Decotelli está sendo alvo de 'deslegitimação', diz Bolsonaro


Anna Satie, da CNN em São Paulo
29 de junho de 2020 às 21:13 | Atualizado 29 de junho de 2020 às 21:15
Jair Bolsonaro anuncia o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli

O presidente Jair Bolsonaro anuncia o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli

Foto: Reprodução/Facebook (25.jun.2020)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta segunda-feira (29) que Carlos Alberto Decotelli, nomeado para o Ministério da Educação, está enfrentando "todas as formas de deslegitimação para o ministério". 

Em publicação no Facebook, ele diz que o novo titular não pretende ser um problema para a pasta e que está ciente de seu equívoco. "Todos aqueles que conviveram com ele comprovam sua capacidade para construir uma Educação inclusiva e de oportunidades para todos", escreveu. 

Mais cedo, Decotelli falou à imprensa e confirmou que permaneceria no cargo

Leia também:

Bolsonaro aponta traição em caso Decotelli e acirra disputa interna

Posse de Decotelli no MEC é suspensa e governo estuda rever nomeação

Desde o anúncio da indicação do novo ministro, na última quinta-feira (25), várias partes de seu currículo foram desmentidas — a universidade em que dizia ter feito um curso de pós-doutorado negou que ele tivesse qualquer certificado pela instituição, o reitor da faculdade em que dizia ter doutorado veio à público dizer que sua tese não foi aprovada. Também foram encontrados indícios de plágio em sua dissertação de mestrado.

A posse de Decotelli, que aconteceria nesta terça (30), foi adiada e, segundo o Planalto, não tem mais data para acontecer. À CNN, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que há "constrangimento geral" entre aliados do presidente a respeito das inconsistências encontradas no currículo do novo ministro.