Empresários procuraram MP para delatar esquema de propina na prefeitura do Rio

Foram homologadas 3 delações, envolvendo 4 investigados que se comprometeram a apresentar provas dos crimes praticados pelo 'QG da propina' na prefeitura

Elis Barreto*, da CNN, no Rio de Janeiro
22 de dezembro de 2020 às 11:49 | Atualizado 22 de dezembro de 2020 às 17:19
Em delação homologada pelo MP-RJ, quatro investigados se comprometeram a apresentar prova dos crimes cometidos na prefeitura do Rio de Janeiro
Foto: Fernando Frazão - 8.out.2019/Agência Brasil

Após o desdobramento em setembro da Operação Hades, que investiga um suposto “QG da propina” na prefeitura do Rio de Janeiro, quatro investigados na ação procuraram o Ministério Público do Rio de Janeiro voluntariamente para fazer acordo de delação premiada. 

De acordo com o MP-RJ, os investigados se comprometeram a apresentar provas de que os crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa eram cometidos na prefeitura do Rio.

Três delações foram homologadas pelo Ministério Público: a do empresário João Alberto, dono de empresas que tinham contrato com a prefeitura; a de dois executivos do grupo Assim Saúde; e a do empresário Ricardo Siqueira, ligado ao também empresário Arthur Soares, o “Rei Arthur”. 

Assista e leia também:
Prefeito Marcelo Crivella é preso no Rio de Janeiro
Em denúncia, MP do Rio diz que operação contra Crivella, em setembro, vazou
Crivella entregou celular de outra pessoa ao ser alvo de operação, em setembro

De acordo com o MP-RJ, a “troca de vantagens e o recebimento de propinas” por parte dos membros do citado grupo criminoso “se estendeu pelas mais variadas pastas, atingindo cifras milionárias”. 

Juntos, os colaboradores do grupo Assim Saúde, o doleiro Sérgio Mizrahy e o empresário João Alberto se comprometeram a devolver aos cofres públicos a quantia de R$ 67.250.000,00. Segundo o MP-RJ, esse valor seria referente somente aos pagamentos de propinas feitos por esses colaboradores à prefeitura do Rio.

A primeira fase da Operação Hades foi deflagrada em março deste ano, e surgiu da delação do doleiro Sérgio Mizrahy, preso pela Operação Câmbio, Desligo. Em sua delação, o doleiro chamou um escritório da prefeitura do Rio de “QG da Propina”. No entanto, na ocasião, o doleiro não soube dizer se o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) tinha envolvimento com o esquema e se sabia da existência da estrutura.

Assista e leia também:
'Fui o governo que mais atuou contra corrupção no Rio', diz Crivella após prisão
Presidente da Câmara do Rio vai substituir Crivella na Prefeitura; saiba quem é
Entenda o que é a Operação Hades, que culminou na prisão de Marcelo Crivella

Em nota, o Grupo Assim afirmou "que não é réu no processo relacionado às denúncias de irregularidades na relação com a prefeitura do Rio de Janeiro. Os executivos denunciados e envolvidos na ação estão prestando todos os esclarecimentos necessários e solicitados pelo Ministério Público e pela Justiça”. 

(*sob supervisão de Maria Mazzei)