Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Saiba quem é Fernando Haddad, que disputa o 2º turno em São Paulo

    Candidato do PT ao governo estadual foi ministro da Educação de Lula e prefeito da capital paulista

    Da CNN Brasil

    O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) ao governo de São Paulo, Fernando Haddad, avançou para o segundo turno na disputa e enfrentará Tarcísio de Freitas (PL) em 30 de outubro.

    Fernando Haddad nasceu em 25 de janeiro de 1963, em São Paulo. Seu pai, Khalil Haddad, emigrou do Líbano para o Brasil em 1947, e se estabeleceu como comerciante atacadista do setor têxtil. Sua mãe, Norma Thereza Goussain Haddad, era filha de libaneses.

    Haddad cresceu no bairro Planalto Paulista, na zona sul da capital. Durante a infância e a adolescência, destacou-se por suas habilidades esportivas, conquistando faixa preta em tae kwon do e praticou kung fu. O candidato também jogou handebol, chegando a ser vice-artilheiro do campeonato paulista entre 1977 e 1978.

    Em 1981, Haddad ingressou na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo (USP). No terceiro ano do curso, começou a militância estudantil, ainda durante o regime militar. O candidato se associou a militantes do Partido Comunista Brasileiro e à trotskista Liberdade e Luta.

    Haddad se tornou presidente do Centro Acadêmico XI de Agosto em 1984. No ano seguinte, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores.

    O candidato concluiu sua graduação em 1986 e, no ano seguinte, iniciou seu mestrado em Economia na USP. Com a especialização, atuou no ramo da incorporação e da construção civil.

    Haddad foi analista de investimentos do Unibanco e um dos criadores e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. No cargo, ajudou a criar a Tabela Fipe, usada para verificação de preços de automóveis. O candidato ainda foi professor da USP.

    A vida pública de Haddad tem início em 2001, quando ele foi nomeado chefe de gabinete da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico da capital, durante a gestão de Marta Suplicy.

    O candidato deixou a secretaria no primeiro semestre de 2003, quando assumiu a Assessoria Especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a convite de Guido Mantega, ministro do Planejamento do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

    No posto, foi um dos responsáveis pela formatação da Lei da Parceria Público Privada (PPP).

    Em 2004, migrou para o Ministério da Educação, na época comandado por Tarso Genro. Ele ocupou o cargo de secretário-executivo. No ano seguinte, assumiu o comando da pasta.

    Durante sua gestão, foi implementado o Programa Universidade Para Todos (ProUni). Haddad colocou em prática o Plano de Desenvolvimento da Educação e criou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

    Ele também foi um dos idealizadores do Sistema de Seleção Unificada (SISU), que permite que estudantes de escolas públicas usem a nota do Exame Nacional do Ensino Médio para acessar o ensino superior.

    Em 2012, foi eleito prefeito de São Paulo, após derrotar José Serra (PSDB) no segundo turno, com 55,57% dos votos válidos contra 44,43%.

    Um dos principais focos de seu mandato foi a mobilidade urbana. Haddad promoveu mudanças nos itinerários de ônibus da capital, e criou 200 km de corredores exclusivos.

    Enquanto esteve no cargo, o então prefeito consolidou forte rejeição, impulsionada pelo impeachment de Dilma Rousseff e sentimento antipetista, que crescia diante dos avanços da Operação Lava Jato.

    Em 2016, Haddad disputou a reeleição e foi derrotado por João Doria (PSDB) no primeiro turno. O tucano teve 53,29% dos votos válidos, contra 16,70% de Haddad.

    Em 2018, o candidato substituiu Luiz Inácio Lula da Silva na disputa presidencial, depois que o ex-presidente foi condenado e preso no âmbito da Operação Lava Jato. Inicialmente, Haddad era o candidato a vice-presidente na chapa de Lula.

    O petista foi para o segundo turno com Jair Bolsonaro (então, PSL) e foi derrotado. Haddad obteve 44,87% dos votos válidos, contra 55,13% do atual presidente.

    Neste ano, Haddad declarou ter R$ 595.059,29 em bens, segundo relatório do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A candidata a vice em sua chapa é Lúcia França, esposa de Márcio França (PSB), candidato ao Senado.

    Márcio abdicou da disputa ao governo estadual para apoiar Haddad.

    O candidato do PT é casado com Ana Estela Haddad, tem dois filhos: Frederico e Ana Carolina.

    *publicado por Tiago Tortella, da CNN

    Veja imagens dos candidatos ao governo de São Paulo em 2022