Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Turistas apoiam cancelamento do Réveillon no Rio de Janeiro

    Academia Nacional de Medicina parabenizou todas as autoridades das 24 cidades que decidiram pelo cancelamento; suspensão da festa da virada no Rio foi anunciada pelo prefeito Eduardo Paes

    Queima de fogos na praia de Copacabana em 2019
    Queima de fogos na praia de Copacabana em 2019 Richard Santos/Riotur

    Lucas MadureiraThayana Araújoda CNN

    Rio de Janeiro

    Turistas de vários estados e que estão em viagem pelo Rio de Janeiro, manifestaram apoio à decisão do cancelamento da festa de Réveillon, na capital fluminense. A suspensão do megaevento, que teria 13 palcos montados em diferentes pontos da cidade, foi anunciada neste sábado (4) pelo prefeito Eduardo Paes, nas redes sociais e reforçado momentos depois em coletiva.

    No calçadão de Copacabana, cenário principal da festa, turistas entrevistados pela CNN do Paraná e de São Paulo, estado que contabiliza três dos seis casos já confirmados de variante Ômicron, disseram que apesar da estabilidade da pandemia no país, este ainda não é o momento adequado para aglomerações.

    “Acho melhor esperar um pouco e curtimos um Réveillon mais tranquilo, sem aglomeração”, avaliou a publicitária Grazielle Gervasio, turista de São Paulo.

    “Eu acho que o retorno tem que ser gradual. E aglomerar todo mundo, num mesmo lugar nesse momento, eu acho que não seria algo prudente”, complementou o turista Leandro Peron, de Londrina, no Paraná, durante um passeio pela orla.

    Assim como os turistas, a Academia Nacional de Medicina (ANM) parabenizou todos os governantes, em todas as esferas, que seguindo as orientações médico-científicas, cancelaram as festas oficiais de final de ano (Réveillon).

    “Aos governantes que não o fizeram (cancelamento), que avaliem a não realização dessas festas, que geram aglomerações e podem intensificar a transmissão da Covid-19, e resultar em nova onda de pandemia”, defendeu a ANM.

    Preocupada com o possível recrudescimento da pandemia pelo Coronavírus e especialmente pela variante Ômicron, a academia considera fundamental a manutenção do uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento físico.

    O Brasil já registra seis casos de pacientes infectados com a variante Ômicron. Nesta sexta-feira (3), o governo do Rio Grande do Sul confirmou o primeiro caso no estado. Antes, São Paulo e Distrito Federal já haviam atestado a presença da cepa em cinco amostras.