Pandemia do novo coronavírus provoca mudanças em terreiros de candomblé


Juliana Faddul, da CNN, em São Paulo
01 de junho de 2020 às 12:21

Cerca de 2% dos brasileiros afirmam seguir religiões de matriz africana, segundo levantamento do Datafolha. Mas pesquisadores acreditam que esse número pode ser maior, pois ainda existem pessoas que não admitem a crença por causa da intolerância religiosa.

De acordo com o levantamento feito pela CNN, foram registrados quase 6.500 casos de intolerância religiosa só no estado de São Paulo em 2019. Neste ano, até março, foram comunicadas mais de 900 ocorrências.

Veja também: 

Com igrejas fechadas, católicos encontram novas formas de união
Muçulmanos mostram rotina religiosa no Brasil em meio à pandemia
Por Covid-19, comunidade judaica adapta shabat para versão online
Evangélicos fazem assistência espiritual e batismo online em meio à pandemia

No terceiro episódio da série "A Fé em Tempos de Pandemia", a CNN mostra como o candomblé tem adaptado seus ritos religiosos nos últimos anos, devido à intolerância e, principalmente, em período de pandemia do novo coronavírus no Brasil. 

"Esse problema que as pessoas estão enfrentando com a Covid-19, de ver a realização do seu ritual ser impedida, é uma coisa que a gente sempre enfrentou por conta da intolerância e do racismo religioso. Hoje todo mundo sabe o que é isso, qual é a dor de você não poder cumprir um ritual. Criamos, por conta da intolerância, alguns instrumentos simbólicos para que pudéssemos cumprir o ritual sem a presença do corpo", explicou o pai Rodnei de Oxóssi.

A produção é de Juliana Faddul e a edição, de Eduardo Palácio.