Estação chuvosa no Sudeste foi completamente atípica, diz especialista

À CNN, diretor do Cemanden afirmou que volume de chuva em Angra dos Reis em 48 horas foi quatro vezes maior que o previsto para abril

João Pedro MalarElis Francoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

As chuvas no Rio de Janeiro nos últimos dias que resultaram em ao menos 16 mortes nos municípios de Paraty, Angra dos Reis e Mesquita fazem parte de uma estação chuvosa “completamente atípica na comparação com outros anos”, segundo Osvaldo de Moraes, diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemanden).

Em entrevista à CNN neste domingo (3), Moraes citou outras mortes em desastres na Bahia, Minas Gerais, São Paulo e no próprio Rio de Janeiro, em Petrópolis, desde o início da estação chuvosa no Sudeste.

“Estamos agora passando para o fim da estação chuva no Sudeste, devemos entrar em um regime de chuva bem menos intenso, mas tem outras regiões com outra sazonalidade de chuva. O Nordeste começa a chamar atenção. Diferentes regiões têm diferentes sistemas”, diz.

Para ele, situações como a do Rio de Janeiro são resultado de duas ameaças, a natural e a social.

“Adicionalmente à ameaça natural, que é a intensidade, o aumento da frequência de eventos extremos provavelmente causado pelas mudanças climáticas, também estamos tendo um aumento da vulnerabilidade social e do número de pessoas expostas ao risco. A combinação dessas duas ameaças é que é a responsável pelo desastre”, avalia.

O especialista afirma que o Brasil cresceu muito nos últimos anos na área de monitoramento e emissão de alertas, mas a evolução foi pequena na parte de percepção de risco.

“As pessoas continuam morando em áreas de risco e elas não conhecem exatamente qual é o risco a que estão expostas, como devem agir não apenas no momento em que o desastre está acontecendo, mas em uma sequência contínua de preparação, educação, para estarem melhor preparadas para que a vulnerabilidade diminua”.

No caso de Angra dos Reis, a chuva em 48 horas foi de 821 milímetros, “algo indescritível e impensável”, já que a previsão para todo o mês de abril era de chuva de 220 milímetros. “Ou seja, em dois dias choveu em Angra dos Reis quatro vezes o que se esperava para todo o mês de abril”.

Segundo ele, a chuva foi consequência da combinação de uma frente fria na região, da umidade que saiu do Oceano Atlântico devido às altas temperaturas e do transporte de umidade por uma massa de ar.

Agora, esse vento está mudando de direção, o que deve diminuir a chuva na região nas próximas horas e até parar a chuva entre a tarde e a noite.

Com a mudança, o Cemaden abriu alertas para Teresópolis e municípios em Espírito Santo e Minas Gerais, mas com alertas de “nível moderado, só atenção para acompanhamento”.

Mais Recentes da CNN