FHC, Temer e Sarney participam de evento de SP por vacinação contra Covid-19

Ex-presidentes defenderam imunização e união diante da pandemia

Anna Satie, da CNN em São Paulo
25 de janeiro de 2021 às 14:02 | Atualizado 25 de janeiro de 2021 às 14:04

 

Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Michel Temer e José Sarney participaram nesta segunda-feira (25) de um evento do governo de São Paulo em prol da vacinação contra Covid-19

Temer descreveu o encontro como uma "simbologia de unidade, para unidos, combatermos o vírus".

Tanto os ex-chefes de Estado quanto o governador João Doria (PSDB) disseram repetidamente que esse não era um evento de cunho político e se recusaram a comentar a política do governo federal no enfrentamento à pandemia.

Sarney, que participou virtualmente do evento de sua casa em Brasília, disse que a vacina é esperança para vencer uma ameaça ao futuro da humanidade. "Nos resta a esperança para vencer essa tragédia, a vacinação, que deve ser feita com espírito de solidariedade e colaboração de todos", declarou. "Junto-me aos meus colegas nesse apelo pela vida e saúde de todos os brasileiros". 

Temer se manifestou da mesma maneira, dizendo que está na fila para receber a imunização. "Quando chegar a minha vez, tomarei essa vacina", afirmou. "Farei com muita tranquilidade de que isso pode ajudar a preservar a nossa vida". 

Ele acrescentou que não pode haver disputa entre as vacinas. "Venha de onde vierem, desde que sejam devidamente aprovadas", disse. "Vacinem-se todos, essa é a melhor comemoração que poderíamos fazer no dia da fundação de São Paulo". 

O governador de SP João Doria e os ex-presidentes FHC, Temer e Sarney
O governador de São Paulo João Doria e os ex-presidentes FHC, Michel Temer e José Sarney
Foto: Reprodução

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o único a participar presencialmente, disse estar de acordo com as falas que o precederam e disse que o evento não era gesto político, mas de "amor à vida". 

"Não creio que seja oportuno fazer comentários a respeito de como estão se comportando os governantes atuais", declarou. "Não quero criar dificuldade adicional. Institucionalmente, estamos aqui para pedir que nos unamos, não que nos afastemos uns dos outros". 

Doria relembrou que todos os ex-presidentes vivos foram convidados para o evento. Fernando Collor (Pros), Dilma Rousseff (PT) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declinaram o convite. 

Michel Temer disse, durante o evento, ter falado com o embaixador da China no Brasil nesta manhã sobre a importação dos insumos para produção da vacina no Brasil.

"Nesta conversa, a notícia que tive é que os insumos estão acondicionados em questão técnica da China, mas que virão para o Brasil, tanto para a Fiocruz quanto para o Butantan", falou, acrescentando que o diplomata teria mencionado outras iniciativas de autoridades brasileiras, como do Ministério da Saúde, do Ministério da Agricultura e do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

"Todos estão trabalhando para insistir na remessa dos insumos para que logo os tenhamos", completou. 

Doria aproveitou para anunciar que o governo paulista tem uma reunião com a embaixada nesta terça (26), e que por volta das 11h, terão uma posição sobre o prazo da importação da matéria-prima.