Correspondente Médico: Como o corpo age em situações de violência?


Da CNN, em São Paulo
28 de agosto de 2020 às 11:37

A semana foi marcada por uma série de conflitos entre facções no Rio de Janeiro. Vídeos e histórias de pessoas que tiveram que conviver com a violência na porta de casa tomaram as redes sociais, como o vídeo de uma moradora do Complexo de São Carlos que, ao ver homens fortemente armados na porta de casa, teve que forçar seu filho a ficar quieto.

Outro caso de violência no Rio de Janeiro nesta semana aconteceu com a atendente Cristina da Silva, de 25 anos, morta no caminho do trabalho após se jogar na frente de seu filho para protegê-lo de uma bala perdida.

Na edição desta sexta-feira (28) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes falou sobre as reações do cérebro em momentos de violência e estresse e como isso afeta o funcionamento do corpo e mente.

Gomes explicou que o permanente estado de alerta afeta a região do hipotálamo, amígdala cerebral e região da formação reticular ativadora ascendente, e que um estresse permanente nestas regiões pode gerar problemas de memória.

Leia também

Correspondente Médico: Por que ainda não existe uma vacina contra o HIV?

Correspondente Médico: O que é e quais as causas da paralisia infantil?

Correspondente Médico: Como o autocuidado afeta a autoestima e a saúde?

Correspondente Médico: o neurocirurgião Fernando Gomes fala sobre o comportament

Correspondente Médico: o neurocirurgião Fernando Gomes fala sobre o comportamento do corpo em situações de violência (28.ago.2020)

Foto: CNN Brasil

“O cérebro de quem vive em locais violentos trabalha de forma alerta, atenta e sob estresse. O médio e longo prazo impactam na capacidade de memorizar, aprender e gerenciar problemas. O cérebro fica moldado para trabalhar em estado de atenção para se proteger em detrimento de se relaxar.”

No caso da atendente que se sacrificou para salvar seu bebê de uma bala perdida, Gomes diz que é um caso de atitude instintiva onde o sentido de proteção faz com que o corpo atue de maneira diferente do habitual.

“Nesses casos [como da atendente], o plano consciente não é nem acessado. Antes da pessoa pensar no que está fazendo, o instinto de preservação da espécie é acionado e com isso alguns movimentos mudam, como entrar na frente do filho e outras coisas que você normalmente não faria,” diz Gomes.

“Nestes momentos o sistema límbico, que é a parte emocional do cérebro, toma comando da situação e você acaba agindo antes de pensar,” finaliza.

(Edição: André Rigue)