Candidatos falam sobre propostas para São Paulo em sabatinas da CNN; veja

Bruno Covas (PSDB), Celso Russomanno (Republicanos), Guilherme Boulos (PSOL), Márcio França (PSB), Jilmar Tatto (PT) e Arthur do Val (Patriota)

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
13 de novembro de 2020 às 05:00
Urna eletrônica lacrada antes de eleição municipal
Urna eletrônica lacrada antes de eleição municipal
Foto: Leandro Ferreira/Fotoarena/Estadão Conteúdo (1º.nov.2020)

A CNN entrevistou nesta semana seis candidatos à Prefeitura de São Paulo, que falaram em sabatinas sobre as propostas que têm para a capital paulista.

Todas as entrevistas tiveram duração idêntica, de 15 minutos contados a partir do início da primeira resposta, foram conduzidas pela âncora Daniela Lima e exibidas no jornal CNN 360º.

O critério para selecionar os candidatos entrevistados foi a última pesquisa Ibope ou Datafolha divulgada até as 23h59 da sexta-feira que antecedeu as sabatinas.

O levantamento que atendeu a esse critério foi a pesquisa Datafolha divulgada no dia 5 de novembro, que trouxe como seis primeiros colocados, ignorada a margem de erro, os seguintes candidatos:

Bruno Covas (PSDB) - 28%

Celso Russomanno (Republicanos) - 16%

Guilherme Boulos (PSOL) - 14%

Márcio França (PSB) - 13%

Jilmar Tatto (PT) - 6%

Arthur do Val - Mamãe Falei (Patriota) - 4%

A pesquisa Datafolha tomada como base para a definição das entrevistas foi colhida entre os dias 3 e 4 de novembro, ouvindo 1.260 pessoas. O questionário foi registrado sob o protocolo SP-06709/2020, com nível de confiança de 95% e margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos. Os contratantes são o jornal Folha de S.Paulo e a TV Globo.

Assista e leia também:

Quem são os candidatos a prefeito de São Paulo nas eleições de 2020?

Assista abaixo às entrevistas, na ordem em que foram exibidas na TV:

Bruno Covas

Sabatinado na terça-feira (10), o candidato Bruno Covas (PSDB) criticou a politização do tema da vacina contra a Covid-19 e defendeu a sua atuação, enquanto atual prefeito, no gerenciamento da crise decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Assista e leia também:

Covas critica politização de vacinas e defende atuação na pandemia da Covid-19

Celso Russomanno

Sabatinado na terça-feira (10), o candidato Celso Russomanno (Republicanos) rejeitou a hipótese de retornar às fases mais rígidas da quarentena caso a cidade enfrente uma segunda onda da pandemia. Ele defende o isolamento vertical, apenas de idosos e portadores de doenças crônicas.

Assista e leia também:

Russomanno defende isolamento vertical e culpa difamação por queda em pesquisas

Guilherme Boulos

Sabatinado na quarta-feira (11), o candidato Guilherme Boulos (PSOL) afirmou que uma das suas prioridades será a cobrança da dívida ativa da cidade de São Paulo. Segundo ele, essa será a sua estratégia para financiar um programa de renda solidária.

Assista e leia também:

Boulos defende cobrar dívida ativa para financiar renda solidária em SP

Márcio França

Sabatinado na quarta-feira (11), o candidato Márcio França (PSB) propôs um programa voltado a frentes de trabalho emergenciais, custeadas com dinheiro público. Os recursos viriam da não ocupação de 99% dos cargos comissionados da Prefeitura.

Assista e leia também:

França propõe cortar cargos em comissão para pagar empregos públicos temporários

Jilmar Tatto

Sabatinado na quinta-feira (12), o candidato Jilmar Tatto (PT) defendeu um conjunto de programas sociais, com renda básica, teste em massa e passe livre para desempregados em SP. O candidato afirma que a cidade pode custear as medidas com reorganização do orçamento.

Assista e leia também:

Tatto propõe renda básica, teste em massa e passe livre para desempregados em SP

Arthur do Val - Mamãe Falei

Sabatinado na quinta-feira (12), o candidato Arhur do Val - Mamãe Falei (Patriota) criticou a possibilidade do pagamento de um auxílio para os paulistanos e defendeu a reabertura total do comércio na cidade. O candidato propõe transferir equipamentos sociais para a periferia.

Assista e leia também:

Arthur do Val defende descentralizar equipamentos sociais e critica auxílio