Brasil registra mais 1.337 mortes por Covid-19 em 24h

Total foi a 252.835; este é o 37º dia consecutivo com média móvel de óbitos acima de mil, maior sequência de toda a pandemia

Anna Satie, da CNN em São Paulo
26 de fevereiro de 2021 às 18:24 | Atualizado 26 de fevereiro de 2021 às 18:25
cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, durante pandemia da Covid-19
Agente funerário sepulta caixão no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo, durante pandemia da Covid-19
Foto: Ettore Chiereguini/Agif/Estadão Conteúdo (21.jan.2021)

O Ministério da Saúde registrou mais 1.337 mortes por Covid-19 nesta sexta-feira (26), elevando o total a 252.835. 

Este é o 37º dia consecutivo em que a média móvel de óbitos acima de mil, maior sequência de toda a pandemia. Antes, o maior período havia sido entre julho e agosto de 2020, com 36 dias seguidos no mesmo patamar. 

Em fevereiro, só houve menos de mil mortes diárias às segundas-feiras e fins de semana, dias em que as confirmações ficam represadas por conta do funcionamento de laboratórios e secretarias de Saúde.

Também foram confirmados mais 65.169 casos, totalizando 10.455.630.

Nesta sexta, 15 estados e o Distrito Federal tinham ao menos 80% de ocupação de leitos de UTI nas redes pública ou privada, de acordo com levantamento feito pela CNN.

Para a Fiocruz, o Brasil vive o pior momento desde o início da pandemia. Os presidentes do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e do Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), Carlos Lula e Wilames Freire Bezerra, fizeram afirmações semelhantes na última quinta-feira (25). 

"Não é pouco dizer que esse é o momento mais difícil desde o início, desde a primeira confirmação em fevereiro de 2020 com um paciente em São Paulo. Nunca teve tantos estados com tanta dificuldade ao mesmo tempo, seja pela circulação das novas cepas, seja pelo cansaço da sociredade de estar vivendo isso há tanto tempo", disse Lula.