ela ainda não ter visitado a fronteira EUA-México como vice-presidente.

E durante o verão, a Casa Branca teve que mergulhar no controle de danos após relatos de disfunções na equipe de Harris.

A entrevista durante a qual ela fez o comentário sobre a fronteira aconteceu depois que Harris participou de uma ampla sessão de treinamento de mídia para melhorar sua apresentação em entrevistas e discursos. Esse treinamento foi uma das várias sessões durante o ano passado, de acordo com várias fontes.

Em setembro, o gabinete do vice-presidente também tentou conter as repercussões sobre a falta de resistência de Harris em uma troca com um estudante que caracterizou as ações de Israel contra os palestinos como “um genocídio étnico e deslocamento de pessoas”.

Desde os erros nas mensagens, o gabinete do vice-presidente contratou dois veteranos em comunicações – Lorraine Voles, uma especialista em comunicações de crise, e Adam Frankel, um ex-redator de discursos de Obama – para concentrar seus esforços no “desenvolvimento organizacional, comunicações estratégicas e planejamento de longo prazo , “de acordo com a Casa Branca.

Sanders já havia tornado suas ambições na Casa Branca conhecidas, escrevendo em suas memórias de 2020: “Um dia quero ser secretária de imprensa da Casa Branca”. Hoje o cargo é ocupado por Jen Psaki,

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN