'Cada um pode fazer a sua avaliação', diz Sergio Moro após divulgação de vídeo

Sigilo do vídeo da reunião ministerial foi retirado na tarde desta sexta-feira (22) pelo ministro Celso de Mello, do STF

Anna Gabriela Costa da CNN, em São Paulo
22 de maio de 2020 às 20:29 | Atualizado 22 de maio de 2020 às 21:48
Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública
Foto: Adriano Machado/Reuters (12.abr.2020)

Horas após a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou que “a verdade foi exposta” e que sobre os demais temas exibidos, “cada um pode fazer a sua avaliação”. O sigilo do vídeo foi retirado na tarde desta sexta-feira (22) pelo ministro Celso de Mello, do STF. 

"A verdade foi dita, exposta em vídeo, mensagens, depoimentos e comprovada com fatos posteriores, como a demissão do Diretor Geral da PF e a troca na superintendência do RJ. Quanto a outros temas exibidos no vídeo, cada um pode fazer a sua avaliação”, afirmou Moro pelo Twitter. 

Leia mais:

Reunião ministerial de Bolsonaro: assista ao vídeo na íntegra e leia transcrição

Ninguém está acima da lei, diz Celso de Mello ao tirar sigilo de vídeo

Ministro do Meio Ambiente sugere 'passar boiada' enquanto o foco é coronavírus

Bolsonaro comenta divulgação de vídeo: 'Farsa desmontada'

Reunião ministerial

Sergio Moro argumentou, segundo a gravação da reunião entre ministros, que as pautas de combate à corrupção e controle da segurança pública deveriam ser destacadas, uma vez que, segundo ele, foram os temas centrais das eleições. 

“É ... só faria uma sugestão aqui, ministro, se pudesse colocar desde logo em algum momento desse plano, alguma referência importante também à segurança pública e controle da corrupção. Foram dois temas centrais,né? Nas últimas eleições.”

Moro destacou a queda nos índices de criminalidade a um fator importante para o investimento econômico.

“Tem que apontar também que foi uma vitória do governo, do presidente, ano passado houve uma queda expressiva desses principais indicadores criminais. Isso embora seja mais vinculado com a questão da vida e segurança das pessoas, também é um fator importante aí para o investimento econômico, pra atrair, melhorar o ambiente econômico”.

Nota da defesa

O advogado de Moro, Rodrigo Sánchez Rios, enviou uma nota para rebater as declarações de Bolsonaro sobre contatos durante as eleições de 2018.

"Sérgio Moro nunca pediu para falar com o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, durante as eleições de 2018. Moro apenas foi cumprimentado por Bolsonaro, bem antes do período eleitoral, no aeroporto de Brasília, oportunidade em que não reconheceu o então deputado federal. Depois disso, Sérgio Moro ligou para se desculpar por uma questão de urbanidade. O então juiz federal foi procurado por Paulo Guedes, então assessor econômico do candidato à Presidência, uma semana antes do 2º turno. É lamentável que o presidente da República tente distorcer fatos e enganar a população."

Rodrigo Sánchez Rios, advogado de de Sérgio Moro