Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cúpula: Povos indígenas assinam documento a presidentes e pedem para que salvem a Amazônia

    Produzido pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, documento tem 18 pontos

    Lideranças indígenas definiram pautas prioritárias em encontro no último dia do Diálogos Amazônicos
    Lideranças indígenas definiram pautas prioritárias em encontro no último dia do Diálogos Amazônicos Divulgação/Luene Karipuna

    Nilson Cortinhascolaboração para a CNN

    Belém

    O Diálogos Amazônicos terminou neste domingo (6) com a apresentação de uma carta que será entregue aos presidentes de países que estarão presentes na Cúpula da Amazônia, que começa na segunda-feira (7).

    O documento, intitulado Carta dos Povos Indígenas da Amazônia, foi produzido por integrantes da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira.

    VÍDEO – Cúpula da Amazônia faz grande diferença no combate ao desmatamento

    Eles fizeram pedidos pelo futuro da Amazônia e pela desaceleração dos impactos das mudanças climáticas. A previsão é que a carta seja entregue na terça-feira (8).

    A CNN teve acesso a uma cópia do documento, que possui 18 pontos.

    Entre eles, estão “salvar a Amazônia da mineração, do mercúrio e da exploração dos combustíveis fósseis; evitar o colapso ambiental e climático da região; lutar pela conservação das florestas, das águas e da vida dos povos; e uma economia sustentável, transparente e participativa”.

    Antes de entregarem a carta aos presidentes, as lideranças farão uma caminhada pelas ruas de Belém. Esse momento está sendo chamado de Marcha dos Povos da Terra pela Amazônia, e reunirá indígenas, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas e ativistas ambientais.

    “Somos 5% da população mundial e protegemos 82% da biodiversidade no mundo. Somos os guardiões da vida e do futuro”, disse a ministra dos povos indígenas, Sônia Guajajara. “Para nós, pensar tudo isso é pensar também não só a partir dos recursos naturais que precisam ser protegidos, mas a libertação dos territórios como um todo, que preserve as culturas, a biodiversidade, que garanta a vida para as atuais e futuras gerações”, concluiu.

    Tópicos

    Tópicos